APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Como as eleições 2018 podem mudar o acesso à universidade

Image

Por: Rafael Balago

Publicado em 25.10.2018 | 16:55 | Alterado em 10.04.2019 | 5:10

RESUMO

Para estudantes das periferias, acesso ao ensino superior por meio de bolsas pode ter mudanças; veja o que apontam os candidatos à presidência

Tempo de leitura: 5 minutos

A troca de comando do país a partir de 2019 pode mudar as condições de quem busca entrar na universidade e também para quem já está nela. Os dois candidatos, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) têm visões diferentes sobre a função do ensino superior e sobre as formas de facilitar o acesso dos jovens a ele.

No entanto, os dois não devem fazer da universidade uma prioridade. Haddad promete centrar forças no ensino médio e Bolsonaro, na educação básica e no ensino médio/técnico. A eleição será no domingo (28). 

Estudantes vindos das periferias tiveram o acesso à universidade facilitado por programas como o Prouni, o Fies e o Sisu. Cotas para alunos de escolas públicas e para negros e índigenas também serviram para aproximar jovens das faculdades. Os candidatos não falaram sobre mudanças nestes três programas ao longo da campanha, mas divergem no tema das cotas e sobre a cobrança de mensalidade em universidades federais.

Haddad promete ampliar os investimentos no ensino superior, enquanto Bolsonaro pretende reduzi-los. A seguir, um resumo das propostas para a área universitária.

COTAS
Bolsonaro é contrário às cotas para negros entrarem em universidades, e disse ser a favor de considerar apenas a renda. “Eu sou contra a forma de cotas que está aí, que prejudica o próprio negro. Você bota cota para negros, a princípio quais negros têm mais facilidade de passar? O negro filho de negro bem de vida. Eu defendo a cota social. A racial, não”, disse o candidato durante um ato de campanha em agosto.

Haddad defende a promoção de políticas que ajudem os negros a terem melhores condições de vida. “A promoção da igualdade racial e a garantia de direitos dos povos indígenas e negros constituem prioridade estratégica. Na prática, isso significa o enfrentamento ao racismo institucional”, diz o candidato em seu programa de governo.

PROUNI, FIES E SISU
Nenhum deles cita mudanças nessas ações em seus programas de governo. O ProUni prevê bolsas em universidades privadas para estudantes de baixa renda. O valor das mensalidades é pago pelo governo. No caso do Fies (Financiamento estudantil), o estudante financia o pagamento em parcelas a longo prazo. O Sisu (Sistema de Seleção Unificada) utiliza as notas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) para selecionar  estudantes de escolas públicas para universidades federais e estaduais. 

COBRANÇA DE MENSALIDADE
Segundo o jornal “O Estado de S.Paulo”, a equipe de Bolsonaro pretende instituir a cobrança de mensalidades nas universidades federais para alunos de maior renda, mas sem citar qual seria o limite de ganho mensal.

Em suas redes sociais, Haddad criticou a ideia do adversário.

Image

Unifesp da zona leste ainda não foi concluída; nos últimos meses, unidade teve protestos após anúncio do corte de verbas (Sheyla Melo/Agência Mural)

INVESTIMENTOS
Haddad promete “voltar a investir no ensino superior e ampliar os investimentos em ciência, tecnologia e inovação. Universidades e Institutos Federais serão fortalecidos, interiorizados e expandidos com qualidade e financiamento permanente. Serão recompostos os orçamentos das universidades e institutos federais”, segundo seu programa de governo.

Em entrevista em agosto à Globo News, Bolsonaro disse que pretende “tirar mais recursos de cima (do ensino superior) e jogar mais no ensino infantil, fundamental”. Na mesma conversa, ele criticou o interesse dos jovens em fazer faculdade. “Há uma certa tara por parte da garotada em ter um diploma (superior). É bom? Sim, vamos ter nossos mestres, nossos doutores, sim. Mas se você no Ensino Médio colocar algo técnico, melhora nossa economia.”

FUNCIONAMENTO DA UNIVERSIDADE
Para Bolsonaro, o ensino superior deve ter vocação mais empresarial. “As universidades precisam gerar avanços técnicos para o Brasil, buscando formas de elevar a produtividade, a riqueza e o bem-estar da população. Devem desenvolver novos produtos, através de parcerias e pesquisas com a iniciativa privada”, defende em seu programa de governo.

Haddad não cita mudanças nas funções da universidade em seu programa de governo e promete trabalhar pelas metas do Plano Nacional de Educação, aprovado em 2014, que prevê aumentar a proporção de professores universitários que sejam mestres ou doutores para 75% do total até 2024. Em 2017, essa proporção era de 57%. Outra meta é aumentar o número de formados na pós-graduação para 60 mil mestres e 25 mil doutores por ano.

VEJA TAMBÉM:
A cobertura do Mural nas Eleições 2018
Moradores recebem mais de 100 propagandas eleitorais em casa

EMPREGO DEPOIS DE SE FORMAR
Haddad promete criar meios para facilitar a contratação dos negros que se formam nas universidades. “Embora as ações afirmativas tenham ampliado a presença dos negros e negras em órgãos do Estado e nas universidades, as desigualdades raciais não tiveram diminuição relevante no mercado de trabalho. Por isso, o governo adotará medidas para a indução da valorização dos negros e negras, visando a equiparação salarial e maior presença nos postos de chefia e direção”, aponta em seu programa de governo.

Bolsonaro afirma que as universidades devem estimular os estudantes a criar negócios. “O jovem precisa sair da faculdade pensando em como transformar o conhecimento obtido em enfermagem, engenharia, nutrição, odontologia, agronomia, etc, em produtos, negócios, riqueza e oportunidades. Deixar de ter uma visão passiva sobre seu futuro”, defende o candidato em sua lista de propostas.

Sem dinheiro, universidade federal em Itaquera não tem prazo para começar

Rafael Balago

Jornalista, vindo de Pirituba, na zona norte de SP, e formado pelo Mackenzie. Tem mestrado em jornalismo pela Universidade da Coruña (Espanha) e grande interesse por mobilidade urbana. É repórter do jornal Folha de S.Paulo. Confundador e correspondente de Pirituba desde 2012.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.