APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Pessoas trans narram dificuldades para registrar nome social em SP

Desde março, após autorização do STF, 30 mudanças de nome e sexo foram realizadas nos cartórios de registro civil da capital paulista

Image

Por: Redação

Publicado em 12.07.2018 | 16:24 | Alterado em 12.07.2018 | 16:24

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Segundo Arpen-SP, 30 pessoas trans já registraram nomes sociais desde março desde ano (Paula Rodrigues/32xSP)

Em março deste ano, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu que pessoas transexuais e transgêneros poderiam alterar o nome e o gênero no registro civil sem necessidade de cirurgia ou tratamento hormonal. Desde então, todos os cartórios de registro civil do Estado de São Paulo estão autorizados a fazer a mudança.

Depois da lei, todos os cartórios poderiam dar andamento para a alteração de nome, mas não existia uma padronização e logo cada um tinha um regime interno.

Apesar disso, 30 mudanças de nome e sexo já foram realizadas nos cartórios de registro civil da capital paulista, segundo a Arpen-SP (Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo).

LEIA MAIS:
– ‘Tratam os LGBTs como lixo’, diz irmã de travesti assassinada
– Projeto de lei que destina cotas para pessoas trans é barrado na CCJ

Lux Tenório, 19, não foi uma delas. Moradora do Campo Limpo, na zona sul da cidade, ela vem encontrando dificuldades para alterar seu nome.

“Há quase dois anos me assumi como mulher trans. Um ano atrás, oficialmente, já com tratamento hormonal, resolvi tentar a mudança de gênero e nome dos documentos”, explica a estudante e modelo.

“Esse processo costumava ser mais burocrático, demorado e caro. Achei que por conta da nova lei, iria mudar e facilitar, mas já estou na quarta tentativa”, lamenta.

Lux explica que o Cartório Santo Amaro, onde ela foi registrada, informou que conhecia a nova lei, mas, segundo ela, alegou que, por questões internas a serem resolvidas, ainda não estava apto a colocar a norma em prática.

“Sempre que eu entrava em contato para falar sobre o assunto, me davam o prazo de duas semanas a um mês”, afirma.

Image

A estudante e modelo Lux Tenório tenta há um ano alterar certidão de nascimento (Arquivo pessoal)

INCONSISTÊNCIAS

Em nota ao 32xSP, a Arpen-SP informa que, pelo depoimento de Lux, ela deve ter ido antes de maio, ou seja, antes da publicação do provimento que padronizava o atendimento nos cartórios. E, por esse motivo, o pedido dela não foi atendido.

Por gerar muitas inconsistências jurídicas, no dia 29 de junho foi publicado outro provimento pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que regularizou o procedimento para o Brasil inteiro. Inclusive com um requerimento padrão, que deve ser preenchido pela pessoa que pretende fazer a mudança.

Conforme a nova medida do STF, agora basta ser maior de 18 anos e levar ao cartório de registro civil o RG, CPF, título de eleitor, certidão de casamento e de nascimento dos filhos (caso tenha) e comprovante de residência. 

Em seguida, o interessado precisa preencher, presencialmente, um requerimento e pagar o valor de R$ 130,81 (que pode variar de cidade para cidade).

Se tudo estiver de acordo, o procedimento é realizado no dia. Também não há mais necessidade de contratar advogados e arcar com gastos processuais.

De acordo com a Arpen-SP, antes da decisão do STF, o procedimento para alteração da certidão de nascimento era judicial.

Em muitos casos, continua a associação, era necessária comprovação de cirurgia de mudança de sexo, o que poderia levar anos, conforme provas a serem apresentadas ao juiz de direito.

YOUTUBER DE GUERRA

Esse foi o drama vivenciado pelo auxiliar administrativo e youtuber Luiz Guerra, 25. Em junho de 2017, ele iniciou o processo de mudança de nome e gênero, que durou 11 meses.

“Precisei comprovar que eu estava tomando hormônios havia dois anos, apresentar laudo psiquiátrico, além de mostrar cartas de amigos explicando que sou homem”, conta. Apesar dos documentos, segue ele, muitos juízes recusaram o pedido.

Para tentar conscientizar outras pessoas trans sobre esse e outros assuntos, Guerra criou o canal SPTrans, no YouTube.

Por meio de vídeos, ele explica como conseguiu serviços como esse por meio do governo, além de abordar fatos como a reação de seu cachorro com a mudança e como é fazer sexo.

“A transição é complicada porque não é que você se descobre, é que você se aceita, se entende. A gente não tem a informação para saber que a gente é e quais são nossos direitos. É muito difícil encontrar informações e atendimento à população trans”, conta.   

VEJA TAMBÉM:
– 52% dos paulistanos são contra a criação de banheiros unissex
– Maioria dos paulistanos aprova adoção para casais de homens e de mulheres

Com a nova certidão de nascimento em mãos, Guerra fez um vídeo no Instagram queimando o documento antigo.

“Meu pai foi quem buscou minha certidão retificada. Ele me falou: ‘eu te registrei errado quando você nasceu, agora sou eu que tenho que consertar’”, relembra o youtuber.  

ASSISTA AINDA:

Pessoas trans narram dificuldades para registrar nome social em SP

"Precisei apresentar laudo psiquiátrico e cartas de amigos explicando que sou homem”. Aos 25 anos, Luiz Guerra conseguiu alterar nome e gênero e também criou um canal no Youtube para informar pessoas trans sobre serviços e atendimentos e relatar as experiências que viveu.Leia aqui a matéria completa: https://goo.gl/UGmSn4

Posted by 32xSP on Thursday, July 12, 2018

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.