• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Grupo de solidariedade une moradores em Goiânia; ouça o podcast

Morador da capital de Goiás fala sobre ações de incentivo à solidariedade que ganharam força em sua comunidade durante a pandemia

O “Em Quarentena” foi até Goiânia, em Goiás, no centro oeste do Brasil, para conhecer as ações de incentivo à solidariedade que moradores e trabalhadores da região estão realizando durante a pandemia do coronavírus.

Quem contou tudo para o podcast da Agência Mural foi Victor Hugo Silva, 27, que é servidor público e mora com os pais no bairro Negrão de Lima, na capital do estado de Goiás

Ele abriu  o episódio afirmando que com a pandemia as periferias de sua cidade foram afetadas com uma taxa de mortalidade maior e que economicamente as pessoas tiveram mais dificuldades do que em outros lugares. 

“Nas periferias da minha cidade as pessoas fazem mais trabalho presencial, tiveram menos possibilidade de fazer home office, então elas ficaram mais expostas a condição de ter que se expor para pandemia”. (ouça a partir de 00:01)

De acordo com a prefeitura de Goiânia, até o dia 8 de outubro, a cidade tinha 61.457 casos confirmados de coronavírus e 1.518 mortes.

Victor Hugo contou que se inspirou em grupos de condomínios e também na mobilização que os moradores da favela de Paraisópolis, em São Paulo, estavam fazendo, para assim, tentar fazer todo mundo do bairro se ajudar como podia. 

“Começamos com essas ações, trocando informações e fazendo ações de solidariedade mais básicas. Depois quando o movimento econômico apertou,  a gente desenvolveu uma ação de solidariedade com os vizinhos que eram trabalhadores informais e estavam sem fonte de renda”. (a partir de 01:29)

O servidor explicou que essa ação partiu do entendimento do que estava acontecendo com os vizinhos. “Eles estavam perto da insegurança alimentar. Então a gente fazia vaquinha entre nós, trabalhadores, com a salário que a gente tinha, pra organizar uma cesta básica pro vizinho que estava precisando mais naquele momento”. (ouça em 01:49)

Ele também disse que aqueles que eram ajudados indicavam outras famílias que também estava precisando. Quando a situação melhorava para esses vizinhos, eles passavam a integrar a rede de solidariedade ajudando os demais. 

O morador contou ainda que a ideia não era fazer caridade e exibicionismo, tudo foi feito sem publicidade, porque o foco era realmente criar esse vínculo a partir da  ideia de um vizinho ajudar o outro.

Victor Hugo também faz parte do “Invisíveis”, grupo que busca estimular a solidariedade entre os trabalhadores de Goiânia e do Rio de Janeiro. Ele comentou que durante a pandemia o projeto fez uma campanha para que fossem garantidos direitos a quarentena para todos os terceirizados da UFG que quissesem e que fosse possível. 

“Então os terceirizados da limpeza e da segurança, muitos conseguiram esse direito rapidamente por uma questão de denúncia mesmo que foi feita por parte do nosso coletivo. Os que ficaram [trabalhando] conseguiram uma boa estrutura de EPIs antes de algum incidente que causasse alguma consciência sobre o problema”. (a partir de 02:36)

Para conferir mais histórias sobre as periferias fique de olho no site da Agência Mural

Ouça este bate papo completo no Em Quarentena #37 – Segunda Temporada – Grupo de solidariedade une moradores em Goiânia.

Podcast Em Quarentena

Viver em meio ao coronavírus não deve estar sendo fácil para ninguém. Imagina então para quem vive nas periferias. 

O “Em Quarentena” é o podcast especial que a Agência Mural de Jornalismo das Periferias criou neste momento da pandemia. Queremos informar, com notícias do dia a dia, quem mais precisa se virar meio a esse caos.

Você pode receber o podcast diretamente no seu Whatsapp, enviando um “Oi” para +55 11 9 7591 5260. Ouça também no Instagram, Youtube, Spotify, Deezer, Apple e Google Podcast.

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Grande São Paulo

Comentários