APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Rolê

Fotógrafos das periferias expõem cultura do reggae

Image

Por Matheus Oliveira | 19.10.2018

Publicado em 19.10.2018 | 14:08 | Alterado em 22.11.2021 | 16:39

RESUMO

Exposição apresenta trabalhos realizados sobre cultura do ritmo, suas origens e a relação com diversas regiões de São Paulo

Tempo de leitura: 4 minutos

Para Renato Moraes, 40, o preconceito é o que impede o reggae de unir mais pessoas. “Não aceitam nossa aparência e fazem questão de evidenciar a maconha. Um elemento que faz parte da gigantesca cultura reggae, e é uma coisa particular.”

Fotógrafo e morador da Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte de São Paulo, ele é um dos integrantes da Reggae Expo Click. Desde 22 de agosto, fotografias feitas por Moraes e mais 11 fotógrafos trazem visões da cultura reggae em São Paulo. 

Esta é a segunda edição da exposição, montada na Galeria Olido, no centro da capital, com olhares de dentro do próprio cenário artístico.

O reggae é jamaicano e chegou ao Brasil por volta dos anos 1970. Nessa trajetória, o estilo musical teve influências nacionais, como os ritmos sertanejos do Nordeste. “O reggae foi mais conhecido em alguns momentos e em outros completamente esquecido pela sociedade por não aceitar o tipo de vivência, ou a própria aparência”,  ressalta Moraes.

Image

Uil Ribeiro dirigiu a exposição e fala sobre universo do reggae no Brasil (Divulgação)

Ele explica que a exposição busca dialogar com quem não conhece o movimento artístico e evidencia a presença do reggae nas periferias. As fotografias captam expressões como a mistura da religiosidade com resistência.

Rodrigo Torres, por exemplo, registra no Pico das Torres, em São Mateus, cerimônias rastafaris, um ato religioso em que há meditação e música com instrumentos de percussão.

Um dos elementos é a fotografia do Rei Haile Selassie. Segundo o fotógrafo a imagem do último imperador etíope, a encarnação de Jah para os rastafáris, com mãos humanas, simboliza a atuação divina por meio das ações terrenas. 

“É uma cultura africana, da Etiópia. A Jamaica meio que estruturou. Se a gente for ver por esse lado a gente está mantendo a cultura jamaicana e etíope”, completa Renato.

VEJA TAMBÉM:
O que as crianças esperam dos novos governantes do Brasil
Tudo sobre as Eleições 2018

“É um registro do que está acontecendo. Mostrar pra quem não estava presente, ou não conhece, a energia e a história. A cultura reggae precisa ser disseminada”, afirma a fotógrafa Mell Gonçalves, 31, moradora do Limão, na zona norte.

Na primeira exposição, apenas uma mulher participou. Desta vez Mell Gonçalves, Jennifer Silva e Camila Felix fazem parte da mostra. “Vejo a junção da força de todas. Acredito que este ano estamos mais empoderadas e os irmãos na divisão de boas vibrações”.

Image

Rei Haile Selassie, da Etiópia, um dos países que dá origem a cultura reggae (Rodrigo Torres)

Wesley Rodrigo, 33, é o curador da mostra. Natural do Jardim Colonial, no distrito de São Mateus, na zona leste de São Paulo, ele comenta outra face do cenário reggae. “A maioria do público é periférico. O reggae está crescendo e se profissionalizando. A exposição vem para documentar tudo isso”.

Essa soma de forças permite contrapor estereótipos. “A essência presente no reggae é o rastafari, onde usamos a maconha como erva de meditação”, relata Rodrigo Torres, que se dedica a registrar a força do dreadlock. “É uma fé muito particular, onde acreditamos que nós somos nossa igreja, e por isso devemos ser puros” explica.

Fotógrafo caçula da exposição e morador da Vila Santa Catarina, na zona sul, Caê Denda, 21, diz que o movimento reggae deve seguir sem perder a essência. “Vejo que no lado da música têm divisões com pensamentos diferentes. É mais questão de unir os conscientes e os que querem fazer com o propósito de dança e diversão”.

Além da mostra física, haverá shows de grupos de reggae e rap da quebrada. No sábado (27) rola uma tarde de autógrafo com os fotógrafos Jennifer Silva, Daniel Lopes, Luis Claudio e Marcos Passos, às 13h, na Galeria Olido. As bandas Odisseia das Flores e Indaíz se apresentam a partir das 17h30.

INFORMAÇÕES:

*Dia 27 de outubro
Tarde de autógrafos: Jennifer Silva, Daniel Lopes, Luis Claudio e Marcos Passos, às 13h
Shows: Odisseia das Flores e Indaíz, às 17h30
*Dia 24 de novembro
Tarde de autógrafos: Camila Felix, Shalon Adonai, Will Anjos e Elias RPS, às 13h
Shows: Jah Dartanhan e Denise D’Paula, às 17h30
*Dia 15 de dezembro
2º edição do Prêmio Reggae Expo Click, às 17h
Show: Mato Seco

SERVIÇO
#REC2018 2ª Reggae Expo Click
22 de agosto a 15 de dezembro de 2018
Centro Cultural Olido – Hall Olido
Av. São João, 473 – Centro, São Paulo
GRÁTIS – Classificação Livre / Tel. (11) 3331-0170

Matheus Souza é correspondente de São Matheus
[email protected]

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.