APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Acontece Mural

Editor da Agência Mural falou sobre colaboração em rede em Salvador

Image

Por Cíntia Gomes | 20.08.2018

Publicado em 20.08.2018 | 19:48 | Alterado em 22.11.2021 | 16:42

No sábado (18), o codiretor executivo e editor de audiovisual e redes sociais da Agência Mural, Anderson Meneses, participou da mesa “Redes Colaborativas e Representatividade”. Junto com Antônio Pita (Diáspora Black) e com mediação de Ítala Herta (Vale do Dendê), falou sobre empreender a partir de redes colaborativas. A conversa fez parte do encontro Painel Atitude Digital, na cidade de Salvador (BA).

Meneses iniciou contando que nasceu na periferia da cidade de São Paulo, o porquê a Agência Mural ter sido criada e como funciona a relação de correspondentes.

“Somos mais de 80 comunicadores que moram nas periferias e contam as histórias com olhar de quem vive lá. São muralistas, correspondentes que olham para o bairro com a visão sem estereótipos. Estamos espalhados nas periferias da cidade e trabalhamos em rede”, afirma.

Durante o bate-papo, Ítala, co-fundadora e diretora de operações da start-up Vale do Dendê, questionou sobre o poder das redes.

Meneses respondeu citando as conexões feitas pela Agência. “Em São Paulo, há várias periferias, pois cada bairro tem sua particularidade, tem problemas, mas também tem muitas histórias que a gente gosta de contar”. Por fim, explicou que o correspondente é um especialista do lugar onde vive e que trabalhar em rede está no DNA da Mural.

“As periferias fazem parte da cidade, mas a mídia trata como um outro lugar. Sendo que a maior parte das pessoas estão nas periferias e vão para o centro para trabalhar ou para algum lazer. Então, a rede faz com que a gente tenha uma visão da cidade como um todo”.

Já Pita, um dos criadores da Diáspora Black, falou que, quando começaram a desenhar a Diáspora, entenderam que integrariam pessoas dispostas a se encontrar e dar visibilidade a uma cultura em cada cidade.

“A gente viu que tinha um potencial econômico para manter e fomentar essa cadeia. Nossa principal estratégia para chegar a outras cidades e ampliar a nossa base, é justamente a ativação de redes, influenciadores locais, mobilizadores da comunidade”, explica.

Anderson reforçou: “Quando a gente fala das periferias, falamos da pluralidade de que os lugares são diversos, as pessoas são diversas e as trocas são importantes. Falar aqui da minha experiência junto com o Antônio [Pita] também é para trocar e um fortalecer o outro”.

A participação da Agência Mural foi transmitida ao vivo e pode ser conferida na íntegra aqui.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.