APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Praça no centro de São Paulo foi reinaugurada com problemas estruturais

O espaço possui 42 mil m² e recebeu na sua reinauguração pistas de skate e de corrida, equipamentos de ginástica, quadras poliesportivas, playground e um campo de futebol

Image

Por: Redação

Publicado em 23.07.2016 | 0:30 | Alterado em 23.07.2016 | 0:30

Tempo de leitura: 3 min(s)

Após a revitalização da praça cívica Ulisses Guimarães, localizada na região do Parque Dom Pedro, centro da cidade de São Paulo, no dia 26/6, problemas como falta de sinalização, segurança, limpeza, manutenção e até banheiros e bebedouros sem água persistiam e se tornaram algumas das principais reclamações do púbico frequentador.

O espaço possui 42 mil m² e recebeu na sua reinauguração pistas de skate e de corrida, equipamentos de ginástica, quadras poliesportivas, playground e um campo de futebol. Sem placas de identificação e orientação, era possível notar que uma das quadras estava inacabada, já que possuía somente as traves.

O 32xSP esteve no local no dia 3/7 e conversou com a população que, consciente dessas falhas, estava aproveitando e ocupando o espaço de maneiras diferentes. Cosme Ferreira, 29, por exemplo, é manobrista e morador do bairro da Bela Vista, vizinho ao local. Ele estava passeando com a filha na praça. “Passamos ontem por aqui e a Ana Clara [a filha] me pediu para vir hoje. Estamos aqui há mais de duas horas e ela gostou muito do escorregador e do balanço”, disse.

O lugar também havia se tornado um espaço para a prática de esportes. Paulo Sérgio Ferreira, 50, aposentado e morador nas imediações, passou a frequentar a praça após a sua revitalização. “Antes, fazia as minhas atividades no Parque da Aclimação e no Ibirapuera”, afirmou.

Image

Frequentador aproveita o domingo para fazer caminhada Crédito: Alexandre Ofélio

De acordo com os dados do Observatório Cidadão, da Rede Nossa São Paulo, entre os anos de 2010 e 2014, o distrito da Sé, no qual a praça está inserida, não contemplava equipamentos esportivos. Ao contrário dos vizinhos Santa Cecília, Bom Retiro e Consolação, que também fazem parte da subprefeitura da Sé.

Conhecida como Marina do Brás, Atsuko Ueno, 78, é moradora da região há quase 30 anos e também é uma liderança local. “Sempre levo os moradores nas audiências públicas para solicitarem as suas próprias reivindicações”, esclareceu. Um exemplo é Sueli Marques Cândido, 58, que acompanhou o processo de revitalização da praça. . “Fui muitas vezes à subprefeitura da Sé para levar abaixo-assinados que pediam a melhoria do espaço. O local ainda precisa de policiamento constante”, comentou Sueli. Marina do Brás acredita que é preciso formar um conselho gestor para que possa continuar a preservação da Ulisses Guimarães.

O problema apresentado por Sueli também está presente no Observatório Cidadão. Em 2014, a subprefeitura da Sé registrou 39 óbitos por homicídio. Considerando que a população total naquele ano era de 449.968 moradores na região, chega-se a 0,86 homicídios para cada 10 mil habitantes. Mesmo assim, não é um dos índices mais altos da capital.

Em geral, as queixas dos moradores reafirmam a nota dada ao indicador Revitalização e Conservação de parques, praças e várzeas existentes, da 7ª edição da pesquisa IRBEM, realizada em dezembro de 2015 pela Rede Nossa São Paulo e pelo Ibope, que analisa a satisfação geral com áreas relacionadas à qualidade de vida em São Paulo. Em 2015, a nota diminuiu três décimos em comparação a 2014, saindo de 4,5 para 4,2.

A nota para o indicador Segurança na Cidade, em 2009 estava em 3,8. Já em 2015 passou para 3,2. Esse dado revela a insatisfação dos paulistanos com a política pública de segurança em São Paulo.

Em nota, a subprefeitura da Sé informou que em nenhum momento foi levantado pelos frequentadores a questão das placas de identificação, mas essa demanda será avaliada. Já em relação à segurança, a subprefeitura afirmou que a GCM (Guarda Civil Metropolitana) tem feito ronda diariamente no local, porém existem fatores que podem deixá-lo momentaneamente sem a guarda, já que existe a troca de turnos e os deslocamentos da viatura por conta de ocorrências que aconteçam no local.

Praça de todos os povosPartida de futebol mistura várias nacionalidades Crédito: Alexandre Ofélio

Várias nacionalidades têm frequentando a Praça Cívica Ulisses Guimarães. A boliviana Blanca Patxi Vargas, 21, estudante e moradora do bairro Carandiru, está no Brasil há 3 anos, e estava acompanhada de suas amigas e suas cunhadas. “Agora temos um espaço para brincar e jogar futsal”, disse Vargas.

Peruanos, chilenos e africanos também escolheram a praça para se encontrar. O local se tornou um ótimo espaço para eles organizarem as partidas de futebol. Mas, não só os imigrantes jogam. O zelador Pedro Matias Vasconcelos, 43, mora na Baixada do Glicério e também é um amante do esporte. “Como não temos um espaço na região onde moramos, escolhemos aqui para o nosso futebol”, disse ele acompanhado de amigos.

Outro esporte praticado na Ulisses Guimarães é o boxe. Marcelo Campelo, por exemplo, mora entre os bairros do Brás e da Mooca, na zona leste, mas prefere a praça para treinar os seus alunos. Segundo ele, o motivo é a estrutura e a facilidade no acesso. “Aqui é um local fácil para se chegar”, disse.

*Alexandre Ofélio colaborou com a reportagem

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.