• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Com coronavírus, o que é possível fazer quando se anda todos os dias no transporte público?

Em trens e ônibus, orientação sobre coronavírus é a mesma da Secretaria de Saúde; SPtrans publica folheto com orientações

Uma das preocupações sobre a propagação do coronavírus para quem vive nas periferias é o que fazer com a necessidade de andar diariamente no transporte público? 

Todos os dias, 3,2 milhões circulam na Grande São Paulo pelos trens da CPTM (Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos) e 5,2 milhões no Metrô. Outras 9 milhões de viagens são realizadas pelos ônibus da SPtrans, fora os usuários da EMTU. Em horários de pico, é inviável estar longe de uma aglomeração. 

A Agência Mural procurou a CPTM, o Metrô e a EMTU para verificar se há orientações que ajudem no caso de quem passa pelos espaços das companhias. 

O contato foi repassado para a assessoria da Secretaria de Transportes Metropolitanos. A única informação foi de que era necessário seguir as orientações informadas pela Secretaria de Saúde. 

Em geral, a higienização é o principal ponto. É importante lavar as mãos assim que chegar em algum lugar após passar utilizar o transporte público. 

Secretaria de Transportes Metropolitanos afirmou que orientação é a mesma da Secretaria de SaúdeLéu Britto/Agência Mural

No caso da SPtrans, que gerencia os serviços de ônibus da Prefeitura de São Paulo, a empresa divulgou um informativo nos coletivos. A mensagem tem como principal orientação para não cobrir uma tosse ou espirro com a mão, mas com a parte interna do braço. 

Também pede para evitar tocar olhos, boca e nariz com as mãos; não compartilhar objetos e lavar as mãos com sabão ou álcool gel. 

Informativo da SPTrans foi publicado no Jornal do ÔnibusDivulgação

SINTOMAS

Os sinais e sintomas do coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. No entanto, o coronavírus (SARS-CoV-2) ainda passa por estudos e investigações para caracterizar melhor os sinais e sintomas da doença. 

Até agora, os principais sintomas pela comunidade médica são parecidos a uma gripe, como febre, tosse e dificuldade para respirar.

VEJA TAMBÉM:

De quarentena, jovem de Cidade Tiradentes relata cuidados e vê perguntas invasivas sobre coronavírus

As pessoas que tiveram contato próximo [cerca de 1m] com alguém com sintomas respiratórios está em risco de ser exposta à infecção. 

Geralmente, a transmissão do coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotas de saliva, espirro, tosse, catarro, proximidade com toque ou aperto de mão, além de contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

5,2 milhões circulam pelo Metrô diariamenteLéu Britto/Agência Mural

COMO SE PROTEGER 

O Ministério da Saúde pensou em cuidados básicos para diminuir o risco geral de transmitir infecções respiratórias, incluindo o coronavírus. 

Uma delas é lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os cinco momentos de higienização. Caso não tenha água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.

Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas, cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo, evitar contato próximo com pessoas doentes, Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência e em caso de doença ficar em casa são outras indicações.

Aos profissionais de saúde, estão precauções que incluem máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção. 

Paulo Talarico

Editor-chefe de jornalismo, cofundador e correspondente de Osasco desde 2011. Formado em jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu, tem pós-graduação em jornalismo esportivo e curso técnico de locução para rádio e TV. Atualmente, estuda História na Universidade de São Paulo. Gosta de café, Osasco, livros, futebol e cinema.

Osasco

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Guaianases, São Paulo

Comentários