• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Canções e jingles ajudam a turbinar as vendas de empreendedores em Itapuã

Do trabalho cantado pelas famosas ganhadeiras ao popular carro do ovo, passar uma tarde no histórico bairro de Salvador é também ser envolvido por amplo e criativo repertório musical
O empreendedor Daniel França com sua “moto de som” durante a campanha do Outubro RosaGabrielle Guido/Agência Mural

Seja o carro do ovo ou uma inusitada moto adaptada com cabine de som, passando pelas músicas tradicionais das ganhadeiras ou o coro dos ambulantes, cada modo de negociar tem trilha sonora própria no bairro de Itapuã, em Salvador. 

Nesse universo de empreendedorismo ritmado, o autônomo Daniel França, 34, usou a criatividade para ganhar dinheiro e chamar atenção por onde passa. Com uma “moto de som”, ele circula pela região divulgando serviços e comércios locais através de jingles e banners. 

“Por onde passo, chamo atenção e todos ficam em alerta, perguntando o que é aquilo. É também uma segurança para as pessoas, por exemplo, quando eu passo em uma rua deserta”, diz o empreendedor, que planejou e recriou o seu veículo. 

Daniel é contratado principalmente por comerciantes, já fechando roteiro e o tipo de divulgação. O circuito combinado também é elaborado estrategicamente para economizar combustível. Sobre o anúncio, ele explica que ajuda o cliente a planejar e compor os jingles pelo whatsapp. “Já sei o que funciona para cada região e para cada tipo de serviço”, diz. 

Durante esta época de pandemia, ele afirma que as músicas têm alegrado as pessoas confinadas em quarentena. “Elas lembram que não é o fim do mundo. Muitos estão completamente desanimados, desesperados, e quando eu passo, olham para a rua, para ver o que está acontecendo; isso ajuda a distrair”, diz.

O comerciante Flávio Antônio que vai até Itapuã para vender ovos e outras mercadoriasGabrielle Guido/Agência Mural

Apesar do diferencial, o veículo integra o circuito de carros que comercializa variadas mercadorias pela região. Um desses é conduzido pelo comerciante Flávio Antônio, 43, que há dois anos sai diretamente do bairro 7 de Abril, onde mora, para vender ovos e outros produtos em Itapuã. 

“É um bairro propício para as vendas. A galera compra bem em Itapuã. Sabem que na nossa mão, além de ser mais barato, é mais cômodo. Afinal, a gente traz o mercado para a porta da casa das pessoas”, diz. 

O jingle para alertar que o carro do ovo está passando na rua já ganhou remix e paródias. Para ele, a música cumpre apenas seu papel comercial. “A gente acaba se acostumando com o que a gente tem. Na realidade, tem que gostar daquilo que faz. E eu gosto de trabalhar dirigindo e me comunicando com pessoas diferentes”, afirma. 

Ivana Muzenza é baiana de acarajé e passou a vender por delivery durante a pandemiaGabrielle Guido/Agência Mural

A sonoridade profissional de Itapuã também está relacionada ao surgimento do bairro, onde pescadores, lavadeiras, baianas de acarajé, entre outros, utilizavam o canto como ferramenta de venda. Atualmente, essas canções são conhecidas como “música de ganho” e relembradas pelas Ganhadeiras de Itapuã. 

“As ganhadeiras são o símbolo maior do empreendedorismo aqui na Bahia. Vendiam tudo que encontravam e que podia ser consumido, da culinária afro-brasileira ou indígena, peixe, beiju, frutas… Conseguiam juntar dinheiro e comprar mais alforrias de outras irmãs”, explica Ivana Muzenza, 38, baiana de acarajé e produtora cultural.

Ivana é baiana de acarajé desde os 13 anos, trabalhava em um ponto fixo e com eventos; durante a pandemia passou a vender por delivery. Para ela, as ganhadeiras só mudaram de formato ao longo do tempo, pois a prática ainda resiste. “Tem umas que vendem o chip de celular, o pen drive. Você passa na rua e ouve ‘olha o chip, olha o chip’. Elas são ganhadeiras também”, exemplifica.

Verônica Santana é integrante do grupo Ganhadeiras de Itapuã e mora no bairro desde criançaGabrielle Guido/Agência Mural

Já Verônica Santana, 36, é artesã e artista do grupo Ganhadeiras de Itapuã. Nasceu em Periperi, bairro do subúrbio de Salvador, mas mora em Itapuã desde criança com a família. 

Ela explica a relação comercial do bairro como principal fonte de renda da população. “Itapuã sempre esteve relacionado ao empreendedorismo, desde a pesca, a lavagem de roupas, os bordados, as costuras, as iguarias e muitos outros ofícios que eram pensados a partir do que se tinha de matéria prima”, acentua. 

Para a ganhadeira, o termo empreendedorismo é algo novo em nosso vocabulário e um sinônimo para o velho e conhecido ganho. “É preciso ter uma explicação de que o empreendedorismo é o sistema de ganho. Quando se explica isso para as pessoas, elas se identificam e passam a assumir essa identidade”, avalia.

 

Gabrielle Guido

Correspondente do bairro de Itapuã desde 2020. É produtora cultural, fotógrafa e integrante do espaço independente online Uncool Artist. Ama um samba até de madrugada e séries engraçadas.

Salvador/BA

Comentários