APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Distância de teatros é problema para moradores da periferia da zona sul

Quanto mais longe o bairro é da região central, mais difícil é o acesso à cultura. Campo Limpo é uma das piores regiões da zona sul em quantidade de teatros

Image

Por: Redação

Publicado em 21.02.2017 | 14:07 | Alterado em 21.02.2017 | 14:07

Tempo de leitura: 3 min(s)

O acesso à cultura ainda é um privilégio de poucos em São Paulo. Enquanto o centro da cidade concentra as mais variadas opções de lazer, a população da periferia tem que enfrentar horas de trânsito, seja em seu próprio automóvel ou no transporte público, para usufruir do direito à cultura.

Um dado detectado pela última pesquisa Irbem aponta que a “Área Sul 2”, que engloba prefeituras regionais como Campo Limpo, M’ Boi Mirim, Capela do Socorro, Parelheiros e Cidade Ademar, tem nota 2,9 em relação à proximidade com teatros. Enquanto isso, a “Área Sul 1”, onde estão Vila Mariana, Jabaquara, Santo Amaro e Ipiranga, é de 4,8.

Uma realidade que afeta diretamente muitos moradores do Campo Limpo, como a dona de casa Lúcia Aparecida, 55. “Nunca tive a chance de ir a um teatro. Falta oportunidade e opção para nós que moramos aqui e ainda quando somos mais velhos, fica mais difícil”, completa Lúcia.

A região é apontada como uma das piores na quantidade de espaços teatrais em toda a zona sul, com apenas uma sala de teatro. Já na Vila Mariana, há 13 disponíveis; em Santo Amaro, 8; no Jabaquara, 2; Ipiranga, 4; Capela do Socorro 2; Parelheiros, 0; M’ Boi Mirim, 0; e Cidade Ademar, 0.

Esses números, provenientes do Observatório Cidadão, são referentes a salas de teatros municipais, estaduais, federais e particulares.

Mesmo sem espaços físicos tradicionais, as manifestações artísticas acontecem nas periferias. Um exemplos disso é o grupo teatral Bando Trapos, do Campo limpo, que realiza espetáculos na rua.

“Acreditamos que nossa relação diária com a Praça do Campo Limpo está diretamente ligada à nossa produção. Inclusive, em um de nossos espetáculos, os personagens foram inspirados em pessoas que a frequentavam. Entendemos a ocupação do espaço público (ruas e praças) com o teatro como uma forma de interação e troca com estas pessoas que fazem parte do cotidiano”, afirma o elenco.

O coletivo Bando Trapos faz parte do Espaço Cultural CITA, responsável por incentivar a cultura com oficinas de teatro e festivais na região, mesmo sem a ajuda da Prefeitura de São Paulo.

Ele está localizado em frente à Praça João Tadeu Priolli, mais conhecida pela comunidade local como Praça do Campo Limpo. Com pista de skate, playground, quadras de esportes, wi-fi gratuito, é um ponto de encontro da comunidade local e também um importante espaço de intervenções e ações artísticas.

A localização, próximo à divisa do município, também faz com que haja frequentadores de cidades vizinhas, como Taboão da Serra e Embu das Artes, além de distritos, como Capão Redondo e Vila Andrade.

“No momento, o que mais sentimos falta é do apoio do poder publico, principalmente em manter os acordos e a continuidade das políticas públicas culturais, conquistadas até este momento”, finalizam os integrantes do Bando Trapos.

Image

Coletivo Bando Trapos durante apresentação (Arquivo pessoal)

Ele está localizado em frente à Praça João Tadeu Priolli, mais conhecida pela comunidade local como Praça do Campo Limpo. Com pista de skate, playground, quadras de esportes, wi-fi gratuito, é um ponto de encontro da comunidade local e também um importante espaço de intervenções e ações artísticas.

A localização, próximo à divisa do município, também faz com que haja frequentadores de cidades vizinhas, como Taboão da Serra e Embu das Artes, além de distritos, como Capão Redondo e Vila Andrade.

“No momento, o que mais sentimos falta é do apoio do poder publico, principalmente em manter os acordos e a continuidade das políticas públicas culturais, conquistadas até este momento”, finalizam os integrantes do Bando Trapos.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.