APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

A vida e a morte de João Pomelli

Correspondente narra como encontrou a história de um morador que viveu até os 90 anos como um “poeta do cotidiano” e superou anos na prisão

Image

Por: Renan Omura

Crônica

Publicado em 02.05.2022 | 9:29 | Alterado em 29.04.2022 | 17:30

Tempo de leitura: 3 min(s)

Às 23h do dia 12 de abril, recebi uma ligação. Do outro lado da linha era Rogério Castilho, um dos netos de João Pomelli. Eu não o conhecia, mas assim que atendi ele perguntou se era eu, o jornalista que tinha escrito uma reportagem sobre o seu avô. Respondi que sim.

“Agradeço pelos registros, Renan. Mas te liguei para avisar que o meu avô faleceu agora pouco. Não sabemos a causa, mas tudo indica que foi um infarto”, disse Rogério.

Embora a notícia tenha me impactado, não fiquei surpreso com o acontecimento. Não somente pela idade avançada de seu João, mas pelas coisas que ele falou na última vez que nos vimos. No sábado, dia 26 de março, fui até a casa dele, no bairro Recreio Internacional, periferia de Suzano, na Grande São Paulo.

Na ocasião, levei a reportagem e o episódio do podcast que eu havia produzido para ele ouvir, pois João não tinha acesso à internet e estava com a visão bastante debilitada. Por conta disso, li a matéria em voz alta para ele. O nosso último encontro durou cerca de uma hora e no momento de se despedir, ele agradeceu.

“Que bom que deu tempo de você vir aqui e me mostrar a reportagem, pois achei que eu ia partir antes. Sinto que meu tempo está acabando, mas a sua vida continua, Renan. Vai com Deus porque você tem muito o que viver”, comentou.

João Pomelli escreveu livros sobre a vida no cárcere @Renan Omura/Agência Mural

Eu o cumprimentei com um aperto de mão e fui embora. Essa última frase ficou na minha cabeça, pois ele nunca tinha se despedido dessa forma. Porém, semanas depois, quando soube do falecimento, compreendi o que o seu João estava tentando dizer.

Fato do destino ou do acaso, o conheci em 2007. Eu tinha em torno de 12 anos e fui ao açougue da Vila Ipelândia com os meus pais. Quem nos atendeu, foi o seu João. Lembro-me que ele contou brevemente sobre tudo que tinha vivido até ali. Disse que passou boa parte da vida preso em presídios da capital paulista e que escrevia poesias.

Naquele tempo, eu não cogitava seguir o caminho do jornalismo, mas mesmo com pouca idade, achei o relato interessante. Passaram-se mais de 15 anos e eu recordava daquela história que tinha escutado.

Em dezembro de 2021 eu estava à procura de pautas para sugerir à Agência Mural. Foi quando resolvi ir até o açougue da Vila Ipelândia tentar encontrá-lo. Chegando lá, perguntei para um dos atendentes o paradeiro do ex-açougueiro que trabalhava ali. Ele me passou o telefone e logo entrei em contato com o seu João.

Ao total, foram quatro encontros para conseguir escrever a reportagem. João vinha com problemas de memória em decorrência dos 4 AVCs que sofreu. Nas conversas, contou com detalhes as coisas que fez na juventude e que se arrependia.

“Fico feliz que alguém se interessou pela minha história. Eu liguei várias vezes em programas de rádio para contar tudo o que eu passei, mas ninguém nunca me atendeu. Que bom que você me encontrou, Renan”, disse sorrindo.

Na entrevista, reforçava a vontade de escrever, mesmo quando já não podia por conta da visão. “Vejo a beleza na simplicidade, na natureza e até no sofrimento. Serei sempre um poeta do cotidiano.”

E foi, João.

Renan Omura

Jornalista. É fotógrafo por hobby (as vezes por trabalho), é amante dos dias frios e nunca dispensa um café. Correspondente de Suzano desde 2019.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.