Batalha de rimas de São Bernardo chega às salas de aula

Matrix nas Escolas busca se espalhar por mais cidades do ABC e capital paulista, além de alcançar público de espaços como a Fundação Casa

Realizada há seis anos na Praça da Matriz, no centro de São Bernardo do Campo, a Batalha da Matrix começa a chegar às escolas do ABC paulista.

Formada por nove MCs moradores das periferias, a batalha é uma disputa de rimas ao som de rap e que tem sido a marca de várias regiões da capital e das cidades vizinhas.

Receba nossa newsletter!

Os integrantes começaram a ação focada em alunos da escola pública de regiões periféricas, que geralmente estão longe de espaços culturais.

“Esta é uma das principais fases de construção de ser, então nada melhor do que crianças e jovens obterem uma iniciação na música e cultura hip hop”, diz o MC e músico Felipe Rocha, 22, o TR.

A ação começou ainda em 2018, com a realização da batalha na escola Euclides da Cunha, na Vila São José, em São Bernardo do Campo. Neste ano, estiveram também na escola Presidente Prudente de Morais, Vila Ema, em São Paulo, e na Fundação Casa de Mauá em julho

Crédito: Daniel Oliveira/DivulgaçãoO músico TR ao lado de estudantes da escola Presidente Prudente de Morais, na zona leste de São Paulo

Na quinta-feira (28), o grupo chega à escola estadual Maurício de Castro, na Vila São Pedro, em São Bernardo do Campo. Falarão com estudantes do ensino fundamental 2, após convite da professora Soraia Neves. 

No geral, a atividade dura em torno de 20 minutos, a depender da disponibilidade da escola. Dois MCs residentes “batalham” e dois apresentadores abrem espaço para a participação dos estudantes. Mas há regras.

“Não aceitamos tom racista, homofóbico, machista, xenofóbico, nem preconceito físico e social, nem ofensas a terceiros [mãe, irmã, filhos etc]. É mais uma forma de exercitar a conscientização sobre esses temas”, completa TR. 

O grupo demonstra alguns estilos de “batalha”, como a temática (as rimas em torno de um tema), e a clássica “sangue”, em que os MCs têm liberdade para usar a imaginação e surpreender o público.

Crédito: Daniel Oliveira/DivulgaçãoImprovisação de rimas feita por MCs abre atividade do projeto social em escolas públicas do ABC e de São Paulo

Professora de geografia da escola Prudente de Morais, Bruna Sartori convidou a Matrix para interagir com os estudantes. “Em média, participaram 400 alunos do período da manhã. Foi ótimo e uma forma pra eles irem perdendo a vergonha e construindo suas identidades”, diz Bruna.

Ela já conhecia a Batalha da Matrix por ter morado em São Bernardo e ter dado aula em uma escola da cidade, na favela do D.E.R. 

Desde 2014, a professora percebeu que as turmas de sociologia, da época, começaram a estudar mais para aumentar conteúdo e ter o que falar durante as competições.

“Essa aliança tem potencial de desenvolver e enriquecer alunos de escolas públicas. Não só em entretenimento, mas no social quando desconstrói padrões e preconceitos”, descreve. 

“Nosso país, historicamente, ensina as pessoas a se calarem. A batalha e slam são exemplos que ajudam a abrir essas vozes e dar espaços a elas”, diz Bruna Sartori

Na Fundação Casa de Mauá, cerca de 40 jovens entre 15 e 17 anos participaram da integração musical, com rimas e bate-papo. “Poder dialogar, entender e plantar uma diferença boa em cada um disposto a ouvir é um marco fundamental atingido em nossa vida”, diz o músico TR. 

“Locais com jovens periféricos que vivem com a desigualdade social são do nosso convívio diário. Independente se é uma escola ou Fundação Casa, devemos olhar para cada um e sem diferença de tratamento”, diz TR.

FORMAÇÃO ESCOLAR

O rap está sendo cada vez mais reconhecido no meio acadêmico, a exemplo do livro “Sobrevivendo no Inferno”, com letras do álbum de mesmo nome do grupo Racionais MC’s e como uma das obras da lista de leitura obrigatória para o vestibular 2020 e 2021 da Unicamp. 

Educadores das escolas apontam que essas atividades podem ajudar a ampliar o vocabulário. Entre eles está o professor de sociologia Felipe Choco, também pesquisador e educador no Museu Afro Brasil.

Em agosto, Choco concluiu e defendeu a dissertação de mestrado – “Cultura, espaço e política: um estudo da Batalha da Matrix de São Bernardo do Campo” – pelo programa de Estudos Culturais da USP (Universidade de São Paulo). 

Ele identificou que as batalhas de MCs têm repercussão nacional, com inúmeras delas surgindo em diversas cidades de todos os estados da federação.  

“Somente em São Bernardo do Campo, são 10 batalhas de MCs ativas”, afirma Choco, nascido em São Bernardo e que viveu oito anos na favela D.E.R. No ABC, ele contabilizou 26 batalhas ativas. 

Jariza Rugiano, correspondente de São Bernardo do Campo, cidade do Grande ABC paulista.

Jariza Rugiano

Jornalista, correspondente de São Bernardo do Campo desde 2017. Gosta de andar de bicicleta, livros, reunir-se com os amigos, acompanhar intervenções culturais e colecionar memes.

São Bernardo do Campo

Comentários