APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
No Corre

Canções e jingles ajudam a turbinar as vendas de empreendedores em Itapuã

Do trabalho cantado pelas famosas ganhadeiras ao popular carro do ovo, passar uma tarde no histórico bairro de Salvador é também ser envolvido por amplo e criativo repertório musical

Image

Por: Gabrielle Guido

Notícia

Publicado em 04.12.2020 | 6:09 | Alterado em 22.11.2021 | 15:54

Image

O empreendedor Daniel França com sua “moto de som” durante a campanha do Outubro Rosa @Gabrielle Guido/Agência Mural

Seja o carro do ovo ou uma inusitada moto adaptada com cabine de som, passando pelas músicas tradicionais das ganhadeiras ou o coro dos ambulantes, cada modo de negociar tem trilha sonora própria no bairro de Itapuã, em Salvador. 

Nesse universo de empreendedorismo ritmado, o autônomo Daniel França, 34, usou a criatividade para ganhar dinheiro e chamar atenção por onde passa. Com uma “moto de som”, ele circula pela região divulgando serviços e comércios locais através de jingles e banners. 

“Por onde passo, chamo atenção e todos ficam em alerta, perguntando o que é aquilo. É também uma segurança para as pessoas, por exemplo, quando eu passo em uma rua deserta”, diz o empreendedor, que planejou e recriou o seu veículo. 

Daniel é contratado principalmente por comerciantes, já fechando roteiro e o tipo de divulgação. O circuito combinado também é elaborado estrategicamente para economizar combustível. Sobre o anúncio, ele explica que ajuda o cliente a planejar e compor os jingles pelo whatsapp. “Já sei o que funciona para cada região e para cada tipo de serviço”, diz. 

Durante esta época de pandemia, ele afirma que as músicas têm alegrado as pessoas confinadas em quarentena. “Elas lembram que não é o fim do mundo. Muitos estão completamente desanimados, desesperados, e quando eu passo, olham para a rua, para ver o que está acontecendo; isso ajuda a distrair”, diz.

Image

O comerciante Flávio Antônio que vai até Itapuã para vender ovos e outras mercadorias @Gabrielle Guido/Agência Mural

Apesar do diferencial, o veículo integra o circuito de carros que comercializa variadas mercadorias pela região. Um desses é conduzido pelo comerciante Flávio Antônio, 43, que há dois anos sai diretamente do bairro 7 de Abril, onde mora, para vender ovos e outros produtos em Itapuã. 

“É um bairro propício para as vendas. A galera compra bem em Itapuã. Sabem que na nossa mão, além de ser mais barato, é mais cômodo. Afinal, a gente traz o mercado para a porta da casa das pessoas”, diz. 

O jingle para alertar que o carro do ovo está passando na rua já ganhou remix e paródias. Para ele, a música cumpre apenas seu papel comercial. “A gente acaba se acostumando com o que a gente tem. Na realidade, tem que gostar daquilo que faz. E eu gosto de trabalhar dirigindo e me comunicando com pessoas diferentes”, afirma. 

Image

Ivana Muzenza é baiana de acarajé e passou a vender por delivery durante a pandemia @Gabrielle Guido/Agência Mural

A sonoridade profissional de Itapuã também está relacionada ao surgimento do bairro, onde pescadores, lavadeiras, baianas de acarajé, entre outros, utilizavam o canto como ferramenta de venda. Atualmente, essas canções são conhecidas como “música de ganho” e relembradas pelas Ganhadeiras de Itapuã. 

“As ganhadeiras são o símbolo maior do empreendedorismo aqui na Bahia. Vendiam tudo que encontravam e que podia ser consumido, da culinária afro-brasileira ou indígena, peixe, beiju, frutas… Conseguiam juntar dinheiro e comprar mais alforrias de outras irmãs”, explica Ivana Muzenza, 38, baiana de acarajé e produtora cultural.

Ivana é baiana de acarajé desde os 13 anos, trabalhava em um ponto fixo e com eventos; durante a pandemia passou a vender por delivery. Para ela, as ganhadeiras só mudaram de formato ao longo do tempo, pois a prática ainda resiste. “Tem umas que vendem o chip de celular, o pen drive. Você passa na rua e ouve ‘olha o chip, olha o chip’. Elas são ganhadeiras também”, exemplifica.

Image

Verônica Santana é integrante do grupo Ganhadeiras de Itapuã e mora no bairro desde criança @Gabrielle Guido/Agência Mural

Já Verônica Santana, 36, é artesã e artista do grupo Ganhadeiras de Itapuã. Nasceu em Periperi, bairro do subúrbio de Salvador, mas mora em Itapuã desde criança com a família. 

Ela explica a relação comercial do bairro como principal fonte de renda da população. “Itapuã sempre esteve relacionado ao empreendedorismo, desde a pesca, a lavagem de roupas, os bordados, as costuras, as iguarias e muitos outros ofícios que eram pensados a partir do que se tinha de matéria prima”, acentua. 

Para a ganhadeira, o termo empreendedorismo é algo novo em nosso vocabulário e um sinônimo para o velho e conhecido ganho. “É preciso ter uma explicação de que o empreendedorismo é o sistema de ganho. Quando se explica isso para as pessoas, elas se identificam e passam a assumir essa identidade”, avalia.

Gabrielle Guido

Correspondente do bairro de Itapuã desde 2020. É produtora cultural, fotógrafa e integrante do espaço independente online Uncool Artist. Ama um samba até de madrugada e séries engraçadas.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.