Acidente com prefeito em fogueira retoma discussão de 30 anos atrás em Osasco

Durante os anos 1970 e 1980, cidade teve como um dos principais eventos uma fogueira de mais de 20 metros de altura

A explosão que feriu o prefeito de Osasco, Rogério Lins (Podemos) e a primeira-dama, Aline Soares Lins, trouxe de volta um tema que já foi polêmica na cidade da Grande São Paulo há 30 anos. O risco das fogueiras. 

Os dois estão internados no Hospital Antônio Giglio, após terem sofrido queimaduras em função da explosão da fogueira no evento ‘Arraiá do Servidor’. 

Receba nossa newsletter!

Os eventos de São João são uma tradição na cidade e já tiveram peso maior no passado, em especial entre os anos 1970 e 1980. Na época, uma fogueira chamava atenção da cidade e do Brasil, até ser cancelada por conta de problema de segurança e pela questão ambiental. 

A “Fogueira de Quitaúna’’ se tornou um evento turístico da cidade em 1977, por meio de lei sancionada pelo ex-prefeito Guaçu Piteri. Cinco anos depois, a Assembleia Legislativa aprovaria um projeto que colocaria o evento no calendário oficial do estado, sancionado pelo então governador José Maria Marin. 

Fogueira de Quitaúna chegou a ter 24 metros (Edilaine Y Melo/ Facebook)

A característica da fogueira chamava atenção. Organizado por Pedro de Souza e Marlene de Souza, ela aumentava um metro de altura por ano, o que atraía cada vez mais pessoas. “Havia ali uma quermesse e um público notável, durante todo o mês de junho, quando a fogueira ficava queimando por vários dias, e cada ano tinha sua altura aumentada”, aponta Laura Leal, no livro “De Argila à Vila – Memórias de Osasco”. 

Algumas imagens publicadas por moradores da cidade mostram as características da fogueira, que chegou a ser montada em Quitaúna e também no bairro do Km 21. As publicações foram feitas no Osasco em Fotos, grupo criado pelo fotógrafo Rômulo Fasanaro para guardar imagens do passado do município

Em 1988, uma nota no jornal Estado de S. Paulo enfatiza que o evento, com apoio da prefeitura, já é considerado o maior do tipo no Brasil. Assim como o caso de Lins, cabia ao prefeito realizar a cerimônia. “A grande fogueira de Quitaúna que consumirá toneladas de lenha, disposta em encaixes especiais, até atingir 24 metros de altura, será acesa no próximo dia 25 pelo prefeito Humberto Parro”, diz o texto.

Contudo, a ideia de aumentar o tamanho da fogueira ano após ano começou a ser questionada. Tanto pela segurança, quanto pela quantidade de madeira gasta para manter a tradição. 

Fogueira no Km 21 tem cartaz do prefeito da época, Humberto Parro (Fabio Roprimo/Facebook)

A situação mudou na segunda gestão do prefeito Francisco Rossi (PR). Em resposta a um leitor, também do jornal ‘O Estado’, que criticava a tradição, o prefeito afirmou na época que as medidas seriam tomadas para encerrar a situação. “Determinamos providências para evitar que esse triste espetáculo se repita este ano. Já removemos as dezenas de toras de madeira da última fogueira que inexplicavelmente permaneciam no mesmo local, com sérios riscos de acidentes”, dizia o prefeito em 1989. 

“Fizemos isso por também não concordarmos com a devastação da natureza, principalmente quando ela é assumida e incentivada pelo poder público, como era o caso da fogueira de Quitaúna”, complementou.

Trinta anos depois, a fogueira na festa junina volta a ser polêmica. As causas do acidente ainda são investigadas. Curiosamente, Rossi é marido da vice-prefeita, Ana Maria Rossi (PR). A família publicou um texto lamentando o acidente e desejando pronto restabelecimento de Rogério Lins e de sua esposa, Aline Soares. 

Paulo Talarico

Editor-chefe de jornalismo, cofundador e correspondente de Osasco desde 2011. Formado em jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu, tem pós-graduação em jornalismo esportivo e curso técnico de locução para rádio e TV. Atualmente, estuda História na Universidade de São Paulo. Gosta de café, Osasco, livros, futebol e cinema.

Osasco

Comentários