APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Impacto no meio ambiente domina audiência pública em Santana/ Tucuruvi

Houve propostas e denúncias envolvendo desmatamento, especulação imobiliária, ocupação irregular de terrenos e agricultura urbana

Image

Por: Redação

Publicado em 13.04.2017 | 20:00 | Alterado em 13.04.2017 | 20:00

Tempo de leitura: 3 min(s)

Em uma região abraçada pela Serra da Cantareira, o tema meio ambiente apareceu com força na audiência pública de Santana/ Tucuruvi sobre o Plano de Metas 2017-2020. No rápido evento – de apenas uma hora e dez minutos –, realizado pela Prefeitura de São Paulo, houve algumas propostas e denúncias envolvendo desmatamento, especulação imobiliária, ocupação irregular de terrenos e agricultura urbana. Santana/ Tucuruvi tem 15 m2 de área verde por habitante, segundo o Observatório Cidadão. Esse índice é acima do recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), de 12 m2.

O gestor ambiental Guilherme Reis, 27, morador do Mandaqui, defendeu a implantação de um plano de segurança alimentar e nutricional na cidade. Ele sugere que as crianças em idade escolar tenham “20% de alimentos” orgânicos nas merendas. Na avaliação de Reis, os cerca de 400 agricultores paulistanos, “não contemplados pela política pública municipal”, seriam fortalecidos, estimulando a alimentação saudável.

Leia as reportagens do Especial Plano de Metas 2017-2020

As sugestões da bióloga Natália Ricci, 29, também focaram no meio ambiente, na agricultura familiar e segurança alimentar. Ela pediu a “reativação das Escolas Estufas, fundamentais no suporte às hortas urbanas comunitárias”, e a “desburocratização de parcerias e projetos” do setor. Ainda na questão ambiental, outra manifestação pediu maior rigor em casos de desmatamento, ocupação irregular e de especulação imobiliária identificados em Lauzane Paulista, no distrito do Mandaqui.

Anderson Augusto, 44, mais conhecido como “ciclonauta urbano”, questionou dois pontos ignorados na primeira versão do Plano de Metas: a ausência de propostas relativas à saúde das mulheres, principalmente as idosas, e a falta de ações de zeladoria, ampliação e interligação entre as ciclovias na zona norte, sobretudo nas periferias. “Pensando na melhor qualidade de vida do trabalhador, isso traria mais mobilidade urbana às pessoas que usam esse tipo de transporte”, diz.  Segundo ele, a atual gestão municipal “não é amiga do ciclista e da ciclovia. Não há diálogo entre nós [ciclistas] e a prefeitura”, afirmou.

Image

Rosmary Corrêa, a Delegada Rose, prefeita regional de Santana/ Tucuruvi (Crédito: Sidney Pereira)

Os participantes também levaram reivindicações sobre a instalação de um CEU (Centro Educacional Unificado) na região, que não possui nenhum equipamento público desse tipo, e mais áreas de acolhimento e de lazer para idosos.

Bom público

O auditório da Prefeitura Regional recebeu exatas 110 pessoas, mas apenas dez decidiram se manifestar e apresentar sugestões. Além disso, foram recebidas mais 46 propostas online e outras escritas sobre temas diversos. Apesar do alto comparecimento, houve morador que criticou a “falta de comunicação” do evento, o que teria impedido “maior participação da população”.

Logo no início do evento, a prefeita regional de Santana/ Tucuruvi, Rosmary Corrêa, a Delegada Rose, como é conhecida, explicou que os participantes da mesa diretora – além dela, estiveram presentes o secretário de Obras, Marcos Penido, e o chefe de gabinete local – não responderiam perguntas e que todas as questões seriam respondidas diretamente aos interessados.

Sobre a crítica da “pouca divulgação” da audiência pública, a gestora rebateu falando que foram usados todos os meios possíveis de divulgação. “Eu me sinto privilegiada de ter o auditório cheio em uma tarde de sábado”. Segundo a prefeita, atualmente, o que a população mais pede é zeladoria, poda de árvores e corte de grama. Ela aprovou e considerou “brilhante” as questões sobre o meio ambiente. “Esses pedidos, como a utilização de áreas para a agricultura urbana, geram empregos”, comentou.

Você ainda pode enviar sugestões ao Plano de Metas. Veja aqui como.

Foto principal: Kátia Almeida/ Flickr

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.