APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Com 33% da população negra, Vila Maria perde Centro Municipal de Igualdade Racial

Reabertura da unidade é pleiteada pelo conselho participativo municipal. Centro foi inaugurado em 2016, na gestão Haddad, e fechado em 2017

Image

Por: Redação

Publicado em 24.04.2018 | 18:29 | Alterado em 24.04.2018 | 18:29

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Centro de Referência foi fechado pela prefeitura em 2017 (Geledés)

Inaugurado em março de 2016, na gestão Haddad, o primeiro Centro de Referência de Promoção da Igualdade Racial (CRPIR) de São Paulo, na Vila Maria, teve vida curta e foi fechado pela atual administração municipal, em 2017. Gerenciado pelo Geledés – Instituto da Mulher Negra, o local  oferecia assistência jurídica e acompanhamento com pedagogo, assistente social e psicólogo às vítimas de discriminação racial, além de oficinas, debates e atividades culturais.

Reivindicando a reabertura do espaço, o conselho participativo municipal da prefeitura regional Vila Maria/Vila Guilherme tem atuado em várias frentes e até incluiu o tema em recente audiência pública na Câmara de Vereadores, chamada de “Retrocessos nas políticas públicas para a Igualdade Racial”.

LEIA MAIS
– Único centro de referência à mulher da zona leste continua fechado
– Determinação do MP faz Prefeitura Regional de Guaianases alugar prédio acessível

Em 2015, a extinta Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial, que, na atual gestão, se tornou uma coordenadoria na estrutura da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania, divulgou levantamento mostrando que a população negra se concentra na periferia da cidade.

De acordo com o estudo, que usou dados do último Censo do IBGE, na região da Vila Maria/Vila Guilherme o percentual dos que se declararam negros (pretos ou pardos) era de 33,1%.

A unidade na Vila Maria tinha o apoio do BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e o Plano de Metas da antiga administração municipal previa a implantação de outros espaços nos bairros de Cidade Tiradentes, São Mateus, Jaçanã, Taipas e Grajaú, em locais identificados como de maior demanda pelo serviço.

Desses, apenas o de Cidade Tiradentes foi inaugurado, porém também está fechado, aguardando o resultado de edital público para escolha de entidade gestora.

Image

Atividade CRPIR – O Centro também promovia oficinas, debates e atividades culturais (Reprodução Facebook/ Jesus dos Santos)

Para o coordenador do Conselho Participativo, Jesus dos Santos, 33, o CRPIR “promovia o combate ao racismo, estimulava a autoestima, a sociabilidade e relações mais afetivas. Como morador, participei de várias atividades ali e indiquei para pessoas que precisavam de ajuda. O fechamento é um retrocesso”, opina.

Segundo ele, a zona norte sempre teve presença expressiva de negros e também acolhe imigrantes, descendentes dos povos indígenas da América do Sul. Além de participar de audiência sobre o tema Integração Racial na Câmara Municipal, o conselheiro fez uma solicitação pessoal a Bruno Covas, durante uma visita do prefeito à zona norte.

O coordenador também protocolou pedidos de reabertura na sede da prefeitura e da regional Vila Maria/Vila Guilherme. “Há uma onda crescente de racismo no país, que atinge os negros e os indígenas. Segundo o IPEA, 70% dos casos de mortes violentas são de jovens negros”, comenta.

Coordenador do SOS Racismo do Instituto Geledés, o advogado Rodnei Jericó, 39, avalia que o fechamento foi prejudicial para as pessoas negras e uma “perda em termos de política pública municipal”.

Ele destaca que a população afrodescendente se sentia “à vontade no Centro” e que os atuais espaços públicos não têm especialização no tema.

“Recebíamos casos de diversas naturezas, mas se uma pessoa procurasse um distrito policial, por exemplo, a recepção e o nível de atendimento não seriam os mesmos. Além disso, tínhamos uma equipe multidisciplinar, que permitia a assistência adequada a cada caso e o estudo dos mais complexos em conjunto”, garante.

Image

Para Jesus Santos, coordenador do Conselho Participativo, fechamento é um retrocesso (Sidney Pereira/32xSP)

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania informou que o fechamento do Centro de Referência ocorreu porque o prédio em que foi instalada a unidade “havia sido solicitado em data anterior à sua inauguração pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), para a construção de um Centro de Atenção Psicossocial – CAPS Infantil.

Havia um processo de doação da área para a SMS, o que culminou com a transferência definitiva no fim de 2017”. A reportagem do 32xSP esteve no local e encontrou o imóvel fechado, sem identificação, com lixo espalhado e mato alto, e nenhum sinal de obra.

No último dia 21 de abril, a prefeitura divulgou edital para a gestão de novos CRPIR, a serem abertos nas zonas norte, sul e oeste. Os locais exatos não foram definidos na publicação.

VEJA MAIS
– Crianças sofrem com a desigualdade social na Vila Maria/Guilherme
– Esquecido, cruzamento perigoso na Vila Maria faz vítimas há 50 anos

Na falta desses espaços públicos, o órgão esclarece que possíveis denúncias de discriminação racial podem ser feitas pelo telefone 156, pelo Disque 100 – Direitos Humanos, endereço eletrônico [email protected],  ou pessoalmente na Coordenação de Promoção da Igualdade Racial, na rua Líbero Badaró, 119 – 9º andar, no Centro.

***

Em cinco anos, o número de favelas quadruplicou na Vila Guilherme

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.