APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Canal oficial da Prefeitura, 156 é mais usado pela zona leste de SP

Segundo levantamento, metade da população da região utiliza o serviço. Na Cidade Tiradentes, reclamações via WhatsApp são alternativas para moradores

Image

Por: Redação

Publicado em 14.08.2018 | 17:21 | Alterado em 14.08.2018 | 17:21

Tempo de leitura: 2 min(s)
Image

Em 2017, prefeitura recebeu 731.804 chamadas pelo 156 (Pexels/CCBY)

A zona leste é a que mais usa o portal de atendimento 156, canal oficial da Prefeitura de São Paulo, segundo a pesquisa “Viver em São Paulo: Transparência e Participação Social”. O relatório foi apresentado nesta terça-feira (14) pela Rede Nossa São Paulo e o Ibope Inteligência.

O estudo mostra que 50% da população da região leste aciona o serviço (disponível via chamadas, pela Internet e aplicativo) para realizar denúncias e demandas ligadas à quase 20 serviços da cidade, como limpeza, transportes, segurança pública, documentos e licenças.

LEIA MAIS
O que as pessoas mais pedem ao ligar para o 156 da Prefeitura?

Naila Sabina, 31, moradora da Cidade Tiradentes, no extremo leste da capital paulista, sempre recorre ao portal SP 156. Em uma das solicitações, pediu que a vigilância sanitária apurasse se um supermercado do bairro desligava o freezer à noite, após comprar alimentos estragados.

“Demoraram cerca de dois meses para me responder e só enviaram uma resposta automática dizendo que o problema foi resolvido”, reclama.

No ranking de acesso ao SP 156, atrás da zona leste, vem a zona sul (41%), em seguida as regiões norte (40%), oeste (39%) e centro (32%). Já a média do município é 43%, especialmente pra quem tem de 35 a 54 anos.

Segundo dados abertos do portal 156, a zona leste representa quase 30% do total de solicitações da cidade, com mais de 113 mil demandas no primeiro semestre de 2018.

A taxa de atendimento regional foi de 57,36%– índice um pouco abaixo da média município, 58,23%.

Na Cidade Tiradentes, essa taxa é ainda maior. Pouco mais de 63% das quase 2.500 solicitações ao 156 foram atendidas, nos seis primeiros meses do ano.

Apesar do número de resoluções, Vinicius Vicente, 28, também morador da zona leste, se diz insatisfeito com a demora no atendimento.

“Demorou muito para atender, e quando consegui falar senti que era mais para fazer um relato do que uma reclamação. Não tive retorno nenhum, nunca mais usei o serviço”, comenta ele ao usar o canal para reclamar sobre uma linha de ônibus.

ZAP-ZAP

Image

Divulgação do WhatsApp pelo prefeito regional Ozziel Souza (Facebook)

Na Cidade Tiradentes, até junho deste ano, a população utilizou os canais do 156 para realizar quase 2.000 solicitações — 1.616 delas apenas por telefone.

O total de denúncias e demandas é o que recebe, em dois meses via WhatsApp, o prefeito regional Oziel Souza, à frente da região desde janeiro de 2017.

VEJA TAMBÉM
Prefeitos regionais usam WhatsApp para se aproximar de moradores

De acordo com informações da assessoria, cerca de mil mensagens são recebidas diariamente no número de celular cedido ao público exclusivamente para isso.

Apesar de não ser um serviço oficial da Prefeitura de São Paulo, o órgão esclarece que o canal tem sido muito usado para reclamações sobre perturbação do sossego.

“Uma vez entrei em contato para reclamar de um vizinho que estava com o som muito alto. O prefeito regional me atendeu prontamente. Não resolveu o problema, mas me orientou a fazer um boletim de ocorrência”, relata Aracelli Figueiredo, sobre sua experiência com o serviço “Whats Denúncia”.

“Viver na Cidade Tiradentes é ter que pagar pedágios simbólicos”

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.