APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Sobre-Viver

Hospital do Mandaqui tem superlotação e espera de 4 anos para cirurgia

Image

Por Sidney Pereira | 29.06.2018

Publicado em 29.06.2018 | 7:26 | Alterado em 29.06.2018 | 7:31

“Aprendi a conviver com a dor”. A confissão é do técnico de informática Ricardo Santos, 40, que rompeu o ligamento do joelho esquerdo e aguarda por uma cirurgia há quatro anos, no Hospital do Mandaqui, o maior da zona norte de São Paulo.

A unidade é alvo de queixas de demora no atendimento, de pacientes em macas pelos corredores, falta de médicos e de equipamentos. As denúncias cresceram nos últimos meses e fazem parte de uma moção de repúdio divulgada por usuários do Conselho Gestor contra a falta de atenção do governo estadual no local.

Ricardo espera pela cirurgia do joelho desde 2014, quando fez exame de ressonância magnética e teve o diagnóstico de rompimento do ligamento.

“O médico disse que não havia tratamento para o meu caso”, explica.  Desde então, apesar de ir sempre ao hospital, ele diz que o procedimento jamais foi agendado.

“Além do esquerdo, o outro joelho começou a doer, pois fica sobrecarregado. Tenho dificuldade pra andar, só posso ir bem devagar, se acelero ou tento correr, perco o equilíbrio. Dói demais, incha e parece que tem um osso batendo no outro. Aí tenho que tomar um analgésico forte”, detalha.

Questionada, a secretaria estadual de saúde alega que o paciente “foi acompanhado por equipes especializadas em cirurgia de joelho entre 2013 e 2016, e não consta indicação cirúrgica em prontuário, apenas tratamento ambulatorial. A última consulta foi em julho de 2016, quando foi orientado a voltar três meses depois, mas não retornou”.

Image

O técnico em informática Ricardo Santos teve ruptura no ligamento do joelho e aguarda cirurgia há quatro anos. (Sidney Pereira/Agência Mural)

Há dois anos, ele foi à AMA Municipal Parque Peruche, onde foi confirmada a necessidade de cirurgia. “Há cinco meses confirmaram meus dados, fiquei animado, mas nunca mais ligaram”, lamenta. Responsável pela AMA, a secretaria municipal da Saúde não justificou a demora no atendimento, mas agendou uma “consulta na especialidade de cirurgia ortopédica para o dia 6 de julho, no Hospital Santa Cruz”.

INFECÇÃO

Fabrício de Paula, 34, operou de apendicite em 2016 no Mandaqui, mas as consequências o afetam até hoje. “No primeiro atendimento, tudo correu bem. Os problemas começaram quando ele recebeu alta, sentiu dores em casa e voltou ao hospital. Estava com infecção abdominal”, diz o gerente Flávio de Paula, 29, irmão de Fabrício.

“O médico fez uma punção, não em uma sala esterilizada, mas sim em um consultório”. O paciente  recebeu 37 pontos e ficou internado dez dias no corredor do pronto-socorro, ao lado de mais 40 pessoas .

“Até pra conseguir uma maca foi difícil. Alguém da família ficava dia e noite com ele. Sem cadeira, a gente “dormia” em pé mesmo. Chegamos a ouvir que não dava para trocar o curativo porque faltava gaze ou esparadrapo. Então, a gente ia na farmácia e comprava”, relembra.

Fabrício passou a usar uma bolsa de colostomia até hoje. Há pouco tempo, começou a fazer exames para passar por nova cirurgia, na esperança de voltar à vida normal.

Image

O Hospital do Mandaqui é o maior da zona norte de SP (Sidney Pereira/Agência Mural)

REPÚDIO

Representantes dos usuários no Conselho Gestor organizaram um “abraço fraternal” na quarta-feira (27), quando divulgaram uma Moção de Repúdio ao “descaso com a saúde pública e o caos estabelecido no hospital pelo Governo do Estado”.

“O Mandaqui não é um péssimo hospital, os médicos são heróis, os funcionários amam o local. O abraço foi uma forma de resgatar esse amor, a solidariedade”, diz o conselheiro Antonio Cabral, 58, presidente da comissão executiva.

Ele ressalta que há casos de pacientes aguardando cirurgia por até 90 dias na enfermaria. Cabral chama de “maquiagem” o número oficial de funcionários. “Existem profissionais de férias, de licença prêmio, doentes, com acúmulo de função, todos sem reposição”, afirma.

SECRETARIA

Questionada pela Agência Mural, a secretaria estadual da Saúde respondeu que o hospital do Mandaqui faz, mensalmente, 13 mil atendimentos no pronto-socorro e mil internações “priorizando casos graves e gravíssimos. Os pacientes com casos mais simples podem ter de esperar mais pelo atendimento. Quando os leitos são liberados, os pacientes em observação são encaminhados para internação”.

Sobre a falta de profissionais, o órgão declara que o hospital tem “2 mil funcionários, sendo 500 médicos”.

Sidney Pereira é correspondente da Vila Maria
[email protected]

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.