APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Cheio de histórias, distrito da Lapa une tradição, desenvolvimento e desafios

Região é marcada por ruas com nomes poéticos, vias comerciais famosas, um mercado público, duas linhas de trem e um terminal de ônibus

Image

Por: Redação

Publicado em 19.07.2017 | 15:25 | Alterado em 19.07.2017 | 15:25

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Lapa, na zona oeste de São Paulo (Vagner de Alencar/32xSP)

Ruas com nomes poéticos, vias comerciais famosas, como a rua Doze de Outubro, um mercado público, duas linhas de trem, terminal de ônibus, shopping center, espaço de ciência, um marco da paz, escolas e igrejas tradicionais, entre outros muitos lugares fazem do distrito da Lapa, na zona oeste, um lugar conhecido e muito frequentado diariamente na capital paulista.

Mas são os lapeanos que o tornam ainda mais interessante. A advogada Rosana Altafin, 55, presidente da AALB (Associação Amigos da Lapa de Baixo), uma das mais de 67 mil moradoras locais, relata de maneira emotiva a sua relação com o bairro que ela viu se transformar ao longo do tempo.

“Minha bisavó tinha um armazém aqui na Lapa de Baixo. Nasci, cresci, estudei aqui. Amo o meu bairro. Costumamos dizer que ele é um grande interior, pois todo mundo se conhece. As famílias antigas permaneceram e os descendentes ficaram com esse espírito de manutenção da história da Lapa”.

LEIA MAIS:
Com seis distritos, a região da Lapa é uma das mais bem equipadas da cidade

Rosana explica que a divisão popularmente conhecida como Lapa de Baixo veio com a tradição de distinguir a região partir da linha ferroviária. “Tudo é Lapa e a Lapa de Baixo é simplesmente a área mais baixa. Quando se atravessa a linha para o outro lado, você começa a subir. Então as pessoas começaram a dizer que iam para a Lapa de cima, que se desenvolveu mais comercialmente”.

Na Vila Ipojuca, outro bairro do distrito, a professora de yoga Renata dos Santos Adamo, 34, fala com o mesmo entusiasmo de onde vive. Terceira geração de uma família lapeana, ela conta saudosa dos encontros entre crianças e idosos que se reuniam para ler e brincar na praça Dr. Otávio Perez Velasco, ao lado do Centro de Memória e Convívio da Lapa Cecília Meireles (antiga Biblioteca Cecília Meireles), onde começou a dar aulas para resgatar esse convívio.

“Em uma pesquisa, eu vi que aqui é um bairro de muitos idosos e uma forma de ajudá-los a ter mais qualidade de vida seria dando aulas de yoga. Queria dar aulas para esses avós que ainda moram na região e conseguir parceiros para melhorias da praça, que tempos atrás estava abandonada e cheia de lixo”, diz.

Segundo dados do IBGE, dos 67.709 moradores registrados em 2016, mais de 14.500 tinham mais de 60 anos. Para implantar as aulas, Renata contou com o apoio da sua vizinha, a artesã nas horas vagas, Lais Cassia Segala, 59, integrante do Comid (Comissão do Idoso) Lapa.

Lais é outra moradora cheia de histórias para contar. “Meus pais se conheceram aqui. Nasci, sempre morei e trabalhei na Lapa. É um lugar muito tranquilo e, apesar dos prédios e da verticalização que houve recentemente, os vizinhos se conhecem. A convivência é muito boa”, diz.

Apesar de orgulhosa do seu bairro, Lais aponta alguns problemas da região. A situação do Hospital Sorocabana é um deles. O local possui atualmente uma AMA (Assistência Médica Ambulatória), com atendimento 24 horas, e uma unidade da Rede Hora Certa. Outros cinco andares estão interditados.

“É triste ver essa estrutura do hospital se deteriorando. Infelizmente, o idoso não tem uma assistência médica de emergência que o socorra em tudo”, lamenta.

Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde informou que está trabalhando para reabrir o Hospital Sorocabana o mais rápido possível para a população.

“O hospital será referência para cirurgias eletivas ambulatoriais, ou seja, aquelas que são agendadas previamente. Os procedimentos realizados serão de baixa complexidade para dar maior vazão à demanda reprimida. As internações serão de curta permanência, com alta rotatividade dos leitos. O hospital deverá ser gerenciado em parceria com uma Organização Social de Saúde”, informou a nota.

A Autarquia Hospitalar Municipal (AHM) informa que enquanto não conclui o projeto de reabertura do Hospital Sorocabana, todos os pacientes que necessitam de internação ou outros procedimentos são incluídos na rede de regulação, que abrange e distribui os leitos da rede municipal de saúde.

SAÚDE

De acordo o Observatório Cidadão, da Rede Nossa São Paulo, o distrito da Lapa apresenta um dos piores números de leitos hospitalares da cidade. Em 2015, a região contabilizava 286 leitos para uma população de 67.397 habitantes. Proporcionalmente eram 4,24 leitos hospitalares públicos e privados por mil habitantes. Valor considerado abaixo da média da cidade, que era de 2,95.

A Secretaria Municipal de Saúde informa que a região da Lapa tem como referência o Pronto Socorro da Lapa para casos de menor complexidade, o Hospital das Clínicas – para casos de alta complexidade –, em Pinheiros, e o Hospital Dr. José Soares Hungria, em Pirituba.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.