APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Deixa que eu deixo: enquanto conversávamos, o ônibus passou direto

Image

Por: André Santos

Crônica

Publicado em 29.07.2019 | 12:29 | Alterado em 29.07.2019 | 12:29

Toda manhã era a mesma coisa: acordar e fazer tudo rápido pra pegar o “da 20 pras sete”. Era assim que chamávamos o ônibus da linha 1726 que pegávamos cotidianamente nesse horário. A linha fazia o trajeto da Vila Zilda, na zona norte, até a Praça do Correio, na região central de São Paulo.

Sempre chegava alguns minutos antes de o coletivo passar. No ponto, encontrava aquelas pessoas que comumente também estavam lá naquele horário, que compartilham a rotina na ida e na volta. 

Conhecia todos: o senhor de gravata e óculos; a senhora de saia comprida que sempre carregava uma bolsa grande feminina na mão; o menino dos fones enormes; as duas irmãs que iam pra escola juntas; um casal jovem cujo rapaz era simpático e cumprimentava a todos; o menino loiro de mochila que estava sempre sério e franzia o olho quando o ônibus apontava na esquina (acho que era míope); e alguns outros tantos que apareciam às vezes.

Eu fazia questão de ser simpático, acenava com a cabeça para todos, sorria e desejava bom dia, todos me devolviam da mesma forma. Era sempre igual. Raramente essas pessoas não estavam ali, e quando alguém não comparecia gerava estranhamento e preocupação. É até engraçado, mas rola uma empatia nos pontos de ônibus das quebradas nesses horários de pico.

Em alguns dias essa normalidade era rompida, geralmente quando o ônibus quebrava antes de chegar ao nosso ponto. No entanto, teve um dia que algo muito curioso aconteceu.

Tudo estava como sempre: pessoas, cumprimentos e horário. E eis que o ônibus surge na esquina. Nessa hora, o comportamento muda. O corpo sai do modo espera para o modo de ação. Mas desta vez, foi diferente.

O coletivo vem se aproximando rapidamente e não desacelera, passa direto e nos deixa ali. Ficamos todos perplexos olhando uns para os outros e o ônibus sumiu na avenida. Nada poderíamos fazer a não ser entender o que tinha acontecido. O rapaz do fone foi o primeiro a se pronunciar, tirando os fones pergunta:

“Alguém deu sinal?”

Mais uma vez nos olhamos, todos aqueles rostos conhecidos e amigáveis, entre sorrisos sem graça e desapontamentos, um por um fomos balançando a cabeça negativamente e falando “eu não”. E foi isso. Ninguém deu o sinal e o motorista seguiu sua rotina.

No ponto rimos e aceitamos o atraso iminente para nossos compromissos, tínhamos que esperar mais dez minutos para que a próxima condução chegasse até nós. A lição serviu. Depois desse dia era comum ver vários braços apressando-se esticados para que não houvesse mais quebra no nosso cotidiano. Vivendo e aprendendo.

André Santos

Jornalista, entusiasta do carnaval, do futebol de várzea, de bares e cultivador assíduo da sua baianidade nagô! Correspondente do Jardim Fontalis desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.