APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Porco João vira animal de estimação na zona leste de São Paulo

Comprado com a ideia de ser um leitão assado, João acabou se tornando o ‘xodó’ de uma diarista na zona leste da capital

Image

Por: Lucas Veloso | Léu Britto

Notícia

Publicado em 28.07.2020 | 11:41 | Alterado em 28.07.2020 | 18:27

Tempo de leitura: 2 minutos

A diarista Rosangela Rosa, 48, moradora do Jardim Piratininga, distrito de Cangaíba, na zona leste da capital, tinha o sonho de comer um porco no Natal. 

Há quatro anos, um amigo deu essa oportunidade a ela. Dono de um sítio, ele separou um dos animais e vendeu para a diarista, que em poucas semanas desistiu do plano e nomeou o porco de João, em homenagem a um vizinho. “Comprei para comer e não consegui. Então, ele virou o meu mascote”, conta Rosangela. 

A história lembra o filme ‘Babe – O Porquinho Atrapalhado’, de 1995, quando o fazendeiro Arthur Hogget tem a rotina alterada com a chegada de Babe. No filme, quando chega o Natal e o leitão vai ser sacrificado para servir a família, Hogget que já havia se afeiçoado ao animal, desiste de matar o porquinho (não tão feliz é a história, porque outro animal da fazenda se torna o prato principal da ceia).

Babe no fim desafia a própria natureza para virar pastor de ovelhas. 

No caso de João, no Cangaíba, ele se tornou um dos moradores mais queridos da rua, segundo os próprios vizinhos. Com cerca de 170 quilos, além de dormir cerca de 12 horas por dia, o porco tem uma dieta regada à arroz, feijão, salada e pão.  

< >

Rosangela e João, porco que virou animal de estimação da família @Léu Britto/Agência Mural

João come dois quilos de alimentos por dia @Léu Britto/Agência Mural

Rosangela e João Expedito cresceram juntos no bairro. Ele inspirou o nome do animal @Léu Britto/Agência Mural

Estudante de direito, João Expedito lembra o motivo do seu nome ter sido adotado no porco também. “Quando eu era mais novo eu era atentado e deixava ela [Rose] de cabelo em pé”, comenta. “A gente tinha uma raiva que virou carinho e depois ela fez essa homenagem”.

Com João, ela conta que assistir TV e passear pelas ruas do bairro são as atividades que o animal de estimação mais gosta. E o porquinho não é o único pet da casa. Mãe de três filhos, Rosangela tem galos e galinhas, além de cachorros e gatos.

*As entrevistas e as imagens foram feitas antes da pandemia de Covid-19

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Léu Britto

Jornalista, fotojornalista e videomaker oriundo da favela Monte Azul. Amo os direitos humanos e transitar pelos becos e vielas do mundo. Cofundador do DiCampana Foto Coletivo. Correspondente do Jardim Monte Azul desde 2010.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.