APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Ao menos 10 ex-subprefeitos de São Paulo concorrem às eleições municipais

Num contexto de pandemia, a campanha eleitoral deverá se valer muito do uso de mídias sociais para se aproximar dos eleitores, diz cientista político

Image

Por: Redação

Publicado em 16.09.2020 | 19:22 | Alterado em 16.09.2020 | 19:22

Tempo de leitura: 4 min(s)

Nos últimos quatro anos, muitas trocas de subprefeitos e subprefeitas ocorreram em São Paulo. Ao todo, 82 homens e mulheres passaram pelo comando das 32 subprefeituras desde 2017, entre subprefeitos nomeados e chefes de gabinete que ocuparam o cargo temporariamente.

Essa “dança das cadeiras” é bastante comum. Como são escolhidos pelo prefeito da cidade, muitos deles saíram na mudança de gestão entre João Doria (que concorreu às eleições para o governo do estado em 2018) e o vice Bruno Covas, a partir de 2019. Já outros foram exonerados ou deixaram o cargo por questões pessoais.

LEIA TAMBÉM:
– 22 subprefeitos de São Paulo foram trocados em cinco meses
– Subprefeitos ganham mais de R$ 10 mil como bônus de remuneração

Neste ano de 2020, alguns ex-subprefeitos deixaram o cargo para disputar as eleições municipais para vereador e prefeito. Segundo levantamento do 32xSP, ao menos 10 deles são pré-candidatos ao pleito.

DIVULGAÇÃO NAS REDES SOCIAIS

10 dos 11 ex-subprefeitos que são pré-candidatos às eleições concorrem ao cargo de vereador pela cidade de São Paulo. Como exceção, está Mario Corrochel Neto, que foi chefe de gabinete na Subprefeitura Sapopemba, na zona leste, e em 2019 ocupou a vaga de subprefeito por seis meses. Agora ele disputa o cargo de prefeito em Araras, no interior de São Paulo, pelo PTB.

Segundo a lei eleitoral nº 9504/1997, os pré-candidatos de todo o país ficam proibidos de fazer propaganda eleitoral antes do dia 26 de setembro.

Em cumprimento à legislação, os ex-subprefeitos não iniciaram a campanha, mas alguns já têm atualizado as redes sociais com postagens sobre os trabalhos realizados enquanto estavam à frente das subprefeituras como munição para a corrida eleitoral.

Image

O primeiro turno das eleições municipais está marcado para 15 de novembro (Magno Borges/32xSP)

Na zona norte da cidade, o ex-subprefeito de Jaçanã/Tremembé, Alexandre Baptista Pires, anunciou a pré-candidatura no mês de junho e prometeu dar continuidade à resolução dos problemas da região. Ele ficou no cargo de janeiro de 2017 até março de 2020.

“Em mais de três anos como subprefeito, me deparei com diversos problemas e muitas necessidades em toda a região. Muitos desses problemas conseguimos resolver prontamente, outros estão em andamento. Estou lançando minha pré-candidatura a vereador, pois sei que ainda tenho muito a fazer”, escreveu Pires em uma rede social.

VEJA TAMBÉM:
– 6 em cada 10 paulistanos não confiam nas subprefeituras
– Subprefeito do Jaçanã/Tremembé comenta sobre os desafios da gestão

Quem também é pré-candidata é Sandra Cristina Leite Santana, que foi subprefeita de Freguesia/Brasilândia, também na zona norte, de janeiro de 2019 a março de 2020. Anos antes, ela esteve à frente da subprefeitura de Perus/Anhanguera, na zona noroeste, durante a gestão de José Serra (PSDB).

Em sua página no Facebook, que é atualizada diariamente, Sandra tem publicado informações sobre a pandemia do coronavírus (covid-19) e encontros com líderes comunitários, políticos e munícipes, além de registros das suas gestões anteriores.

CORRIDA ELEITORAL NA PANDEMIA

Image

Eduardo Grin é cientista político e professor da FGV EAESP (Arquivo pessoal)

Para Eduardo Grin, 57, cientista político e professor do departamento de gestão pública da FGV EAESP (Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas), a campanha eleitoral de 2020 deverá se valer muito do uso das mídias sociais, especialmente num contexto de pandemia e de restrição de mobilidade física.

“Ainda que a legislação proíba o início antecipado das campanhas pelos pré-candidatos, a capacidade de controle que a Justiça Eleitoral tem para rastrear e monitorar o uso de mecanismos virtuais é praticamente nula”, comenta Grin.

“Consequentemente, trata-se não só de uma estratégia viável no momento de pandemia, mas de uma estratégia inteligente, porque ela escapa desse controle – ou é muito difícil de ser controlada”, complementa.

Por outro lado, o professor avalia que o uso da internet e das redes sociais para a campanha eleitoral é uma estratégia cuja eficácia é variável de acordo com o perfil socioeconômico de uma região ou de cada eleitor.

“É muito provável que, em regiões de classe média alta, isso possa ser uma estratégia mais eficaz, porque é um público que tem mais acesso a internet e que consome mais informações neste formato. Mas em regiões mais pobres, do ponto de vista de qualidade no acesso à internet, ou que tenham outro perfil socioeconômico, essa estratégia não teria o mesmo resultado”.

PROXIMIDADE COM A POPULAÇÃO

Image

Ozziel Souza foi subprefeito de Cidade Tiradentes e de Sapopemba (Eduardo Silva/32xSP)

Na periferia da zona leste de São Paulo, Oziel Evangelista de Souza, ex-subprefeito de Cidade Tiradentes e Sapopemba, sempre utilizou as redes sociais para manter contato com a população local e divulgar seu trabalho, o que lhe gerou visibilidade política na região.

Durante a gestão em Cidade Tiradentes, ele até criou o “Whats Denúncia”, pelo WhatsApp, no qual os moradores enviavam demandas e reclamações diretamente em um número de celular cedido pela subprefeitura.

Desde o último dia 12 de setembro, Souza é oficialmente candidato a vereador pelo PSDB. Mas, desde o anúncio da pré-candidatura, o ex-subprefeito já tinha adotado uma comunicação visual voltada às eleições em sua página no Facebook (hoje com quase 16 mil seguidores), que também é atualizada diariamente.

Image

Subprefeitura Sapopemba, na zona leste, que foi chamada de ‘Prefeitura Regional’ durante a gestão Doria (Ira Romão/32xSP)

Segundo Eduardo Grin, a lógica das subprefeituras, ao serem criadas em 2002, foi pensada no que é chamado de governar por proximidade. “Essa ideia faz com que o subprefeito seja uma pessoa de convívio quase cotidiano com parcelas enormes de eleitores de uma determinada região”, diz.

“Portanto, a imagem do subprefeito que está arrumando o buraco da rua ou garantindo que o posto de saúde esteja aberto, é uma ideia que cola, ou pode colar, como um ativo importante do ponto de vista eleitoral”
Eduardo Grin, cientista político e professor da FGV EAESP

Ele também avalia que o controle do território na cidade de São Paulo é um enorme recurso político. Neste sentido, a candidatura de um subprefeito pode entrar em conflito de interesses com um vereador local.

“Não por acaso, vereadores tentam controlar esse processo indicando pessoas [para as subprefeituras] que não tenham uma projeção política própria”, comenta o cientista político.

“Os subprefeitos que conseguirem criar suas próprias redes de cooperação no território poderão, inclusive, entrar em disputa com o vereador de um bairro e, eventualmente, até se colocar com perspectivas eleitorais”, finaliza.

OUÇA TAMBÉM:

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.