APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Confira o calendário de saque do auxílio emergencial; filas na Caixa viram rotina

Moradores não têm conseguido acessar aplicativo; situação na frente das agências são contrárias às medidas de proteção contra a Covid-19

Image

Por: Lucas Veloso

Notícia

Publicado em 24.04.2020 | 11:23 | Alterado em 12.08.2020 | 18:05

Tempo de leitura: 3 min(s)

“À tua esquerda, mil receberão R$ 600, à tua direita, dez mil receberão R$1.200, mas tu continuará em análise”. A frase, com referências bíblicas, faz parte de um meme em grupos de bairros da zona leste de São Paulo e trata da dificuldade encontrada por milhares de pessoas de acessar o auxílio emergencial de R$ 600 nas periferias. 

A reportagem da Agência Mural identificou aglomeração de pessoas em agências bancárias e nos postos dos Correios localizados nas periferias da capital. 

Na Vila Zilda, zona norte de São Paulo, dezenas de pessoas enfileiradas perto de uma agência bancária. Algumas delas usavam guarda-chuva contra o sol, mas em relação a pandemia, poucos usam itens de segurança, como máscaras no rosto. No Campo Limpo, zona sul, a mesma situação se repetiu.

Image

No Campo Limpo, zona sul, dezenas de pessoas foram vistas em filas em frente a uma agência bancária @Léu Britto/Agência Mural

De acordo com relatos de moradores, um dos motivos da busca das agências bancárias são os problemas com o aplicativo Caixa Tem. Depois de ter o pedido em análise aprovado, a orientação é que baixe esse aplicativo, criado para facilitar o acesso a serviço sociais e a diversas transações bancárias.

Disponível para download nas lojas Android e iOS, por lá é possível acessar informações sobre o Auxílio Emergencial, benefícios e programas sociais, além do FGTS, Abono Salarial do PIS e Seguro-Desemprego.

No entanto, leitores e beneficiários relatam que o aplicativo apresenta problemas e não carrega há dias. 

O objetivo de resolver pelo celular é justamente evitar as aglomerações e garantir o isolamento social, medida importante contra o avanço da Covid-19. Sem respostas, entretanto, o que tem se visto é o contrário. Pessoas se amontoam na frente da Caixa e na entrada da agência, o uso de álcool gel também não foi visto. 

Desde a semana passada, a Fenae (Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal) recomendou que as pessoas beneficiadas não procurem as agências do banco por conta da pandemia do coronavírus. 

O comunicado diz ainda que, para evitar aglomerações nas agências, a Caixa estabeleceu um calendário para os beneficiários que quiserem sacar em dinheiro o valor depositado nas poupanças digitais abertas para os trabalhadores.

  • 27 de abril – nascidos em janeiro e fevereiro
  • 28 de abril – nascidos em março e abril
  • 29 de abril – nascidos em maio e junho
  • 30 de abril – nascidos julho e agosto
  • 04 de maio – nascidos em setembro e outubro
  • 05 de maio – nascidos em novembro e dezembro

A Fenae admite que as dúvidas sobre como receber o auxílio emergencial têm levado dezenas de pessoas a formarem filas nas portas das agências da Caixa. Para tentar contornar o problema, associações representativas dos empregados da Caixa cobram do banco público uma ação urgente para orientar melhor a população.

Em seu site, a Caixa diz que não é necessária corrida às agências ou às lotéricas para realizar os saques em espécie. “Na data prevista para início do saque em espécie, o cliente terá esta opção habilitada no aplicativo CAIXA Tem”, prometeu em comunicado. 

Image

O recebimento do auxílio emergencial têm provocado filas em agências @Léu Britto/Agência Mural

Ainda no site, o banco afirma que bastaria informar o valor a ser retirado e será gerado um código autorizador para saque nos caixas eletrônicos e casas lotéricas. 

“Com o objetivo de evitar aglomerações nas agências e unidades lotéricas, expondo empregados, parceiros e clientes ao risco de contágio, a CAIXA escalonou o calendário de saque”, escreveu o banco.

RISCOS

O distanciamento social tem sido importante ainda mais nas periferias, onde a taxa de óbitos por número de casos de Covid-19 tem superado a média nacional. 

Segundo levantamento da Agência Mural, a partir de dados públicos da Secretaria Municipal de Saúde, a letalidade da Covid-19 nas periferias de São Paulo é cinco vezes maior que a média do Brasil. 

A Subprefeitura de Jaçanã/Tremembé, onde fica a agência encontrada, computou 98 casos confirmados até 17 de março, data do último boletim oficial da prefeitura. Com 29 mortes, a taxa de letalidade ficou em 29,6%. 

receba o melhor da mural no seu e-mail

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.