APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Coronavírus: 6 das 32 subprefeituras de São Paulo não têm leitos de UTI

Necessários para tratar casos graves de Covid-19, 3 subprefeituras concentram 60% dos leitos para adultos; Brasilândia e Parelheiros receberão unidades até maio

Image

Por: Redação

Publicado em 09.04.2020 | 21:41 | Alterado em 09.04.2020 | 21:41

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Leito de UTI no Hospital Municipal de Parelheiros (Leon Rodrigues/SECOM)

Dados de fevereiro de 2020 do DataSUS, vinculado ao Ministério da Saúde, mostram que a cidade de São Paulo tem 1.221 leitos em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) pelo Sistema Único de Saúde. Esse tratamento é necessário para pacientes graves com Covid-19.

A distribuição, contudo, é desigual. Enquanto mais de 60% dos leitos em UTI para adultos estão concentrados em apenas três subprefeituras (Sé, Pinheiros e Vila Mariana), outras seis regionais não contam com nenhuma unidade pela rede pública de saúde.

São elas: Aricanduva/Formosa/Carrão (na zona leste), Campo Limpo e Cidade Ademar (zona sul), Lapa (zona oeste), e Jaçanã/Tremembé e Perus (zona norte).

Nessas regiões vivem cerca de 2,21 milhões de pessoas que, em casos mais graves de internação, precisam ser transferidas para outros distritos.

LEIA TAMBÉM:
A diferença no número de leitos hospitalares entre Bela Vista e Parelheiros

Até o mês de fevereiro, a subprefeitura Parelheiros, no extremo sul do município, não tinha nenhum leito de UTI disponível. No dia 20 de março, o Hospital Municipal de Parelheiros recebeu 20 novos leitos de cuidados intensivos para o enfrentamento do novo coronavírus. Para o início de maio, mais 268 estão previstos.

INTERNAÇÕES POR CORONAVÍRUS

No estado de São Paulo, as internações de pacientes com a confirmação de Covid-19 em leitos de Unidade de Terapia Intensiva cresceram 1.500% desde 20 de março, passando de 33 para 524, até o último dia 3. As informações são da Secretaria de Estado da Saúde.

O número de mortes pela doença no estado é de 496, além de 7.480 mil casos confirmados, conforme divulgou o Ministério da Saúde nesta quinta-feira (9). Dos 645 municípios paulistas, 121 já possuem casos do novo coronavírus.

VEJA TAMBÉM:
Em Paraisópolis, racionamento de água impede proteção contra coronavírus

Na cidade de São Paulo, o sistema de saúde municipal já começou a “sentir a pressão” pelo avanço da doença no município, segundo afirmou o prefeito Bruno Covas (PSDB) durante coletiva realizada na segunda-feira (6).

“Apesar de todo o esforço para a criação de três mil leitos adicionais na cidade, praticamente 900 leitos de UTI e 2.100 leitos de baixa complexidade, nós já sentimos a pressão neste final de semana”, disse.

Seguindo a determinação do governo estadual, a Prefeitura de São Paulo prorrogou, na terça-feira, o período de quarentena na cidade até o dia 22 de abril.

Conforme projeção do Instituto Butantan e da Secretaria de Estado da Saúde, a prorrogação pode evitar 166 mil óbitos em todo o estado, além de 630 mil hospitalizações e 168 mil internações em UTIs.

HOSPITAIS DE CAMPANHA

Image

Pacaembu: 1º Hospital Municipal de Campanha começou a atender infectados pela Covid-19 (Prefeitura de São Paulo/SECOM)

A Prefeitura de São Paulo iniciou, no mês de março, a montagem dos dois mil leitos de baixa complexidade no estádio do Pacaembu e no Anhembi. Segundo Covas, a medida visa “desafogar os hospitais”. Também já foram ativados 1.524 novos leitos de UTI em hospitais estaduais, municipais e filantrópicos.

Responsável pelo levantamento da quantidade de leitos de UTI pelo DataSUS, a Rede Nossa São Paulo afirma que “a recente iniciativa da gestão municipal de ampliar o número de leitos por meio de hospitais de campanha é urgente e necessária”, mas “a desigualdade territorial segue acentuando as diferenças e tornando as populações ainda mais vulneráveis”.

No último dia 6, o Hospital Municipal de Campanha (HM Camp) do Pacaembu começou a atender pacientes diagnosticados com Covid-19 que são transferidos de Hospitais Municipais, Pronto Socorros e Unidades de Pronto Atendimento. No equipamento há 200 leitos de baixa e média complexidade; destes, oito leitos são de UTI.

Além disso, a prefeitura prevê entregar no dia 15 de abril o HM Camp do Anhembi e o governo do estado prepara a implantação de outro equipamento médico no Complexo Esportivo Ibirapuera, a ser inaugurado em 1º de maio.

Reivindicação antiga da população da zona norte, o Hospital Municipal da Brasilândia também deve ser inaugurado no próximo mês para tratar pacientes diagnosticados com a doença. A unidade terá 150 leitos de UTI e 30 leitos de transição exclusivos para o tratamento de pessoas com o novo coronavírus.

***

Como é o atendimento em Libras na rede pública de saúde de São Paulo?

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.