APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Inspirada no afrofuturismo, editora na Brasilândia aposta em autores negros

Mantida na casa de Israel Neto, na zona norte, a Kitembo incentiva a produção de autores da região sobre a cultura negra

Image

Por: Ítalo Yuri Leal Mendes

Notícia

Publicado em 14.01.2020 | 15:43 | Alterado em 14.01.2020 | 17:02

RESUMO

Mantida na casa de Israel Neto, na zona norte, a Kitembo incentiva a produção de autores da região sobre a cultura negra

Tempo de leitura: 2 minutos

Moradores da Brasilândia, na zona norte de São Paulo, Israel Neto, 32, Anderson Lima, 37 e Aisameque Nguengue, 27, são o motor da Kitembo – Edições Literárias do Futuro. 

Criada em 2019, a editora possui no catálogo as obras “Os planos secretos do regime” e “Amor banto em terras brasileiras”. O trio decidiu se basear na cultura afro para estimular a literatura na região. 

O nome Kitembo é uma alusão ao deus do tempo da cultura de Angola. E as obras são baseadas no conceito de “afrofuturismo”, movimento que nasceu nos anos 1960. 

Presente na música, literatura, cinema e nas artes visuais, o movimento estabelece uma conexão entre história, mitologia, cosmologias africanas e as outras ciências para pensar a sociedade. Por fim, questiona sobre o futuro: como seria o mundo se as ciências africanas fossem o centro? 

Image

Amor Banto em terras brasileiras foi um dos livros impressos pela editora @Ítalo Yuri/Agência Mural

O termo foi utilizado em 1994 nos Estados Unidos pelo crítico Mark Dery em um ensaio chamado: Black To The Future.

“O foco da Kitembo é produzir literatura fantástica para todos os públicos e fomentar principalmente escritores e escritoras negras”, diz Israel, fundador da editora e autor dos dois livros publicados pelo trio.

“Os planos secretos do Regime” trata de uma trama que se passa no Brasil durante o final da década de 1960. Já “Amor banto em terras brasileiras” é um romance que se passa no período da escravidão, também no Brasil.

“O que chama atenção pelo que eu notei foi mais a representação que a gente faz. O pessoal vê que não é aquele clichê”, ressalta o ilustrador Aisameque responsável pela arte e pelas ilustrações de “Amor Banto”. 

Ele cita, por exemplo, histórias que repetem a ideia de um romance entre uma mulher negra e um homem branco. “Quando vão ver é um romance de um casal negro. Coisa que pra mim precisa ser mais representada no Brasil”, ressalta. “Falam que no Brasil não tem preconceito. Mas você não vê a representação de casais negros na TV”. 

MODO DE TRABALHO

Além de produzir e publicar as obras, a Kitembo organiza encontros e palestras sobre o processo criativo. Realizam também ações de divulgação e rodas de conversa em centros culturais e casas de culturas, além de escolas da rede pública e colégios particulares.

Por fim, participam de uma rede de coletivos, formada por várias editoras independentes, como a Coesão independente e o coletivo de escritores Litera ABC. 

Image

Moradores da Brasilândia, Israel, Aisameque e Anderson têm apostado no afrofuturismo @Ítalo Yuri/Agência Mural

“O que a gente vende não é livro, a gente vende histórias”, diz Anderson Lima, responsável pelas vendas da editora.

O trabalho é todo feito na casa de Israel, que trabalha com pedidos feitos pela internet. Uma das preocupações é o preço das obras. O trio quer trabalhar com o preço máximo de R$ 20. Para isso, imprimem em gráficas selecionadas pela rede de editoras independentes. “R$ 80 num livro está fora da realidade. É uma semana e meia de mistura”, diz Israel.

Hoje, a editora funciona com dinheiro gerado por meio da venda de livros e a parceria de apoiadores – eles investem uma quantia e recebem participação no lucro das vendas. Eles recebem pedidos pelas redes sociais

Em agosto de 2019, o grupo lançou uma chamada para a antologia de contos afrofuturistas “O Futuro é Nosso”, para autores e autoras de contos afrofuturistas. Os contos selecionados serão publicados em uma antologia, após avaliação dos editores. Ainda não há previsão de lançamento.

Ítalo Yuri Leal Mendes

Cinegrafista, editor, produtor audiovisual e cultural. Correspondente da Brasilândia desde 2019. Radicado na periferia de São Paulo, sempre entusiasta da comunicação, da arte e da cultura e dos desdobramentos dessas áreas no desenvolvimento humano.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.