APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Democratize-se!

​Sem propaganda na TV aberta, meu avô queria votar no Russomano, mas somos de Osasco

Image

Por Paulo Talarico | 24.10.2016

Publicado em 24.10.2016 | 18:28 | Alterado em 02.10.2018 | 18:12

RESUMO

Cidade sem propaganda política vê candidato inelegível duas vezes receber milhares de votos que são anulados

Tempo de leitura: 2 min(s)

Cidade tem disputa de segundo turno — Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

Meu avô não vota há duas eleições. Mas a propaganda que ele acompanhava na TV todos os dias o fez simpatizar com um dos candidatos: Celso Russomano (PRB). Se ainda votasse, ele escolheria Russomano.

Na disputa pelo primeiro turno, ele acompanhou com empolgação a alta “Russomanica” (“Vai vencer, ele vence, tá na frente”) e com pesar a queda​ do republicano​ nas pesquisas​ publicadas nos jornais​ (“​Caiu na pesquisa nada. ​Papel aceita tudo”)​. Nas urnas, o candidato naufragou mais uma vez com a vitória de João Doria (PSDB) e coube a ele aceitar.

Até aí tudo normal, mais um insatisfeito em uma eleição pelo fracasso de seu apoiado. O problema é que o patriarca dos Talaricos, assim como eu, não é d​a capital. É de Osasco, cidade da Grande São Paulo, tida como o segundo PIB do estado, com duas emissoras (SBT e RedeTV!), mas que ainda não tem propaganda eleitoral na TV aberta. Situação semelhante a todas as cidades da região metropolitana, inclusive aquelas com mais de 200 mil eleitores.

Neste momento, a cidade acompanha o segundo turno entre o vereador Rogério Lins (PTN) e o atual prefeito Jorge Lapas (PDT). Quem tem muito interesse está focado nas redes sociais, nos jornais regionais ou nas poucas emissoras de rádio e TVs online que têm transmitido a propaganda obrigatória.

Enquanto a TV apresentava a vida da Marta, do Haddad, do Doria, do Olímpio, ou até a veloz Erundina, quase sem tempo, os quase 500 mil eleitores osasquense​s conviveram diariamente com os boatos, as denúncias com​ e sem fundamento anunciadas nos carros de som, nos jornais entregues porta a porta.​ E, na hora H, muitos se arriscaram na hora do voto.

Em 2012, 149 mil votos dados a Celso Giglio (PSDB) foram anulados, por causa de um problema na justiça. O tucano voltou a concorrer neste ano e mais uma vez teve grande peso na eleição — 70 mil votos, também anulados​​ [pesa a favor dele que em 2014 ele disputou e conseguiu assumir o cargo de deputado estadual, o que complicou ainda mais a cabeça do eleitorado]. ​Hoje, ele recorre para validar sua candidatura, mas não mudaria o resultado da eleição.

Explicar ​para qualquer cidadão ​que sua cidade teve nove candidatos (NOVE), e quem é cada um deles foi uma tarefa mais complicada. Aí você começa a falar que tem o prefeito que quer se reeleger e mudou de partido durante o seu governo; o deputado que não pode, mas insiste; o candidato que é filho do ex-prefeito; o candidato que é apoiado por outro ex-prefeito​ e fazia parte do governo até este ano​; aquele que tem a benção de mais um ex-prefeito; fora a Rede e o PSOL que curtem participar.

No fim, em meio a toda essa confusão, meu avô refletiu sobre as escolhas, deu seus pitacos, mas reforçou o mantra. “Acho que quem ganha é o Russomano”. Não deu. Agora é saber se é Lins ou Lapas e quando a TV dará a chance para que toda a Grande SP possa se preocupar com seus problemas, não só com os da vizinha rica.

Paulo Talarico é correspondente de Osasco

receba o melhor da mural no seu e-mail

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.