APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

De olho na telona: cinema se populariza na Cidade Tiradentes

Sessões na Spcine são nova opção de lazer aos moradores do bairro. O distrito não tinha nenhuma sala de cinema até 2013

Image

Por: Redação

Publicado em 05.04.2017 | 14:53 | Alterado em 05.04.2017 | 14:53

Tempo de leitura: 3 min(s)

É domingo, 18h30 na Cidade Tiradentes, zona leste de São Paulo. A avenida estava praticamente deserta, já que não passava nenhum pedestre. De repente chegam três crianças até a sala de espera da Spcine, localizada dentro do centro cultural do bairro José Aroldo Filho.

Júnior, 14, Agatha de Souza, 10, e Gabrielle Santos, 12, foram assistir ao filme “Minha Mãe é uma Peça 2”.

“Eu tava aqui na biblioteca e o pessoal comentou que o cinema estava aberto. Aí eu vim aqui ver, peguei o ingresso e assisti Moana”. Foi assim que Júnior entrou pela primeira vez ali, a sala de exibição mais próxima de onde mora.

Desde março de 2016, mais de 380 mil pessoas estiveram presentes nas sessões do Circuito Spcine, segundo levantamento da própria empresa. A sala da Cidade Tiradentes, pensada para aproximar as pessoas mais pobres do cinema, foi a 20ª a ser inaugurada, o que ocorreu em dezembro do ano passado.

De acordo com dados do Observatório Cidadão, o distrito de Cidade Tiradentes está zerado em número de cinemas desde 2013. Outro estudo realizado em 2016 pela consultoria JLeiva apontou que, em média, 10% dos paulistanos nunca haviam ido a uma sala de cinema, sendo que o percentual aumentava para 30% nas classes D e E.

VEJA TAMBÉM:
Maioria da zona leste de SP nunca foi ao teatro

Image

Júnior, Agatha de Souza, e Gabrielle Santos (Lucas Veloso/32xSP)

“A vida é difícil, pois lá não tem água, nem luz e nem asfalto. Não sobe perua quando está chovendo, a gente ‘mela’ o pé todo e tem que limpar”. É assim que o menino, estudante do nono ano do Ensino Fundamental, define o lugar onde mora.

Ele e as duas meninas que o acompanhavam residem perto do centro cultural, na ocupação Esperança Vermelha, onde vivem outras 3.500 famílias.

CINEMA GRATUITO PARA TODOS

Conforme o horário da sessão se aproximava, a pequena sala de recepção e entrega de ingressos foi enchendo. O público era variado. Havia desde crianças sozinhas, até famílias inteiras, ansiosas pelo filme que atraiu grande público nas salas em que ficou em cartaz por toda a cidade.

O trio começou a mexer na mochila que trouxeram para verificar o que eles ainda tinham pra comer. Agatha, que estava ali pela segunda vez, era uma das mais preocupadas com a comida. “Ontem, a mulher do meu lado tava com um saco de pipoca. Aí hoje a gente também trouxe”, comentou.

“Eu pedi dinheiro pra minha mãe. A gente fez pipoca, compramos o refri e trouxemos pra cá”, completou Gabrielle.

“Se você vai num shopping, o ingresso é caríssimo, mas aqui é de graça e ainda passam lançamentos. É tudo o que ela gosta”, disparou Ana Helena, 67, a avô que chegou com a neta de 6 anos para retirar os ingressos alguns minutos antes da sessão começar.

Às 19h30 um funcionário abre a porta e recolhe as entradas. Eufóricas, as crianças vão atrás do melhor lugar dentre os 130 disponíveis. O barulho e a euforia só diminuem quando as luzes se apagam e surgem na telona os vídeos institucionais. O filme começa e outro barulho vindo da plateia se inicia. Mas, dessa vez são das sacolas de lanche que as crianças levaram para a sessão.

Após 1h30, todos se levantam e as luzes se acendem devagar. “Que legal. Tomara que minha mãe deixe eu voltar aqui amanhã”, diz uma das crianças ao amigo sentado ao lado.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.