APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

84% dos paulistanos utilizaram o SUS em 2017

Já o número de pessoas que passaram a retirar medicamentos na rede pública saltou de 41% em 2008 para 69% em 2017, segundo pesquisa

Image

Por: Redação

Publicado em 21.02.2018 | 16:22 | Alterado em 21.02.2018 | 16:22

Tempo de leitura: 2 min(s)
Image

Leitos infantis do Hospital Geral de São Mateus, na zona leste, gerido pelo SUS (Alexandre Moreira/Governo de São Paulo)

O número de usuários do SUS aumentou em São Paulo. É o que diz os números da pesquisa “Viver em São Paulo”, divulgada em janeiro pela Rede Nossa São Paulo em parceria com o Ibope. Nela, 84% dos entrevistados disseram utilizar algum tipo de serviço do SUS na cidade, o que representa 20 pontos percentuais a mais de usuários em comparação com a mesma pesquisa realizada em 2008.

A gerente de negócios Ana Paula Lauder, 59, moradora do Belenzinho, é uma das novas usuárias do SUS. Com plano de saúde, utiliza a UBS próxima de casa para a retirada de medicamentos.

“Passei a pegar lá remédios de pressão alta para mim e para meu esposo”, conta. “Antes eu comprava na farmácia mesmo, mas com a crise as contas começaram a apertar. Aí me contaram que tinha lá no posto”.

O número de pessoas que passaram a retirar medicamentos na rede pública passou de 41% em 2008 para 69% em 2017, um aumento de 28 pontos percentuais. O uso de serviços odontológicos também saltou de 9% para 32%.

LEIA MAIS: Aplicativo de saúde da Prefeitura não decola e é reprovada por usuários

Para Maria Luiza Levi, professora da Universidade Federal do ABC, o aumento de usuários de rede pública acontece em serviços pontuais, como um complemento à saúde privada.

“Acho forte dizer que o SUS ganhou 20 pontos percentuais a mais de usuários em São Paulo. Agora, casa muito bem com nossa impressão geral que as pessoas passem a recorrer mais ao SUS para medicamentos gratuitos, por exemplo. Veja que os pulos de 2016 para 2017 são muito altos”.

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, em 2017 o SUS recebeu 26,79% de pacientes a mais em relação a 2015. Isso se refletiu no aumento nos números de consultas na rede básica, no atendimento médico especializado e na urgência e emergência, com índices de elevação que chegam a 10% no mesmo período. Com o crescimento do número de consultas na rede básica e na urgência/emergência, a demanda na atenção especializada tornou-se maior.

Na cidade, o SUS é mais utilizado pelos moradores das zonas norte (89%) e leste (87%).

MAIS USUÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE

A pesquisa Viver em São Paulo revelou ainda o número de clientes de planos de saúde voltou a subir em 2017 (33%). A queda registrada nos anos anteriores se deveu ao aprofundamento da crise econômica.

LEIA TAMBÉM: Apenas Santo Amaro tem atendimento pediátrico em todas as UBSs

“Com a crise os planos de saúde perderam muitos clientes, porque a maior parte das pessoas adquire um plano de saúde compulsoriamente no contrato de trabalho. Com o desemprego e a informalidade, naturalmente cai o número de usuários”, diz Maria Luiza.

***

Marsilac lidera número de UBSs em SP, mas faltam hospitais

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.