APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
No Corre

Em Pernambués, negócio culinário proporciona cozinha afetiva para despertar memórias e sabores

No Quintal de Mainha, a cozinheira Virginia Carla Rodrigues trabalha com um cardápio saboroso carregado de lembranças festivas

Image

Por: Rosana Silva

Notícia

Publicado em 22.01.2021 | 8:39 | Alterado em 22.11.2021 | 15:54

Image

A cozinheira Virginia Carla Rodrigues, criadora do Quintal de Mainha, em Pernambués @Moisés A. Neuma/Agência Mural

Quando criança, a cozinheira Virginia Carla Rodrigues, 35, acompanhava o fazer culinário das mulheres da família.  “Minha mãe saía para trabalhar e eu ficava com minha tia, que fazia comida todo o dia. Ficava na cozinha cortando tempero, vendo o passo a passo”, conta.

O gosto pela culinária fez com que ela ingressasse em um curso universitário. Mas, nas aulas, Virginia sentiu a ausência da comida popular. “A faculdade de gastronomia é muito ligada ao gourmet. E eu sempre fui ligada na comida de casa, como a feijoada, a maniçoba, o caruru. Isso fez com que me apaixonasse pela gastronomia de comida afetiva”.

O Quintal de Mainha, seu empreendimento culinário, surge desse interesse em oferecer comidas que estão presentes no âmbito familiar. “A comida afetiva é aquela que lembra comida da avó, da mãe, que faz lembrar a família. E muito do que eu sei hoje é parte da convivência com elas”, explica. 

No bairro de Pernambués, desde 2017, o Quintal de Mainha funciona na residência de Virginia e sua mãe, Vera Lúcia Santos, 66. “Ela é meu braço na realização do trabalho. Por enquanto, é um negócio feito em casa, com o sonho de se tornar um restaurante”, diz a cozinheira. 

Os pedidos são realizados por telefone, com antecedência, de segunda a sábado, das 8h às 17h, e são retirados no endereço residencial ou por delivery, nas manhãs de sextas-feiras e sábados, sempre com reservas antecipadas. O cliente também pode retirar o pedido durante a semana, desde que combinado previamente.

< >

Xinxim de bofe @Moisés A. Neuma/Agência Mural

Caruru do Quintal @Reprodução Instragram @quintaldemainha

Moqueca de pescada amarela @Reprodução Instragram @quintaldemainha

Frigideira de repolho, camarão defumado e coco @Reprodução Instragram @quintaldemainha

Mocotó pirão @Reprodução Instragram @quintaldemainha

O empreendimento realizava café regional e almoços em dias específicos, contudo, esses serviços foram suspensos por conta da pandemia de Covid-19. “No início da pandemia, houve um crescimento [nos pedidos]. Agora, diminuiu um pouco, mas, ganhei novos clientes”. 

Além de Pernambués, os pedidos vêm de fregueses de bairros como Pituba, Pituaçu, Jardim Baiano, Brotas, entre outros. E há também as opções doces, como o bolinho de estudante, doce de tamarindo, cocada, pudim de tapioca, os bolos, especialmente, no período junino.

O cardápio do Quintal reúne a comida afro-brasileira, que, segundo Virgínia, “é a comida com dendê”. A comida regional abrange a Bahia, mas a cozinheira gosta de enfatizar as diferenças. 

“A feijoada da gente é diferente da carioca. Eles têm feijão preto, bastante defumado. Nós usamos o feijão mulatinho, com fato, com bofe, com osso de mocotó”, explica. E acrescenta que o modo de fazer o mocotó é diferente de Belém, no Pará. “Eles colocam verdura. Nós colocamos carne e pirão”. 

Graduada em gastronomia, Virginia ressalta ainda que alguns conhecimentos não foram adquiridos na faculdade e que suas receitas carregam muito do aprendizado das mulheres da sua família. “Se fizer o mugunzá, sei que tenho que colocar um pouco de sal, para dar uma diferença no doce. Na faculdade, isso não existe. O sal é para comida salgada, mas, na minha comida popular, isso existe. Isso é o que mais me encanta. Esse saber que vem delas”, conclui. 

SABOR DE FESTAS
Para compor o cardápio, inicialmente, a cozinheira escolheu pratos que faziam parte da sua memória afetiva. “O caruru tradicional, que todo ano tem, a maniçoba, o mocotó, que sempre está presente nos aniversários”. 

Ao longo do tempo, buscou opinião dos familiares e foi avaliando a demanda da clientela para compor o seu menu. “Pesquisei com minha mãe, minha tia, primas e fui colocando no cardápio. Foi muito no acerto. Eu tinha uma relação de pratos e fui observando aqueles que tinham mais procura”, explica Virginia. 

A procura por xinxim, por exemplo, surpreendeu a cozinheira. O prato é o mais pedido pela esteticista Aline Andrade, 40. “Quando o Quintal começou a divulgar os pratos [nas redes sociais], eram os pratos da minha infância; eu não resisti”, conta.  

A cliente, moradora de Pituaçu, conta ter recordações especiais com a iguaria. “Minha mãe fazia xinxim de bofe no meu aniversário. Além de ser uma comida barata, para nossas condições, naquela época, o tempero dela era maravilhoso. Por isso, gosto do xinxim até hoje”. 

LEIA TAMBÉM:
Empresas investem em negócios inspirados nas religiões afro-brasileiras nas periferias de Salvador

Artesã indigenista e ativista cria projeto para promover o empreendedorismo feminino em Itapuã

Em datas festivas, como a Semana Santa, o São João, o dia de Cosme e Damião, a procura pelos pratos aumenta. No mês de setembro, Ana Azevedo, 46, psicoterapeuta integrativa, sempre encomenda o caruru. 

“O caruru de Cosme tem um cheiro diferente, porque é uma mistura de ingredientes e dá muito trabalho para fazer, por isso é tão bom recebê-lo pronto”, diz.

A cliente conta que as sensações despertam a recordação da família reunida para cortar os quiabos.  “Quando Virginia faz o caruru de sete meninos, ela traz aquele cheiro; é como se estivesse vivendo aquele ritual de novo”. 

Para Ana, toda família baiana carrega lembranças de datas festivas. “Todos os sentidos fazem com que a gente se transporte. A comida é uma forma de comemoração. Geralmente, comemos coisas gostosas em momentos felizes de comunhão”, afirma.

SERVIÇO:
Rede social: Instagram @quintaldemainha
Telefone: (71) 98216-6672

Rosana Silva

Jornalista, correspondente de Pernambués/Cabula em Salvador, BA, desde 2020. Tem trabalhado em produções voltadas para arte, cultura e comunicação. Adora um cafezinho com cuscuz, um bom solo de violão e a luminosidade da cidade do São Salvador da Bahia.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.