• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Moradores de SP veem aumento da desigualdade e maioria desaprova volta às aulas

Pesquisa do Ibope, a pedido da Rede Nossa São Paulo, indica percepção de piora no aprendizado e evasão escolar

Aumento da desigualdade na cidade, piora no aprendizado e crianças e adolescentes que abandonaram os estudos. Para moradores de São Paulo, estes foram os principais impactos da pandemia de Covid-19.

Os dados foram coletados da pesquisa “Viver em São Paulo: Especial Pandemia — Parte 4”, realizada. pela Rede Nossa São Paulo em parceria com o Ibope Inteligência. 

Sobre as consequências para os alunos e alunas causados pela pandemia, 55% consideram que o aumento da desigualdade foi o maior deles. Tanto que seis em cada 10 disseram ter perdido renda este ano.

Um dos principais impactos foi a educação. Segundo os entrevistados, os estudantes das famílias mais vulneráveis não tiveram acesso ao ensino remoto. A piora no aprendizado (44%) e a evasão escolar (36%) foram os dois fatores mais citados por paulistanos. 

Segundo os resultados, 47% consideraram adequado o método de ensino a distância durante pandemia. Por outro lado, o maior problema relatado foi a dificuldade de manter filhos concentrados, citado em 48% das respostas. As reclamações com a internet aparecem na sequência, com 33%.

Desigualdade aumentou na pandemia na avaliação de moradores de SPLéu Britto/Agência Mural

VOLTA ÀS AULAS
A pesquisa também ouviu as pessoas sobre a retomada das aulas presenciais em creches e escolas na cidade de São Paulo. Para 81% dos participantes, o retorno é uma medida inadequada. Outros 15% responderam que concordam com a volta.

Dentre os motivos mais citados contra o retorno às aulas presenciais estão o risco à saúde dos estudantes, professores e outros profissionais da área, com 28% das menções. Com 23% das respostas, apareceu a dificuldade de se manter distanciamento social entre crianças pequenas. Para 82%, a contaminação do vírus vai aumentar caso haja uma retomada agora.

VEJA TAMBÉM:
Especial: fotos retratam impacto da pandemia nas periferias
Favelas invisíveis: situação de pequenas comunidades na capital se agrava com pandemia

Educadores ouvidos pela Agência Mural se disseram contrários ao retorno. Entre os relatos, estão escolas construídas em prédios antigos com problemas na estrutura e sem ventilação adequada, além de alta de água e jornadas de trabalho exaustivas. 

O representante dos diretores das escolas da DRE Itaquera, Davi do Carmo Ferreira ressaltou a falta de preparo das unidades para lidar com a pandemia. “Como vamos fazer a higienização, a limpeza, lavar a mão das crianças, sendo que no nosso cotidiano dentro da normalidade já existia falta de água nas escolas?”, questionou o educador.

Na Grande São Paulo, algumas cidades decidiram que o retorno será apenas em 2021. Em São Bernardo do Campo, a preocupação segue entre as mães, que se dizem receosas sobre volta às aulas da rede pública de ensino devido os altos índices de casos de covid-19 no município

Um dos exemplos é a enfermeira Janaína de Oliveira Pinto, 32, mãe solo de Lucas, 8. Ela diz que confiará na escola somente quando houver o remédio contra a Covid-19.  “Acredito que será possível [a volta], quando houver um tratamento efetivo ou uma vacina. As escolas municipais não tem suporte para ter tantos materiais de limpeza e higiene”, contou.

Os paulistanos que foram favoráveis ao retorno alegaram que “se praticamente todos os setores já retornaram às atividades, as escolas também podem”, com 17%, “É preciso retomar a normalidade, preservando a saúde mental das crianças”, apareceu em segundo lugar com 16%. 

Por último, 14% responderam que as escolas fechadas prejudicam os mais pobres e aumentam a desigualdade entre os alunos de escolas públicas e particulares. 

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Guaianases, São Paulo

Comentários