APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Democratize-se!

CPTM atrasa obras em Francisco Morato, Osasco e Suzano

Morato tem estação provisória de lata que assusta moradores; plataformas abandonadas marcam cenário de Suzano e Osasco

Image

Por: Rômulo Cabrera

Notícia

Publicado em 17.05.2019 | 18:11 | Alterado em 22.11.2021 | 16:13

RESUMO

Morato teve uma estação provisória de lata que assusta moradores; plataformas abandonadas marcam cenário de Suzano e Osasco

Tempo de leitura: 5 minutos

Três estações da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) estão incompletas, enquanto moradores driblam goteiras, se equilibram entre os vãos entre os trens e as plataformas e aguardam acessibilidade.

Localizadas em diferentes pontos da Grande São Paulo, as unidades de Francisco Morato, Osasco e Suzano, têm obras que acumulam anos de atraso.

Em Morato, uma estrutura provisória foi instalada enquanto a nova estação, orçada em R$ 144 milhões, não fica pronta. No caso de Suzano, parte da nova estrutura foi concluída, mas há dois anos uma nova plataforma ainda é esperada pelos moradores.

Já a de Osasco passou por melhorias, mas a obra foi entregue pela metade e não é alterada desde 2012.

Image

Nova plataforma teve obras paradas em 2012 em Osasco (Paulo Talarico/Agência Mural)

ESTAÇÃO DE LATA

Em 2015, a Agência Mural publicou matéria sobre os cinco anos da “estação de lata” de Francisco Morato, apelido dado por moradores do município, na linha 7-rubi. A estrutura temporária, inaugurada em 2010, foi erguida ao lado da antiga estação que atendia à região.

Passageiros afirmam que se sentiam inseguros na plataforma provisória, cujo pouco espaço era dividido tanto por quem segue para a estação Luz, no centro de São Paulo, quanto para quem viaja até Jundiaí, no interior do estado. Reclamaram também dos “puxadinhos” e obras de acessibilidade feitas, à época, de maneira improvisada.

Cerca de quatro anos depois, o cenário parece não ter mudado. É o que afirma o estudante Estenio Santos da Silva, 23. De acordo com ele, a estrutura “é bem precária”. “Nos horários de pico, a única plataforma da estação fica pequena para o número de usuários.”

Image

Foto de 2017 da Estação Francisco Morato; moradores ainda vivem improvisos no local (Paulo Talarico/Agência Mural)

“A estrutura não foi bem pensada. Tanto que algumas obras de adaptação só foram feitas e concluídas nos últimos anos. Um exemplo foi a rampa de acesso dos cadeirantes que foi construída depois de muito tempo”, conta Silva.

O metalúrgico Giseldo Faustino de Souza, 57, tem opinião parecida. “É aquele jeito, tudo muito apertado, todo mundo no sufoco”. “Outro problema são os animais. É comum a gente estar ali dentro e encontrar muitos cachorros. É arriscado morderem as pessoas. O pessoal [da estação] não toma nenhuma providência sobre isso”, conta.

PLATAFORMAS ‘FANTASMAS’ EM OSASCO E SUZANO

Na estação de Osasco, há sete anos a obra de uma nova plataforma está parada, enquanto usuários vivem com goteiras para embarcar nas composições dos trens das linhas 8-diamante e 9-esmeralda da CPTM.

Image

Estrutura serviria para melhorar circulação na estação (Paulo Talarico/Agência Mural)

Meses antes da campanha eleitoral de 2012, foi inaugurada a primeira fase da reforma. Desde então, há escadas rolantes para entrar na estação e também foi criado um novo acesso para os moradores da zona norte da cidade (antes era possível entrar apenas pelo lado sul e quem vivia do outro lado da cidade precisava passar por um túnel, embaixo dos trilhos).

Apesar dessas melhoras, uma nova plataforma foi iniciada, mas a obra parou logo depois.

Em 2016, a Agência Mural publicou texto sobre essa plataforma “fantasma”. Na época, a Companhia afirmou que os trabalhos de ampliação foram interrompidos em decorrência de uma disputa judicial entre a CPTM e a empresa contratada. Disse também que após rescisão do contrato naquele mesmo ano, os processos para uma nova licitação para conclusão da obra seriam realizados.

Ao todo, o governo anunciou investir R$ 64 milhões em melhorias da estrutura. O projeto previa ainda o alargamento das plataformas e dos pisos existentes, montagem da instalação elétrica. Três anos depois, nada mudou no local.

Image

Plataforma tem goteiras por conta de buracos na cobertura (Paulo Talarico/Agência Mural)

A estação Suzano, da linha 11-coral, passa por situação parecida. Desde a inauguração, em fevereiro de 2016, a unidade segue incompleta. À época, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou o início de uma segunda etapa de obras, com conclusão prevista para o ano 2017, segundo declarou ao jornal Diário de Suzano.

Contudo, com exceção do bicicletário e de uma passarela que liga o local à calçada da rua Doutor Prudente de Moraes, ambas inauguradas em maio de 2017, o início da chamada segunda fase de obras foi adiado. A contratação só ocorreu em dezembro daquele mesmo ano e previa a implantação de uma nova plataforma e mezanino.

A primeira parte da nova estação teve custo de R$ 46 milhões, enquanto a segunda fase tem estimativa de R$ 14 milhões em gastos.

Chama atenção o fato de que esta plataforma seria utilizada para a baldeação do chamado Expresso Leste que, no projeto original, teria Suzano como ponto de conexão com as demais paradas do ramal. Sem a obra, o expresso segue até a estação Estudantes, em Mogi das Cruzes.

Image

Estação Suzano teve primeira parte entregue em 2016 (Rômulo Cabrera/Agência Mural)

MORATO E SUZANO TÊM PREVISÃO, OSASCO NÃO

Procurada, a CPTM informou que a reconstrução da estação Francisco Morato foi paralisada em 2014 pela Justiça a pedido do consórcio executor da obra à época. E que somente após a extinção do processo judicial, em 2016, a Companhia pode autorizar nova licitação.

As obras na unidade foram reiniciadas em fevereiro do ano passado. A conclusão dos trabalhos está prevista para o segundo semestre de 2020.

Já em relação a Osasco, a CPTM se limitou a dizer que “novas intervenções para a estação estão em análise junto à modelagem da concessão das Linhas 8 e 9”. A Companhia tampouco deu previsão de conclusão das obras na unidade.

Image

Plataforma incompleta da estação Suzano (Rômulo Cabrera/Agência Mural)

Referente a Suzano, a entrega da chamada segunda etapa de obras da estação está prevista para o final deste semestre. Além das obras do mezanino, a Companhia promete mais quatro escadas rolantes e um elevador. A segunda plataforma da estação Suzano também será entregue nesta etapa de obras.

A plataforma ficará operacional e acessível aos usuários, “após implantação de infraestrutura, como via, sistema de sinalização e energia”. A contratação do projeto de extensão e obras, contudo, são objetos de análise da prefeitura, “ainda sem definição em relação a prazos”.

“Posteriormente, serão contratadas obras de implantação da infraestrutura, que permitirão a extensão da Linha 12-safira até a estação Suzano”, diz em nota.

Rômulo Cabrera

Formado em Jornalismo. Operário do texto, apresento o podcast Próxima Parada da Agência Mural. Dou uma de videomaker às vezes. Futuro ex de alguém. Sommelier de tubaína. Correspondente de Suzano desde 2018.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.