APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Democratize-se!

Jovem cria aplicativo para ajudar na adoção de animais abandonados

Morador de Itaquera, Maikon Feba criou o Findog, aplicativo oferece ajuda para quem perdeu o pet ou quer fazer uma doação

Image

Por: Everton Pires

Notícia

Publicado em 06.07.2020 | 18:41 | Alterado em 22.11.2021 | 16:15

RESUMO

Morador de Itaquera, Maikon Feba criou o Findog, aplicativo oferece ajuda para quem perdeu o pet ou quer fazer uma doação

Em uma rápida olhada numa página de moradores da zona leste de São Paulo, é comum aparecer compartilhamentos sobre animais de estimação desaparecidos e abandonados.

Moradora da Cidade Tiradentes, a auxiliar veterinária Carla Aparecida Fernandes, 37, publica com frequência pets para doação, abandonados e perdidos em suas redes sociais. Ela se lembra, por exemplo, de que foi difícil conseguir um lar para uma cachorra, vítima de maus tratos, que resgatou. 

“Eu doava e a pessoa devolvia porque ela era hiperativa. Essa cachorra ficou com um olhar que cortava o coração”. No final das contas, Carla encontrou um abrigo para animais, mas teve que gastar com o transporte, vacinação e castração.

Foi com a inspiração de casos semelhantes a este que Maikon Feba, 27, morador da Vila Carmosina, criou o Findog, um aplicativo para smartphones que auxilia as doações e a procura por animais de estimação desaparecidos.

Maikon é analista de recursos humanos há dez anos. Em 2018, resolveu criar o aplicativo. A ideia dele foi agregar todos os ativistas e instituições da causa animal em um único lugar para aumentar a chance de encontrar um lar para os animais ou de alertar sobre algum pet abandonado.

Ele se define como um “daqueles loucos que passa a mão em qualquer cachorro que eu ver na rua. Se eu estou dirigindo e vejo um cachorro, fico buzinando para ele ir para calçada”.

Para desenvolver o aplicativo, fez um curso de desenvolvimento em Android e conta com apoio de Hygor Christian Dias, 24, morador de Brasília (DF), que assumiu a programação do App. 

Eles nunca se conheceram pessoalmente. “Rolou uma empatia, ele curte bastante, tem dois cachorros. O que eu posso agradecer é que o valor cobrado não chega a ser um terço do que é cobrado em São Paulo hoje”.

No aplicativo, o usuário pode tirar fotos de algum pet e apontar no mapa o local que ele se encontra. É possível categorizar entre desaparecido, doação, abandonado. Atualmente, o Findog registra mais de 10 mil usuários para Android e 3 mil na versão recentemente lançada para IOs.

Image

Maikon Feba criou o Findog para ajudar na procura de animais @Everton Pires/Agência Mural

A ferramenta não tem fins lucrativos. Feba diz que não faz sentido cobrar pela causa. Cogita até entregar a plataforma para quem tiver recursos para alavancar o serviço. “Todo investimento que fiz não vai valer de nada se ele ficar restrito somente a minha pessoa. Se o App estiver nas mãos certas, de quem realmente faça a diferença, ele vai cumprir a sua proposta melhor”, explica.

O próximo passo poderia ser um marcador de denúncias, com a parceria de algum órgão governamental que pudesse investigar casos de agressão e abuso de animais. Atualmente, as denúncias recebidas são publicadas nas redes sociais do aplicativo, pela falta de recursos para realizar uma averiguação.

O aplicativo pode ser utilizado tanto por pessoas ou organizações não governamentais. 

Image

Aplicativo auxilia na procura de animais abandonados @Everton Pires/Agência Mural

Como morador da periferia, Maikon enxerga que nas regiões mais afastadas do centro, as pessoas tendem a acolher melhor os animais em situação de rua. Tanto ele, como vizinhos e amigos, já colocou para dentro de casa algum cão ou gato que estava abandonado. 

Mel, sua cachorrinha, ganhou até uma homenagem, sendo tatuada na perna direita de Maikon. Criar o app foi a forma de contribuir para um mundo melhor para os animaizinhos. “Você não precisa ter uma capa para ser um super-herói. Você pode ser um super-herói resgatando um animal e colocando para adoção”.

O QUE FAZ O MUNICÍPIO

A prefeitura de São Paulo oferece castração gratuita para cães e gatos desde 2001. Para evitar perdas, é obrigatório por lei municipal todos os cães e gatos a partir de 3 meses de vida possuírem o RGA (Registro Animal Geral). O pet recebe uma plaqueta de identificação para ser usada junto com a coleira. O serviço é gratuito.

O Centro de Controle Zoonoses conta com 25 canis e 20 gatis, onde cães e gatos recebem tratamentos e são disponibilizados para doação. 

Os dois hospitais municipais existentes ficam localizados na Parada Inglesa, Zona Norte, e Tatuapé, Zona Leste. São oferecidos serviços gratuitos como consultas, cirurgias, exames laboratoriais, medicação e internação. Segundo Carla, o hospital falha pela demora no atendimento.

“Para garantir uma vaga é um parto, não consegue. Tem que chegar lá nove horas da noite para ser atendido seis horas da manhã no outro dia. E ainda corre o risco de não ser atendido”, reclama.

Everton Pires

Jornalista, apaixonado por histórias, música, fotografia, futebol e pelo bairro. Correspondente de Itaquera desde 2019.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.