APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Estudo indica que vacinação contra Covid-19 deve priorizar também as periferias

Segundo pesquisa do Instituto Pólis, campanha de vacinação focada nas desigualdades de classe e raça seria mais efetiva para combater o coronavírus

Image

Por: Redação

Publicado em 24.03.2021 | 21:40 | Alterado em 24.03.2021 | 21:40

Tempo de leitura: 3 min(s)

A Covid-19 acometeu mais pessoas negras de bairros periféricos do que brancas da região central ou de endereços nobres. Segundo profissionais ouvidos pela reportagem do 32xSP, priorizar a vacinação nas zonas de maior contágio criaria “bolhas” de imunidade mais efetivas no controle do vírus. 

Essa é a conclusão a partir do estudo “Abordagem territorial e desigualdades raciais na vacinação contra Covid-19”, feito pelo Instituto Pólis. 

Entre os meses de março e dezembro de 2020, no município de São Paulo, os homens negros tiveram maior taxa de morte (52%) em relação aos homens brancos. O mesmo acontece com as mulheres negras (56%) em relação às mulheres brancas.

Image

Focar a vacinação nas periferias seria estratégia mais eficaz (Magno Borges/32xSP)

No caso específico de pessoas idosas com mais de 75 anos, no distrito de Santa Cecília, no centro, há 4,33% dessa população, e a porcentagem de óbitos foi de 2,81%. 

Já no bairro de Sapopemba, zona leste da capital, moram 0,97% de pessoas com essa faixa etária e os óbitos chegaram a 1,46% durante o ano de 2020. Os números são do SIVEPGripe/SMS-SP e IBGE – Censo 2010.

LEIA MAIS
Sapopemba, na zona leste, lidera número de mortes por covid-19 em SP
Em 2 meses, 12 mil moradores foram internados com covid-19 em São Paulo

De acordo com Deivison Faustino, professor do programa de pós-graduação em Serviço Social da Unifesp e pesquisador do Instituto Amma Psique e Negritude, o vírus pode ser considerado democrático, como se afirmava no início da pandemia, no entanto, as condições de infecção e de morte não são.

As pessoas negras são as que mais estão presentes nos trabalhos precários ou atividades que tiveram mais dificuldade em parar: enfermeiras, auxiliares de enfermagem, empregadas domésticas”, diz.  

“As questões sociais, as desigualdades raciais no Brasil fazem com que elas fiquem mais expostas ao vírus”, explica o pesquisador.

CONFIRA
Qual é cor da pele dos subprefeitos e subprefeitas de São Paulo

O estudo aponta que é importante identificar os lugares onde o vírus mais circula e consequentemente faz mais vítimas. Portanto, a vacinação precisa ter uma estratégia de proteção populacional em escala demográfica. 

Um vírus tão contagioso só pode ser barrado se a imunização priorizar grupos etários e portadores de comorbidades levando em consideração os critérios territoriais.

“Concentrando os imunizantes em determinadas zonas, poderia criar ‘bolhas’ de imunidade que se comportariam como barreiras físicas à circulação do vírus, com potencial de reduzir a taxa de contágio nas cidades como um todo”, indica o Instituto Pólis.

DISTRITOS MAIS AFETADOS

A pesquisa afirma que os distritos com maior número de hospitalização e sobremortalidade da população idosa, sobretudo negra, é onde deve ocorrer a prioridade de imunizantes. 

Alguns deles são: Brasilândia, com 450 óbitos confirmados por Covid-19 desde o início da pandemia, Sapopemba (516), Freguesia do Ó (321), Grajaú (416), Iguatemi (208), Jardim Ângela (337), Jardim Helena (196), Lajeado (238) e São Mateus (271).

Image

Jardim Damasceno, na Brasilândia, zona norte de São Paulo (Ira Romão/32xSP)

Para Deivison Faustino, além de identificar os lugares com sobremortalidades pelo vírus, é importante também uma pressão popular por vacinas para toda a população brasileira.

Médicos e enfermeiros que atuam em bairros periféricos têm a opinião que vai de encontro com a proposta do estudo. Como a médica Ingrid Sayuri Kinchoko, que trabalha em uma UBS no distrito de Cangaíba, zona leste de São Paulo.

“A vacinação como já é feita é uma boa forma de imunização, porém se ela também priorizasse os moradores das periferias, mais os idosos, teria uma taxa importante de proteção para a cidade e estado”, comenta Ingrid

Ainda segundo o professor Deivison, “o estudo permite criar um caminho de imunização que começa pelos mais afetados e vai em direção aos menos afetados e isso seria muito mais eficiente”.

“Fazer uma distribuição mais indistinta, homogênea, desperdiça esforços onde as pessoas já estão protegidas por fatores sociais, econômicos, e deixa de priorizar os lugares onde as pessoas estão mais vulneráveis e com maior chance de se infectar e fazer o vírus circular”, finaliza.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.