Os anos esquecidos de São Miguel Paulista

A Capela de São Miguel Arcanjo, templo religioso mais antigo do estado, é o símbolo histórico de São Miguel Paulista, distrito da zona leste de São Paulo. Na porta de entrada da igreja está marcado 18 de julho de 1622, considerada por historiadores como a data de conclusão da igreja e, portanto, a fundação do bairro.

No entanto, uma nova investigação aponta que a primeira referência da região não é a entrega da capela em 1622, mas a chegada do padre José de Anchieta à vila de São Paulo de Piratininga (atual cidade de São Paulo) e à pequena aldeia de Ururaí (que passou a ser São Miguel).

Receba nossa newsletter!

Cartas escritas por Anchieta, a partir de 1560, e enviadas para a Companhia de Jesus, em Roma, comprovam que os padres jesuítas já realizavam, no local, trabalhos de catequização e ensino da língua portuguesa aos índios antes de 1622.

“Um motivo que a gente tem que pensar é a dimensão da capela. Ela era fabulosa para aquele período, quando os materiais eram muito escassos”, afirma a historiadora Roseli Santaella Stella, 64. “Os jesuítas não iam chegar numa terra onde nada havia e edificar uma igreja daquele porte. Para levantar uma igreja assim, aquela localidade devia ter uma expressão muito grande que justificasse esses esforços”.

Roseli iniciou, na década de 1980, uma pesquisa sobre José de Anchieta, um dos primeiros cronistas a citar a região, para a pós-graduação na USP (Universidade de São Paulo). 

“Isso aumentou meu interesse em interpretar os escritos que ele nos deixou e buscar outras informações sobre o bairro naqueles primeiros tempos”, diz.

“São Miguel é fundado no contexto das ações jesuíticas em São Paulo. A questão não é estabelecer o início do bairro a partir da chegada dos primeiros povos indígenas, porque, se tratando de nativos com hábitos nômades, essa missão é impossível. Mas, de duas coisas nós temos certeza: seu início é em 1560 e foi fundado por José de Anchieta”, aponta Roseli.

Essa interpretação já era apontada por alguns historiadores, mas faltavam documentos oficiais para comprovação. A pesquisadora encontrou referências no acervo da Edusp (Editora da Universidade de São Paulo), na Câmara Municipal de São Paulo e também em cartas e arquivos da Companhia de Jesus, no Vaticano, para onde viajou.

SÃO MIGUEL NOS PRIMEIROS TEMPOS

Anchieta chega ao Brasil em 1553, por ordem do padre Manuel da Nóbrega. Em 12 de junho de 1561, envia uma carta ao padre geral Diego Lainez, em Roma, e informa sobre a visita a povoação de índios na aldeia de Ururaí, também a pedido de Nóbrega. Os indígenas que ali se encontravam haviam abandonado a aldeia de Piratininga, em São Paulo, após a chegada de moradores da vila de Santo André de Borda do Campo.

A historiadora Roseli Santaella Stella reuniu documentos que apontam o surgimento de São Miguel a partir da chegada de José de Anchieta (Divulgação)

“Tudo o que acontecia no Brasil nos primeiros anos, após a chegada dos jesuítas, a Companhia de Jesus era obrigada a escrever cartas e relatórios, e enviá-los para os superiores. Anchieta não fugiu a essa regra”, comenta Roseli.

O início do bairro, portanto, se dá entre a chegada de Anchieta à Ururaí em 1560 e a carta enviada em 12 de junho de 1561. Como o dia do arcanjo é comemorado em 29 de setembro, a especialista considera essa data como a certidão de nascimento.

Os documentos históricos levantados por Roseli Santaella permitiram que fosse criado um projeto de lei (PL 265/2018), de autoria da vereadora Adriana Ramalho (PSDB), que mudará oficialmente a data de surgimento do bairro para 29 de setembro de 1560. O projeto está em tramitação.

UMA PARTE DA HISTÓRIA NO CENTRO DO BAIRRO

Localizada na praça Padre Aleixo Monteiro Mafra, a Capela de São Miguel Arcanjo foi tombada pelo Iphan (Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) em 1938. Porém, até 2003, o espaço se encontrava bastante danificado e era cuidado pela Universidade Cruzeiro do Sul, que pagava um funcionário para manter a zeladoria do local.

Nesse mesmo ano, por meio da Lei Rouanet, a administração da Catedral de São Miguel Arcanjo, localizada ao lado da praça, conseguiu que um projeto de restauro fosse aprovado.

Os trabalhos começaram em 2006 e duraram até 2011, quando houve o restauro da capela, criação de um museu, uma prospecção arqueológica, construção de uma área anexa para receber visitantes e a revitalização da praça. Atualmente, a igreja está cercada por uma grade e pode ser visitada por meio de agendamento.

Frente da Capela de São Miguel Arcanjo, uma das primeiras construções do país (Eduardo Silva/Agência Mural)

“Infelizmente, a gente não recebe nenhum tipo de verba do governo para manutenção da capela. Quem mantém toda a estrutura e os custos financeiros é a catedral”, conta a produtora cultural Juliana Pessoa, 34, responsável por agendar e realizar as visitas guiadas ao local.

Juliana diz que há uma grande procura por conta de escolas e universidades. “O número de visitantes que a gente tem aqui é maior durante a semana. A gente já recebeu crianças de dois anos, mas geralmente o público maior são alunos do ensino médio”.

As excursões são feitas por escolas da região de São Miguel, além de programas do Senac e do curso de turismo da USP, voltado para idosos.

Para a produtora, outros moradores de São Miguel, no entanto, muitas vezes desconhecem a capela. “Tem muita gente que mora em São Miguel, passa aqui em frente e acha que é uma igrejinha”, comenta.

“A gente está com uma gestão nova e nosso primeiro projeto é fazer uma ‘educação patrimonial’, buscando fazer com que as pessoas ocupem a capela e torná-la mais conhecida.”

Durante a semana, a visitação à capela é realizada das 10h às 16h, por meio de agendamento no telefone (11) 2032-3921, e custa R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia-entrada). Aos sábados, a visita é gratuita e espontânea.

Eduardo Silva é correspondente de São Miguel Paulista
[email protected]

0 thoughts on “‘Cotas para trans são importantes, mas não suficientes’, avalia professora da UFABC”

  1. Que lindo Ana Beatriz!
    Nos olhos e na voz dessas crianças é que realmente está a nossa esperança de um país melhor.
    Pessoas inocentes que conseguem enxergar o que muitos ignoram.
    É a vida de verdade,o sorriso estampado,o brilho nos olhos que mal sabem o que ainda vai ter que enfrentar.
    Um super abraço de toda família Centro Comunitário do Embura.
    Felicidades linda.

  2. Um raio x dessas pequenas Almas, que acreditam e sonham em um país onde tudo parece estar pedido, surge através da pureza e simplicidade o nascer da esperança dentro desses pequenos gigantes.
    Ainda vale a pena sonhar!

  3. Uma linda crônica, repleta de alma e total conhecimento do cenário atual de nosso país.
    São palavras assim que nos inispiram à lutar por mais um dia.
    Parabéns!!!

  4. Parabéns. Sou testemunha do seu ganho de saúde física, emocional e psicológica. Pois a bicicleta proporcionou a conscientização dos alimentos que lhe trazem energia e vitalidade e daqueles que intoxicam tirando o vigor pro esporte. Sua conquista de um corpo mais sadio e moldado também é digna de congratulações.

    1. Pessoa incrível, estudamos juntos e realmente sua história de vida é algo que muitas pessoas que tiveram a oportunidade de conviver um pouco com ele aprendeu muito.

  5. Fantástico ! Com todos percalços que a periferia oferece na prática esportiva, eis uma superação e motivação para deixarmos de ser sedentários ! Parabéns Mauro pela iniciativa !

  6. Olá,
    Gostaria de saber se a possibilidade de receber bolsa de estudos para esse curso em específico. Que Muito fazer, mas não possuo recursos no momento para investir.

    Desde já agradeço.

    1. Olá, Sheila! Muito obrigada pelo contato e interesse pelo curso. A atividade é oferecida pela faculdade, logo, vale tentar direto com a Fespsp a possibilidade de conseguir alguma bolsa.

  7. Paulinho, esta sim é a mais linda forma de Dizer Eu Te Amo Para um Pai!
    Você fez uma linda homenagem, para o Tio Paulo, que é Paizão de toda Família.
    Deus abençoe a todos os Filhos.

  8. Zorade, ai sim meu grande sobrinho, que homenagem de arrepiar.! Digo nunca vista, (é claro)pois cada um é um…Quanta sabedoria vestida de aparente ignorancia! O jeito de ser do meu irmao meio estranho, superou os grandes modos finos de criar seus filhos…Quanta riqueza de carater , de valentia também,ele apresentou a voce e a essa exelente Mae que te trouxe ao mundo…Familia pequena nas de grande peso..kkkk em todos os sentidos…No seu relato voce se esqueceu de falar sibre a bondade do coraçao dele…Tem umas histórias de caridade dele que admiro!…Parabéns pela homenagem ! Que Deus lhe proteja , que cada vez mais sua intelugencia seja ativada….abraços

  9. Olá boa tarde,
    Gostaria de parabenizar pela iniciativa e tbm Têmos que girar essa informação e cobrar de forma correta e pacífica dos responsável para tal , tendo em vista que somos moradores da região Têmos essas e outras dificuldades sendo que todos nós vamos receber visitas Nos próximos dias de político ou de seus prestadores de serviços prometendo o que não se cumpre ,uma vez que se não formos no dia votar somos obrigados a pagar multa e tenho certeza que todos nos não deixamos de pagar e quando se trata de olhar um pouco pra lado mínimo que é ,transporte, segurança, iluminação, etc.. Nos não temos respaldo ,então diariamente ouvimos relatos e acontecimentos que cada dia dificulta mais a vivência no bairro, só lembrando que mesmo sendo uma APA todos aqui são eleitores que seguem a risca com suas obrigações e o que queremos é o mínimo se iníciando pelo Respeito aos moradored e direito de ir e vir que já não temos mais.
    Att:
    Gilmar Rodrigues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *