APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

50% dos paulistanos sofrem de insônia durante a pandemia, diz pesquisa

Dados da Rede Nossa São Paulo mostram que as alterações no sono acometem mais as mulheres. 58% das entrevistadas afirmaram ter problemas para dormir

Image

Por: Redação

Publicado em 05.07.2021 | 21:39 | Alterado em 05.07.2021 | 21:39

Tempo de leitura: 5 min(s)

As noites têm sido de pouco sono para metade dos paulistanos, sobretudo em período de isolamento social. É o que mostra o estudo “Viver em São Paulo: Saúde e Educação” de 2021, feito pela Rede Nossa São Paulo

A pesquisa identificou na insônia um dos principais problemas que se agravaram por conta da pandemia de Covid-19.

Image

Piora no sono durante a pandemia afeta 50% dos paulistanos, diz pesquisa (Magno Borges/32xSP)

O monitor de biblioteca Iversson Natan da Silva Santos, 19, faz parte desse grupo. Ele já tinha problemas para dormir antes da pandemia, mas viu os sintomas piorarem com a mudança da rotina.

“Estava em uma crescente, tudo estava dando certo no trabalho, no cursinho. Veio a pandemia e tive que parar tudo. Comecei a ficar em casa e não estava acostumado com essa nova rotina e isso refletiu na minha insônia”, conta Iversson.

O jovem desabafa que a preocupação é o que mais tem atrapalhado. “A gente está sempre preocupado. Quando não é comigo é com algum parente ou amigo. Não sei se vai ter uma enchente e vai alagar minha casa ou se amanhã vai pegar fogo na favela. Pesa muito mais para o jovem preto, favelado e periférico.”

“Insônia que me causa questionamentos. Agora me vejo parado, olhando para o teto. Quem conta ovelhas são os ricos […] Eu olho pro teto, respiro fundo, com a insônia minha tristeza dobra.”
Trecho de poema de Iversson Natan da Silva Santos

Profissionais da saúde, a chegada da pandemia também afetou as noites de sono das terapeutas ocupacionais Carolina Yoko Bustillo, 26 e Aline Sena Moreira, 24. Mesmo não estando na linha de frente do combate à Covid-19, elas estão diariamente expostas ao contato com diversos pacientes.

“Passei por um ciclo de ter muito sono. Recentemente, passei por um processo de insônia. Fiquei com o sono alterado por mais de um mês. Acordava às 4h da manhã e não conseguia mais dormir”, conta Carolina. 

Ela diz que o cochilo no ônibus durante o trajeto do Ipiranga, onde mora, até o trabalho em Cidade Ademar, ambos na zona sul, também prejudicou o sono.

Durante este ano o que mais contribuiu para a insônia dela foi a incerteza no trabalho e que voltou a dormir melhor quando passou a atender somente no SUS (Sistema Único de Saúde).

Já Aline, moradora do distrito de Perus, zona noroeste, viu suas funções no NASF (Núcleo Ampliado de Saúde da Família) mudarem com o aparecimento dos casos de Covid na cidade de São Paulo, o que aumentou a ansiedade. 

“Acordava às 2h  da manhã, com o coração acelerado, angustiada e só conseguia dormir de novo às 4h da manhã. Às 5h levantava para ir trabalhar”, relata.

Hoje, ela faz acompanhamento psicológico e diz ter melhorado. “Não acordo mais de madrugada com o coração acelerado, mas sinto que meu sono não voltou a ser como era antes.”

LEIA TAMBÉM:
Com histórico de luta, Perus sofre com problemas na saúde e enchentes
Ministério da Saúde e SUS lançam app com informações sobre coronavírus

Segundo a pesquisa, 67% dos paulistanos desenvolveram algum sintoma parecido com o de Aline durante a pandemia. E 50% dos entrevistados disseram ter sofrido com insônia ou excesso de sono.

A maioria dos outros sintomas relatados têm relação com a saúde mental: mudanças de humor, angústia, ansiedade, tristeza, aumento no consumo de bebidas alcoólicas e comportamentos obsessivos.

MAIS EM MULHERES

O estudo ainda mostra que as alterações no sono acometem mais as mulheres. 58% das entrevistadas afirmaram ter problemas para dormir. Do lado dos homens, o número ficou em 41%. 

[meta_gallery_slider id=”16791″]

“Alguns estudos sugerem que uma natureza hormonal contribui para isso, outros sugerem uma natureza social. A dimensão de responsabilidades para as mulheres é maior, o que causa mais preocupações e podem influenciar na qualidade do sono”, explica Alan Eckeli, professor doutor em neurologia da USP Ribeirão Preto.

Para o neurologista há também o fato de que homens tendem a relatar menos problemas de saúde.

O QUE CAUSAM DISTÚRBIOS NO SONO?

De acordo com Alan Eckeli, a insônia é caracterizada pela dificuldade de iniciar o sono, acordar diversas vezes durante a noite ou acordar antes do desejado.

Eckeli diz que existem dois tipos de insônia: “A insônia aguda costuma ter curta duração – por volta de um mês – e é fácil de identificar o fator causador. Já a insônia crônica dura mais do que três meses, acontece pelo menos três vezes na semana e tem repercussão clínica”.

Diversos fatores podem causar distúrbios no sono, um deles é o medo. “Temos dificuldade de dormir quando estamos com medo. Só conseguimos quando nos sentimos seguros. Preocupações, angústias e ansiedade podem nos manter acordados”, explica.

“Podemos lembrar da infância quando tínhamos medo do escuro e não conseguíamos dormir. Hoje a gente não tem mais esse medo, mas temos outras preocupações.”

Para Eckeli é nesse ponto que a pandemia age para causar insônia em mais pessoas. “Eventos estressantes podem ser fatores que desencadeiam a insônia. Houve o medo inicial, mas houve outras repercussões, como o confinamento, menos prática de atividade física e fatores econômicos.”

A mesma pesquisa evidencia a influência dos fatores econômicos na qualidade do sono dos paulistanos. Considerando a renda familiar, pessoas que ganham de dois a cinco salários mínimos são as que mais disseram ter sofrido com alterações de sono durante a pandemia (59%). 

Dentre as que ganham até dois salários mínimos, a porcentagem ficou em 47%. Entre os mais ricos, 51%.

TRATAMENTO

O tratamento para insônia varia dependendo do caso. Para Eckeli, uma forma de tratar a insônia crônica é a terapia cognitivo comportamental, mas também pode ser feito o uso de remédios caso a situação se agrave para insônia crônica ou para um caso de depressão.

“São utilizadas diversas técnicas comportamentais e de organização cognitiva para que o indivíduo possa controlar a insônia. Ela é uma terapia breve que consiste em sessões de uma hora e que podem durar até oito semanas, no máximo”, diz.

Em casos mais graves é necessário o acompanhamento de um profissional que pode indicar o tratamento mais adequado. O uso de remédios é recomendado apenas em situações em que o paciente apresenta alguma outra doença que possa causar ou piorar a insônia.

É importante também que as pessoas pratiquem a higiene do sono. Técnicas comportamentais que ajudam a ter uma noite de sono tranquila. Entre elas, está a prática de atividade física. 

[meta_gallery_slider id=”16793″]

ATENDIMENTO NO SUS

Pessoas que sofrem com alterações nos padrões de sono podem buscar ajuda no SUS.

“Médicos especialistas em medicina do sono, frequentemente psiquiatras e neurologistas, costumam ter o melhor treinamento para tratamento do transtorno da insônia”, afirma Eckeli. No entanto, para o neurologista, a saúde pública ainda deixa a desejar quando o assunto é saúde do sono.

“Infelizmente o conhecimento a respeito dessa especialidade ainda é muito baixo levando em conta a necessidade da população.”

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.