APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Igreja é a instituição que mais colabora para a qualidade de vida em SP

Para 19% dos paulistanos, Igreja é a que mais promove o bem social na cidade, à frente da Prefeitura de São Paulo e dos meios de comunicação

Image

Por: Redação

Publicado em 14.02.2019 | 13:45 | Alterado em 14.02.2019 | 13:45

Tempo de leitura: 2 min(s)
Image

Igreja Cristã da Família, em Guaianases, zona leste de SP (Divulgação)

O corretor de imóveis Daniel de Queiroz, 24, frequenta a Igreja Cristã da Família, em Guaianases, no extremo leste da capital paulista. A rotina se repete duas ou três vezes na semana.

No templo, ele se reúne com lideranças locais e promove ações sociais na comunidade, como as campanhas do agasalho e da comida, para distribuir alimentos a pessoas em situação de rua.

“Temos um ministério de ação social. Todos os anos distribuímos cestas solidárias com alimentos para algumas famílias”, diz.

LEIA MAIS
93% dos paulistanos não acompanham atividades da Câmara Municipal

“A mais recente foi a colaboração com a Igreja da Bolívia, que veio até Guaianases para fazer um trabalho social com diversas crianças do bairro”, exemplifica.

Para o corretor de imóveis, a Igreja realiza trabalhos importantes na sociedade, como as que tem atuado, e que poderiam ser replicadas fora do espaço religioso. A opinião dele não é isolada. 

Para a maioria dos paulistanos, a Igreja é a instituição que mais colabora para o bem da sociedade, segundo o estudo “Viver em São Paulo: Qualidade de vida”, divulgado em janeiro deste ano pela Rede Nossa São Paulo e Ibope.

A Igreja foi a resposta de 19%. Em seguida, a Prefeitura de São Paulo, aparece com 17%, à frente dos meios de comunicação, com 15%.

Frequentadora de um templo no Jaguaré, zona oeste, a professora Marina Alda Monteiro, 41, acredita que a instituição religiosa conscientiza as pessoas sobre a importância do amor e assume um papel que deveria ser protagonizado pelo Estado.

“É lógico que dentro do cenário caótico de descaso do poder público com a população menos favorecida é sempre pouco o que se faz, tanto as igrejas quanto as ONGs e outras instituições”
Marina Alda Monteiro, professora e católica

“A pobreza só cresce, mas o importante nesse caso é não desistir desse trabalho de formiguinha. Mesmo sendo pouco, já acalenta algumas famílias”, reforça a católica.

A IGREJA NAS CINCO REGIÕES DE SP

Image

Igreja São Benedito, a principal entidade católica de Guaianases, na zona leste (Lucas Veloso/32xSP)

Adentrando as cinco regiões paulistanas, a maior parte das menções à Igreja aparece nas zonas norte (23%), sul (20%) e leste (19%).

Para os moradores da zona oeste, a instituição que mais promove o bem social é Ministério Público, com 21% das indicações. Já no centro da cidade, o trabalho realizado pelas ONGs é que obteve maior percentual: 20%.

De acordo com o mestre em ciências sociais, Renato Souza de Almeida, 41, a crise de representatividade do Estado pode justificar as respostas dos paulistanos.

“Em 2013, nos protestos que aconteceram no país, houve uma crise de representatividade do Estado, que a partir de então ganhou força na sociedade. E o impacto foi na forma como as pessoas passaram a ver os serviços públicos e o próprio Estado, com certa desconfiança”
Renato Souza de Almeia, mestre em ciências sociais

VEJA TAMBÉM
Investir em educação de qualidade é a solução para diminuir violência em SP

Ele explica que a acolhida e a sociabilidade são dois aspectos que podem justificar a importância das instituições religiosas na qualidade de vida dos paulistanos. Uma sociedade ideal, completa Almeida, seria que a Igreja despertasse o sentido coletivo, não individual.

“A gente precisa entender que as melhores experiências passam pela experiência coletiva, e não pela via individualista, trabalhada em algumas denominações. A desigualdade é o que gera as mazelas sociais, e isso a gente combate junto”, finaliza.

Qual o tempo médio de vida no Jardim Ângela e nos Jardins?

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.