APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
No Corre

O golpe tá aí! Entenda como o WhatsApp é clonado e proteja sua conta

Confira seis jeitos de impedir que seu WhatsApp seja clonado. Golpistas usam contas para pedir dinheiro

Image

Notícia

Publicado em 25.05.2021 | 19:08 | Alterado em 23.11.2021

Tempo de leitura: 6 minutos

“Se receber mensagem minha, não sou eu. Clonaram meu WhatsApp!”. Que atire a primeira pedra quem nunca olhou para uma postagem assim nas redes sociais e pensou que nunca faria uma igual. São tantas vítimas alertando sobre esse tipo de golpe que só cai quem quer, certo? Na verdade, não.

Os golpistas estão encontrando maneiras cada vez mais criativas para conseguir com que uma pessoa passe seus dados sem desconfiar.

Basta abordar alguém em um momento distraído no meio da correria que fica fácil conseguir o código de confirmação do WhatsApp, enviado por SMS e usado para conectar a conta em outro aparelho.

De acordo com a advogada Naila Figueiredo, a pena para quem for pego nesta prática é de reclusão por até cinco anos. “O problema é de fato descobrir quem é o golpista, já que usam nome fictício e chip cadastrado em nome de terceiros”, lamenta.

Para todo mundo ficar ligado, reunimos as seis formas mais comuns usadas por criminosos para conseguirem o código de seu WhatsApp.

1

FALSA LIGAÇÃO DO MERCADO LIVRE

Um comerciante de Pirituba, na zona norte, anunciou um carro para venda na internet, quando recebeu uma ligação. “Me ligaram do Mercado Livre falando para confirmar os dados do anúncio. E não é que eu mandei o código do WhatsApp?”, lamentou pouco após a distração.

O golpe ocorreu poucos minutos depois da postagem na plataforma de classificados, e a rapidez do contato fez parecer que era de fato alguém do próprio site.

Esse contato falso pode acontecer com anunciantes de outras plataformas de vendas, como OLX ou ZAP Imóveis. Além da ligação, os criminosos também usam o WhatsApp para abordagem, usando uma foto com a logomarca do site.

Como evitar: Sempre que receber contato de empresas no aplicativo de mensagens, confira se o perfil é comercial e verificado, com um símbolo verde ao lado do nome. Quando o perfil é de uma empresa grande, ele nunca aparece como um número desconhecido, e sempre tem um nome no topo da conversa.

2

FALSO VENDEDOR

Depois de uma compra na internet, o cliente recebe uma mensagem pedindo mais dados para que se faça a entrega. Nesse momento, tentam acesso ao seu WhatsApp, enviam o código por SMS para seu aparelho e pedem que você confirme esse número.

Como evitar: Para não ter esse tipo de problema, procure fornecer dados apenas pelos canais oficiais da plataforma de compras. Ah, e nunca, nunca mesmo, repasse o código de confirmação com seis dígitos do WhatsApp para ninguém.

3

SAC FALSO NO INSTAGRAM

A advogada Naila Figueiredo, 34, é moradora da Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo, e estava com dificuldade para cancelar a matrícula na academia que frequentava.

Resolveu reclamar numa postagem no Instagram da rede e pouco depois recebeu mensagem de uma conta com a logomarca da empresa, supostamente criada para atendimento ao cliente.

Para resolver o problema, pediram – adivinha? – o número de celular e o código de confirmação que enviaram por SMS. Naila estava alerta e não repassou a informação, mas ficou a poucos segundos de ter seu WhatsApp clonado.

4

PROMOÇÃO DO FALSO RESTAURANTE 

A empresária Rachel Lins, 31, não teve a mesma sorte. Ela foi abordada pelo perfil secundário de um restaurante que gosta para participar do sorteio de um jantar com acompanhante. Para concorrer, teria que enviar seu número de celular e, depois, o código de confirmação que receberia por SMS.

Acreditando que seria um perfil exclusivo para promoções, enviou os dados: “Nessa hora meu WhatsApp sumiu”, disse.

A abordagem com perfis falsos de restaurantes tem se tornado bastante comum e tende a aumentar com a reabertura do comércio em São Paulo. Basta fazer uma busca no Instagram por estabelecimentos famosos que encontrará várias contas com nomes parecidos.

Como evitar: Para não ser mais uma vítima desses últimos dois golpes, sempre desconfie de contas no Instagram recentes e com poucos seguidores. Se estiver com dúvida , confirme com a loja se ela tem perfis específicos para promoções ou atendimento ao cliente — geralmente, não têm. 

5

CADASTRO PRA VACINA

Um ano depois de ver tantas mortes causadas pelo coronavírus, tudo que queremos é uma vacina no braço, né? Essa ansiedade pela imunização foi pretexto para o “sucesso” de mais um golpe.

Os golpistas se passam por funcionários do governo ou do postinho de saúde do bairro e pedem para que você faça um pré-cadastro para tomar a vacina. Nome, data de nascimento, endereço e, por último… Aquele código de seis dígitos que acabou de receber por SMS.

Como evitar: O governo tem canais oficiais para se comunicar com os cidadãos. Não acredite em jeitos tão informais de chegar até você. No caso do postinho – as UBS (Unidades Básicas de Saúde) -, confirme com o agente de saúde do seu bairro se alguma ação está sendo feita por lá.

6

CLONAGEM DIFERENTE

Uma estratégia de golpistas é pegar a foto que você usa no seu perfil do aplicativo e colocar em um número novo.

Com a imagem, acionam seus contatos (obtidos em suas redes sociais ou grupos, por exemplo) e se passam por você dizendo que mudou de celular, mas que está precisando de dinheiro.

Como evitar: Esse último golpe pode ser evitado com uma simples mudança nas configurações de privacidade da sua conta no aplicativo. É só fazer a opção de disponibilizar sua foto de perfil do WhatsApp apenas para seus contatos.

DINHEIRO FÁCIL

Os golpes revelados são aplicados com o intuito de clonar um WhatsApp só por algumas horas. O tempo enquanto a vítima não recupera o acesso ao aplicativo é suficiente para que usem sua conta para enviar mensagens a seus contatos pedindo dinheiro.

Geralmente, a súplica vem apressada: “Meu aplicativo do banco está bloqueado. Tem como você pagar essa conta para mim, e mais tarde te devolvo?”.

Nesse caso, enviam um boleto que pode até parecer uma conta de verdade, só que creditado na conta do criminoso – qualquer pessoa pode fazer isso pelo seu banco digital.

Outros golpistas preferem o dinheiro transferido mesmo, com uma chave PIX, por exemplo. Basta dar uma justificativa para que o dono da conta bancária de destino não seja o dono do número de celular: “Preciso pagar um colega”, por exemplo.

O QUE FAZER SE SOFRI UM GOLPE

Se você sofreu um e teve o WhatsApp clonado, deve seguir alguns passos para recuperar sua conta e denunciar a fraude:

1

Entre no aplicativo com o número de telefone e confirme-o com o código de seis dígitos que você receberá por SMS.

2

Assim que você inserir o código de seis dígitos recebido por SMS, a pessoa que estiver usando sua conta será desconectada automaticamente.

3

Pode ser que peçam uma senha de confirmação em duas etapas. Se você não souber esse número, é possível que o golpista tenha ativado, e você precisará aguardar sete dias para poder acessar sua conta.

4

Logo depois, avise pelas outras redes sociais que você foi clonado para evitar que façam algum pagamento ao criminoso.

5

Por último, faça um boletim de ocorrência para registrar o golpe.

De acordo com a advogada Naila Figueiredo, a pena para quem for pego nesta prática é de reclusão por até cinco anos. “O problema é de fato descobrir quem é o golpista, já que usam nome fictício e chip cadastrado em nome de terceiros”, lamenta. 

Lara Deus

Jornalista, apaixonada por rap nacional, literatura periférica e toda cultura que é produzida por aqui. Correspondente de Pirituba desde 2017.

Republique

Faça com que essa história chegue para mais pessoas.

Republique o nosso conteúdo gratuitamente.

Regras:

Os títulos podem ser modificados desde que não mude o contexto;

Os textos devem ser publicados como estão na versão original, sem edição ou cortes;

Todas as republicações devem dar crédito para a Agência Mural e também os créditos dos profissionais envolvidos em sua produção, conforme aparece na publicação original;

As fotografias e outras imagens/artes podem ser republicadas com os devidos créditos;

Os vídeos republicados não devem passar por nenhum tipo de edição, devem conter os créditos da Agência Mural; para transmissão na TV, é preciso enviar um pedido para contato@agenciamural.org.br.

Reportagens publicadas no site www.agenciamural.org.br não podem ser revendidas.

Se possível, os materiais republicados devem mencionar o perfil da Mural nas redes sociais.

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.