A dificuldade para receber atendimento psicológico na zona sul

Após receber a notícia de que estava com lúpus, Jaciely Ribeiro, 25, percebeu que muita coisa na sua vida iria mudar. A doença autoimune pode afetar vários órgãos como a pele e o sistema nervoso. O diagnóstico foi feito em 2016 e veio junto com uma série de recomendações e medicamentos.

Na época, a caixa de loja não possuía convênio e recebeu atendimento na UBS (Unidade Básica de Saúde) Jardim Comercial, no distrito de Capão Redondo, zona sul de São Paulo.

Receba nossa newsletter!

Uma das orientações do clínico geral foi que ela passasse no psicólogo. Ao pedir encaminhamento, no entanto, Jaciely ouviu a seguinte resposta. “Não recomendo passar no SUS [Sistema Único de Saúde]. Aqui você não vai conseguir terapia, só atendimento em grupo, que não é o indicado. Eu nem vou te dar a guia, porque não vale a pena”, afirma.

Um ano depois, o lúpus de Jaciely voltou a entrar em atividade e ela retomou uma medicação ainda mais forte, que resultou em queda de cabelo, inchaço e fez com que ela diminuísse a rotina social. Dessa vez, ela decidiu procurar um psicólogo, e, por sorte, conseguiu o convênio em seu trabalho; ela faz terapia desde março deste ano.

“A terapia faz muita diferença, até fisicamente. Hoje, consigo aceitar melhor meu problema, saber que é uma fase passageira. Me sinto melhor. Mas se perder convênio, vou precisar de um plano B para continuar”, explica.

Jaciely, moradora do Capão Redondo (Caroline Pasternack/Agência Mural)

ATENDIMENTO

A dificuldade de Jaciely para receber atendimento individual não é um caso isolado. Quem deseja realizar um tratamento de prevenção no serviço público da região, geralmente recebe encaminhamento para os grupos terapêuticos. Os encontros são semanais, com uma média de dez pessoas por grupo, com duração de 50 minutos.

Até o mês de junho deste ano, 2.130 pacientes da zona sul de São Paulo aguardavam pelo primeiro atendimento, no qual são encaminhados para terapias em grupo ou individuais. 

De janeiro a dezembro de 2017 foram feitos 7.822 ações entre consultas, atendimento e acompanhamentos por psicólogos clínicos em Caps (Centro de Atenção Psicossocial), em todo o município de São Paulo. No mesmo período, as UBS tiveram 163.503 mil atendimentos do tipo realizados.

Em São Paulo, nem todas as UBSs possuem uma equipe completa de profissionais de estratégia em saúde, o que prejudica o atendimento em algumas regiões. Essas equipes trabalham em conjunto com o Nasf (Núcleo de Apoio à Saúde da Família), composta por profissionais que analisam o tratamento de cada paciente.

Dado de junho. Infográfico: Marjorie Nunes/Agência Mural

“Realizamos reuniões uma vez por semana, onde discutimos casos dos pacientes e assuntos pertinentes a cada especialidade como psicologia, nutrição, serviço social, entre outros”, explica Simone de Oliveira, 35, psicóloga do SUS e integrante de uma equipe do Nasf.

A psicóloga coordena, atualmente, seis grupos terapêuticos por semana e 64 atendimentos individuais por mês. “Mesmo quando um paciente recebe alta, seu caso nunca é concluído. Independente do tipo de atendimento, ele continua sendo acompanhado pelos agentes de saúde nas visitas mensais às residências”, completa.

MUDANÇA

Apesar da recomendação, não foi isso que aconteceu com a professora de yoga, Suzana Clea, 40. Há cinco anos, ela estava grávida quando dúvidas a incomodaram. “Estava com problemas pessoais, [passando por] momentos de dúvida, com muita coisa acontecendo”, conta. A indicação foi buscar um psicólogo.

O acompanhamento gestacional da professora era feito na UBS Alcina Pimentel Piza, na Ilha do Bororé, distrito do Grajaú, na zona sul de São Paulo. Por indicação do médico que cuidava da gravidez, Suzana recebeu a visita de uma agente de saúde e foi encaminhada para consultas com uma terapeuta ocupacional na mesma UBS.

Suzana Clea começou a receber atendimento, mas ao se mudar não teve o serviço retomado (Jéssica Bernardo/Agência Mural)

O tratamento durou cinco meses, com dois encontros mensais. Logo depois do nascimento da filha, Suzana precisou se mudar e começou a enfrentar dificuldades para continuar o tratamento.

Com a troca de endereço, a mãe da Agnes foi direcionada para outra UBS, desta vez a do Parque Residencial Cocaia. Na nova unidade de saúde, Suzana foi orientada a esperar a visita de um agente em casa. A visita coincidiu com um dia de crise da professora. “Não estava bem, não queria receber visitas, então pedi que a agente retornasse depois”.

A agente de saúde não voltou. “Acho que o SUS veio em um momento de incêndio. Gostaria de fazer terapia, mas não tenho condições de pagar. Já tentei por programas de faculdades particulares de psicologia, mas não consegui. Acabei fazendo aulas de yoga e um curso e hoje sou professora. É minha terapia própria”.  

TRIAGEM

Também morador do Capão Redondo, Rafael Damasceno, 28, procurou o atendimento psicológico do SUS pela primeira vez em 2015. Na época, o assistente social trabalhava com vítimas de violência doméstica e abuso sexual, e se preocupou com os impactos do emprego na saúde mental.

Decidido a começar uma terapia, Rafael buscou a agente comunitária de seu bairro para saber como dar início a um acompanhamento psicológico. A explicação recebida por ele, no entanto, foi a mesma dada para Jaciely: com poucos profissionais e uma demanda alta, a UBS do local não tinha condições de ofertar tratamentos individuais para os moradores.

VEJA TAMBÉM:
As notícias da zona sul de São Paulo
Tudo sobre as Eleições 2018

“Eu teria que deixar o nome na lista para uma triagem e depois passar em atividades em grupo. Eu falei que não tinha interesse em deixar o nome justamente por ser em grupo, porque estava querendo trabalhar questões pessoais com ela”, explica Rafael.

Três anos depois, o assistente social diz que o problema continua. Funcionário do Centro de Cidadania LGBTI Edson Neris, em Santo Amaro, Rafael recebe reclamações constantes de quem vai às unidades de saúde da região.

“Os casos da maioria das pessoas que a gente atende, principalmente da população T (mulheres trans, homens trans e travestis), são encaminhados para a UBS. Mas ninguém faz [a terapia] na UBS justamente por causa dessa questão de grupo”, completa.

ALTERNATIVA

Para a psicóloga Katiusca Santana da Silva, 42, os atendimentos em grupo, mesmo que não ideais para alguns casos, podem ser uma ajuda. “Se não existe outra possibilidade. Pode ser um começo para que a pessoa se auto conheça e, a partir daí, busque outras alternativas para o problema”, opina.

Mesmo sendo um passo que pode ajudar, a psicóloga alerta que nem todo caso é indicado o trabalho em grupo. Cabe ao profissional fazer a orientação correta de cada situação. “Se não existe outra possibilidade no SUS, é importante pesquisar alternativas como psicólogos voluntários, faculdades, mas não deixar de fazer e ser acompanhado”.

Infográfico: Marjorie Nunes/Agência Mural

SECRETARIA

Em nota, a Secretaria Municipal da Saúde afirmou que “tanto as UBS quanto os CAPS são gerenciadores dos cuidados em saúde mental – ou seja, são a porta de entrada do usuário que busca psicoterapia, que é oferecida na rede municipal e organizada de acordo com a demanda dos pacientes e capacidade de atendimento das unidades”.

A pasta afirma ainda que “nos serviços de saúde são ofertadas diversas abordagens psicoterápicas (atendimento individual, grupos terapêuticos, oficinas diversas, entre outras). Os CAPS oferecem cuidado aos pacientes e famílias com maior gravidade e/ou complexidade”.

Caroline Pasternack e Jéssica Bernardo são correspondentes do Campo Limpo e do Grajaú
[email protected]
[email protected]

Essa reportagem é sobre o ‘Bem-viver’, um dos temas da Usina de Valores, iniciativa que a Agência Mural de Jornalismo das Periferias apoia.