APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Felizs 2019: o que rolou na quinta edição da feira literária da zona sul

Evento se consolida como um importante espaço da cena cultural de São Paulo e celebra união entre escritores das periferias

Image

Por: Gisele Alexandre

Notícia

Publicado em 04.10.2019 | 9:10 | Alterado em 04.10.2019 | 9:10

RESUMO

Evento se consolida como um importante espaço da cena cultural de São Paulo e celebra união entre escritores das periferias

Tempo de leitura: 2 min(s)

Famosos por promoverem o acesso à arte e a literatura na periferia, os saraus da zona sul de São Paulo são considerados referência quando o assunto é impulsionar sonhos.

É o que conta José Marques Sarmento, 62, educador e escritor do Campo Limpo, autor da trilogia “Paraisópolis – Caminhos de Vida e Morte”, “Bixiga – Um Cortiço dos Infernos” e “Ângela: um jardim no vermelho”. 

“A Felizs (Feira Literária da Zona Sul) me deu coragem para editar meus livros”, conta Zé Sarmento, como é conhecido por todos.

Sarmento participou da quinta edição da Felizs, evento anualmente organizado pelo Sarau do Binho, e que tem se consolidado como um dos principais eventos culturais da capital. 

A Agência Mural acompanhou o evento no final de setembro, que teve atividades como contação de histórias, encontros com autores periféricos, exposições, intervenções poéticas, apresentações de dança e teatro.

Neste ano, foram homenageados duas personalidades conhecidas nos saraus: o escritor e dramaturgo Marco Pezão, autor do livro “Nóis é Ponte e Atravessa Qualquer Rio” e curador do sarau A Plenos Pulmões; e a escritora e atriz Tula Pilar, que morreu em abril deste ano, autora dos livros “Palavras Inacadêmicas” e “Sensualidade de fino trato”, que ganhou a obra póstuma “Pilar futuro presente: uma antologia para Tula”, lançada durante a Felizs. 

“O primeiro livro da Tula era artesanal e poucas pessoas tinham. Como ela tinha muita coisa publicada em outras antologias e eu falei ‘vamos fazer um livro só dela’. Foi também uma forma de arrecadar uma grana para os filhos”, conta Suzi Soares, 53, produtora e articuladora do Sarau do Binho.

Durante a mostra, o público encontrou publicações de diversos gêneros como romances inspirados em histórias reais e até terror. Todos produzidos por autores que moram nos bairros das periferias de São Paulo. 

São escritores que dividem suas vidas entre o trabalho formal para sustentar a família e a paixão pela literatura, como é o caso da publicitária e escritora Ivone Lopes de Lana, 36, moradora do Jardim das Rosas.

“Quando eu comecei a escrever meu primeiro livro eu nem sabia o que era literatura marginal e que existiam outras pessoas fazendo a mesma coisa”, conta Ivone, autora do romance “Jardim das Rosas: Diário de um Mano” e das poesias do livro “Cheiro de Mato e Capim Limão”.

Gisele Alexandre

Jornalista de quebrada, educomunicadora, coordenadora de projetos, fundadora do podcast Manda Notícias e integrante da Escola Feminista Abya Yala. Mãe do Pedro Henrique, libriana, apaixonada por gatos e pelo trabalho. Correspondente do Capão Redondo desde 2018.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.