APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Feira literária reúne indígenas e escritores na zona noroeste de São Paulo

Entre os dias 2 e 5 de dezembro, coletivos da região noroeste de SP realizam a 1ª Flino - Festa Literária Noroeste, de forma virtual e gratuita

Image

Por: Redação

Notícia

Publicado em 01.12.2020 | 21:21 | Alterado em 02.12.2020 | 23:42

Tempo de leitura: 2 min(s)

Nesta sexta-feira  (4), uma roda de conversa chamada ‘Quilombos, Tekoas e Periferias’ vai discutir sobre como a literatura é uma ferramenta de denúncia e resistência para populações negras e indígenas.  

Nesta ‘mesa online’, o debate será entre a educadora e poeta Guiniver Santos, Antony Karai Poty, da aldeia Tekoa Pyau, no Jaraguá, e da dramaturga Maria Shu, do Jaraguá, com mediação de Almir Moreira, do Sarau d’Quilo, da Comunidade Cultural Quilombaque. 

Essa é uma das 40 atrações de artistas e agentes culturais dos bairros de Perus, Morro Doce, Parada de Taipas, Jaraguá e Pirituba, que compõem a 1ª Flino (Festa Literária Noroeste). Devido à pandemia de Covid-19, a festa será completamente online por meio do canal do Youtube da Flino e pela página no Facebook entre os dias 2 e 5 de dezembro. 

Inspirados em festas literárias realizadas em outros bairros periféricos, como a Fligraja (Festa Literária do Grajaú), Flipenha (Festa Literária da Penha) e a Felizs (Festa Literária da Zona Sul), os trabalhadores das bibliotecas da Secretaria Municipal de Cultura e dos CEUs se reuniram e iniciaram a articulação junto aos demais coletivos.

Image

Evento terá sarau virtual em homenagem a José Soró @Divulgação

“Acreditamos no território noroeste e vemos com clareza a potência e a riqueza cultural da nossa região. Queremos fortalecer os equipamentos culturais da localidade e dar visibilidade aos artistas e coletivos, além de estreitar a relação dos equipamentos públicos com os agentes culturais”, diz Beth Pedrosa, coordenadora da Biblioteca Padre José de Anchieta, em Perus, zona noroeste. 

Com uma programação multicultural, a festa terá transmissões ao vivo de saraus, contação de histórias, intervenções poéticas individuais, espetáculos de teatro, música e performances, além de mesas de debate sobre literatura, território e temas ligados às questões étnico-raciais, juventudes e memória. Haverá ainda uma feira virtual de livros e artesanato.

Na quarta-feira (2), às 20h, será a abertura do evento, com a roda de conversa “Ferve Território”, que, além de marcar o início da festa, homenageia o educador e articulador cultural José Soró

Soró morreu em 2019, aos 55 anos. Era comunicador popular desde os anos 1980, importante articulador da região e um dos gestores da Comunidade Cultural Quilombaque, em Perus. 

Foi mentor e mestre de muitos coletivos locais e acreditava na força da juventude, além de difundir a “sevirologia” (a arte de se virar) como prática e dizia que era preciso “ferver o território”, criando a hashtag #FerveTerritório nas produções. 

Image

Região Noroeste realiza primeira feira literária @Jéssica Moreira/Divulgação

Com mediação de Beth Pedrosa, da Biblioteca Padre José de Anchieta, a mesa contará também com a participação de Cleiton Ferreira (Comunidade Cultural Quilombaque), Valéria Pássaro (Casas Taiguara) e o educador Sérgio Francisco. 

A última roda de conversa da festa será sábado (5), às 20h, com o tema ‘Juventudes, Palavras e o Amanhã’ sobre a potência da produção literária jovem da região e suas identidades. 

Wagner Souza (Sarau da Brasa), Wesley MP (Coletivo Afronte), o MC Tupi-Guarani Tupã Jekupéa, a musicista e poeta Ariany Marciano, do Morro Doce, com mediação de Sandro Coelho, da Biblioteca Brito Broca, participam da conversa. 

O encerramento da Flino será com o Sarau da Noroeste, composto pelo Sarau d’Quilo, Sarau da Brasa, Sarau Elo da Corrente, Sarau Segunda Negra e convidados. A programação completa está na página da Flino.

*Correção: Texto alterado em 2 de dezembro. Ao contrário do publicado inicialmente, o evento não contará com quilombolas. 

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.