APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Em Ermelino Matarazzo, população cobra reabertura de hospital fechado há 5 anos

Hospital e Maternidade Menino Jesus está com as portas fechadas e sinais de degradação; moradores se preocupam com a falta de leitos na zona leste

Image

Por: Redação

Publicado em 15.05.2020 | 18:08 | Alterado em 15.05.2020 | 18:08

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Moradores de Ermelino Matarazzo fixaram cartazes em frente ao antigo hospital Menino Jesus (Reprodução)

Em Ermelino Matarazzo, na zona leste de São Paulo, moradores pedem a reabertura do Hospital e Maternidade Menino Jesus. O imóvel era um hospital privado e foi comprado pela Prefeitura, em outubro de 2014, sob a gestão de Fernando Haddad (PT).

A promessa era transformá-lo em um Hospital Dia, da Rede Hora Certa, com entrega prevista para o ano seguinte. Porém, a unidade de saúde não foi ativada até hoje. No local há sinais visíveis de degradação, como janelas quebradas, mofo e muros pichados.

A reabertura é uma demanda antiga da população da região, mas foi retomada com caráter de urgência devido à crise do novo coronavírus no município. “A zona leste continua esquecida durante a pandemia”, comenta a engenheira ambiental Rafaela Guabiraba, 34, moradora do bairro.

Rafaela atua na Frente Democrática de Ermelino Matarazzo. Ela, junto a outros movimentos e coletivos do bairro, protocolaram, em 30 de abril, um ofício pedindo à Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e ao Ministério Público a reabertura imediata da unidade.

LEIA TAMBÉM:
Paulistanos avaliam positivamente o papel do SUS durante a pandemia, diz pesquisa

Com os hospitais municipais da zona leste chegando ao limite máximo de ocupação dos leitos em UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), o Menino Jesus ajudaria a desafogar o atendimento de pacientes do SUS no Hospital Municipal Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto — o único do distrito.

“Se antes o Hospital já não tinha condições de atender à demanda e às especialidades requeridas, com a propagação da pandemia os leitos hospitalares chegaram à sua capacidade máxima já no início da crise”, aponta o documento.

Image

Antigo Hospital e Maternidade Menino Jesus apresenta sinais de degradação (Thalita Archangelo/Agência Mural)

O professor de história Douglas Samoel Fonseca, 38, também foi um dos moradores que assinaram o ofício. Ele diz que, até o momento, não houve retorno da Prefeitura ou da SMS. “Tivemos uma boa mobilização de pessoas pedindo, ao menos, um diálogo acerca do equipamento público fechado”, comenta.

Na segunda-feira (11) foi prometida uma reunião entre os moradores de Ermelino Matarazzo e o secretário municipal de saúde, Edson Aparecido. Mas, segundo Fonseca, o bate-papo — que seria realizado virtualmente — também não ocorreu.

OBRA EM LICITAÇÃO

De acordo com a Prefeitura de São Paulo e a Secretaria Municipal de Saúde, o Hospital e Maternidade Menino Jesus foi incluído, em 2019, no Projeto Avança Saúde e será transformado em um equipamento chamado CCI (Cuidados Continuados Integrados).

Com esse serviço, a estratégia da Secretaria é liberar a oferta de leitos de baixa e média complexidade dos hospitais municipais. Ainda segundo a pasta, o projeto executivo foi concluído na última semana e será iniciado um processo de licitação para a contratação das obras ainda neste mês.

A Prefeitura não mencionou uma data de entrega. Mas, conforme calcula Rafaela, a reforma pode levar aproximadamente dois meses.

Image

Rafaela é moradora e atua com ações sociais em Ermelino Matarazzo (Arquivo pessoal)

Enquanto isso, a engenheira defende a criação de um hospital de campanha na zona leste e a adaptação de hotéis e espaços públicos, como unidades dos CEUs e do Sesc, para receber leitos hospitalares ou acolher infectados pela covid-19 que não têm condições de se isolarem em casa.

“Todos esses equipamentos estão fechados no momento e, por terem bons recursos de acessibilidade, poderiam contribuir com a questão da saúde na região”, diz. “É uma corrida contra o tempo. Quanto mais ações propositivas nós tivermos, mais vidas vamos estar salvando”, finaliza.

ASSISTA TAMBÉM:

Com colaboração de Lucas Veloso.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.