• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Jovens tapam rachaduras de pista de skate em Jundiapeba e cobram manutenção do espaço

Skatistas de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, protocolaram um documento pedindo a ampliação e a manutenção da pista de skate do bairro
Pista de skate da Praça da Liberdade, no distrito de Jundiapeba | Jessica Silva/Agência Mural

As manobras que garantiram as medalhas olímpicas conquistadas por Rayssa Leal e Kelvin Hoefler em Tóquio ainda fazem eco. Skatistas na Grande São Paulo, por exemplo, têm tentado impulsionar o esporte na região e cobram melhorias nas estruturas disponíveis nas cidades. 

Em Mogi das Cruzes, um grupo formado por cerca de 100 jovens, de 14 a 17 anos, enviou um documento para a prefeitura pedindo a melhoria da pista de skate da Praça da Liberdade, no distrito de Jundiapeba, na periferia da cidade. 

Igor Henrique, 16, é o fundador da chamada Comissão da Juventude do bairro, grupo que existe desde 2018. Além da pista, ele e os integrantes cobram o fortalecimento de políticas públicas e cultura na periferia de Mogi das Cruzes e mais visibilidade para a juventude da região.

O movimento pedindo a manutenção e a ampliação da pista começou após as Olimpíadas de 2021, em agosto. “Organizamos uma reunião com os skatistas do bairro e formulamos um documento para ser entregue na prefeitura”, diz Henrique.

Igor Henrique, 16, é o fundador da Comissão da Juventude do bairro de Jundiapeba | Jessica Silva/Agência Mural

O corrimão [usado como obstáculo] foi colocado pelo grupo, que adaptou a parte lateral da pista. “A gente dividiu bem as tarefas e conseguimos fazer o corrimão para a pista”, explica Lincoln Yuri de Freitas, 21, que anda de skate há oito anos.

COLETIVIDADE

Juntamente com os jovens, outros moradores do bairro ajudaram com a solda, com o cimento e com dinheiro.

“O espaço é nosso, a gente já está aqui andando há bastante tempo, e como realmente não tinha ninguém a se prontificar para poder arrumar a gente que se colocou à frente”, conta.

Antes da atual pista de skate ser construída, os meninos mais novos andavam de skate na calçada da igreja ou então se deslocavam para o centro.

“Só depois que a pista foi construída é que começou a aumentar o número de skatistas em Jundiapeba, não porque começaram a andar de skate, mas por não precisarem ir pra tão longe pra praticar o esporte”, diz Lincoln.

Para o mogiano, a quantidade de skatistas que existem no bairro não é compatível com a atual pista. “Os obstáculos não são reformados. Chegamos nesse ponto de precisarmos nos reunir e nós mesmos seguirmos com pequenas reformas, como remendar algumas rachaduras e chumbar o corrimão de novo”, desabafa. 

Reformas realizadas pelos skatistas | Arquivo pessoal/Lincoln Yuri de Freita

A pista de skate que existe hoje na praça foi construída entre 2018 e 2019, em uma parceria entre o governo estadual e a prefeitura. A estrutura mede aproximadamente 15 por 30 metros.

CADÊ OS OBSTÁCULOS?

Yuri Saito, 17, começou a andar de skate com os amigos há um ano e cinco meses. Para ele, a maior dificuldade está em realizar as manobras. “Hoje quero treinar tricks [manobras] e não consigo por não ter obstáculos”, conta o adolescente. 

Esse é um dos motivos que faz com que muitos dos jovens de Mogi das Cruzes se desloquem para outros lugares, como a Praça Roosevelt, na capital, ou em cidades vizinhas.

“Chega uma hora que você precisa subir mais o seu nível e sair do básico, a pista [atual] limita o nível de muitos skatistas, por isso estamos solicitando uma pista nova”, afirma.

1 / 2
Imagem da galeria
Skatistas pedem manutenção e mais obstáculos na pista em Jundiabepa Jessica Silva/Agência Mural
2 / 2
Imagem da galeria
Skatistas pedem manutenção e mais obstáculos na pista em Jundiabepa Jessica Silva/Agência Mural

E a pista de skate em Jundiapeba tem outra questão: fica entre alguns brinquedos e uma ATI (Academia da Terceira Idade). As crianças que vão brincar na praça acabam passando no meio da pista e muitas vezes utilizam o espaço para brincar.

“Minha maior dificuldade hoje são as crianças que brincam na pista, são pessoas que passam na frente dos obstáculos”, diz Samuel Lima, 17, praticante de skate há quatro anos.

FUTUROS CAMPEÕES DO SKATE

Rosa Maria Antunes Cuba, 66, ativista na cidade de Mogi, participa junto com Igor Henrique da comissão e ajuda os jovens a traçar metas de desenvolvimento.

Rosa Maria Antunes Cuba, 66, ativista de Mogi das Cruzes acredita que de Jundiapeba pode sair um campeão olimpíco do skate | Jessica Silva/Agência Mural

“É uma praça maravilhosa, mas que não funciona, não temos água, luz, vestiário, banheiro, não temos alambrado caprichado, mas sim, tudo arrebentado”, diz.

“Tenho certeza, como dois e dois são quatro, que nós temos um campeão aqui, é só ter um pouco de ajuda do poder público, estrutura. Sinto que os jovens daqui são desvalorizados.” 

Segundo ela, é preciso aumentar a perspectiva de lazer em Jundiapeba e investir na juventude.

“Aumentar o investimento no esporte e viabilizar a prática de políticas públicas. A cultura, a juventude, o skate, todos os âmbitos precisam de atenção aqui na região” conclui.

ONG SOCIAL SKATE DE POÁ

Em Poá, cidade próxima a Mogi das Cruzes, a Ong Social Skate existe há 10 anos e trabalha a prática do skate como uma ferramenta de impacto social. 

Sandro Soares, ou “Sandro Testinha”, como costuma ser chamado, é quem está a frente da ONG (Organização Não Governamental) realizando ações sociais com skatistas da região. 

Dos 43 anos de idade, Testinha conta que anda de skate há pelo menos 30 e nunca viu o esporte com tanta visibilidade como hoje. Ele lembra que o skate até era forte nas décadas de 80 e 90, mas que mesmo assim não é nada comparado com o período atual. 

“Sandro Testinha”, da Ong Social Skate | Reprodução/Instagram

“Não era uma cena como a gente está vendo agora. Com essa exposição mundial em todos os níveis, todos os lugares do mundo. A gente tinha uma cena do skate, mas era uma cena de campeonatos regionais”, exemplifica. 

A ONG atende crianças e adolescentes de 6 a 17 anos de idade. Além das aulas de skate, os alunos têm acesso a campeonatos e recebem auxílio para os materiais de segurança, lanches e uniformes. 

MENINAS NO SKATE

O projeto, inclusive, foi indicado pela Rayssa Leal, a “fadinha do skate” e medalhista olímpica, para receber uma doação oferecida ao campeão do prêmio de “Espírito Olímpico”.

Com o anúncio do prêmio, a procura pela ONG foi imensa. Foram preenchidas 160 vagas. Desse número, 55 eram para o público feminino. 

“O máximo do nosso recorde foi 35 meninas no passado, e agora já pulou para 55. Estamos felizes com isso e vamos seguir em frente”, conta.

VEJA TAMBÉM:
Porteiro faz da casa espaço cultural afro em Jundiapeba, periferia de Mogi das Cruzes
Por que o Alto Tietê é um pedaço do Japão em São Paulo

Sobre a construção de pistas de skate na região, o sentimento não é de tanta alegria. Para Testinha, ainda existe muito a melhorar, pois uma boa construção demanda tempo, consultoria e especialistas.

“A pista de Suzano, no Alto Tietê, é uma das exceções de todo o Brasil. Foi feita com mão de obra especializada e consultoria de empresas que são formadas por arquitetos e skatistas.”

O espaço da Ong Social Skate está localizado na Rua Rosa, 439, em Calmon Viana, Poá. 

PISTAS DE SKATE NO ALTO TIETÊ

Em Mogi das Cruzes um dos locais mais frequentados por skatistas é o Mogi Skate Park, localizado no complexo esportivo “Professor Hugo Ramos”. O endereço é Rua Professor Ismael Alves dos Santos, 560, no Mogilar.

Cid Sakamoto, 45, é skatista há mais de 30 anos e locutor profissional homologado pela CBSK (Confederação Brasileira de Skate). Ele conta que geralmente anda de skate na pista do Parque Botyra Camorim Gatti ou Centro Cívico (atrás da prefeitura), e na pista do Mogi Skate Park. 

“A pista do [parque] Botyra é antiga e o projeto é desatualizado, além do piso estar em péssimas condições. Já a pista do Mogi Skate Park é mais atual e tem boas condições, pois foi feita por empresas especializadas e com o nosso acompanhamento, desde o projeto até a sua execução.”

Na cidade vizinha, em Suzano, o Parque Max Feffer abriga a pista Suzano Skate Park. Está localizada no Jardim Imperador e possui 2,6 mil metros quadrados de área construída, com mais de 20 obstáculos verticais e horizontais.

Já em Itaquaquecetuba é possível andar de skate na Pista Municipal de Skate, na Vila Virgínia. Em 2019 a pista passou por uma reforma da prefeitura, que pretende criar uma escolinha de skate para incentivar as crianças a praticarem o esporte. 

Jessica Silva

Jornalista, correspondente de Mogi das Cruzes desde 2013. Formada em Pedagogia e Mestranda em Educação pela PUC-SP. Amante de fotografia, séries e filmes.

Mogi das Cruzes

Comentários