APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Prefeitura recebe sugestões dos paulistanos para padronizar calçadas

Críticas e elogios devem ser enviados até o dia 30 de junho para o e-mail da Comissão Permanente da Calçada, fornecido pela Prefeitura; confira

Image

Por: Redação

Publicado em 22.06.2018 | 17:36 | Alterado em 22.06.2018 | 17:36

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Calçada esburacada com o desenho do Estado de Sao Paulo na rua da Graça, Bom Retiro, região centro-leste de SP (Zé Carlos Barretta/Wikimedia)

Na última quarta-feira (20), a Prefeitura de São Paulo disponibilizou um documento com propostas para padronizar as calçadas da cidade. O intuito é que a população da capital leia e opine, enviando sugestões ou críticas sobre o tema para a Comissão Permanente de Calçada.

O documento, que estará disponível até o dia 16 de julho no site da Prefeitura, apresenta especificações sobre as características que uma calçadas precisa ter para estar dentro do padrão.

De acordo com o texto, todas devem ser organizadas em três faixas: livre (exclusiva para circulação de pedestres), de serviço (faixa próxima a guia) e de acesso (destinada para calçadas com mais de dois metros de largura, utilizada para acomodar espaços como, por exemplo, áreas verdes).

Outro ponto levantado pela proposta é a definição de sinalizações visual e tátil para melhor orientar o trajeto de pessoas com deficiências.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), existem na capital paulista mais de dois milhões de pessoas com deficiência visual, e mais de 600 mil com algum tipo de deficiência motora.

LEIA MAIS:
Calçadas e semáforos são os principais problemas da avenida Pirajussara
Itaim Paulista recebeu o primeiro mutirão que busca recuperar calçadas

Com paralisia cerebral desde o nascimento, o tradutor Fabiano Molina, 33, se locomove com ajuda de cadeira de rodas. Para ele, a falta de acessibilidade nas calçadas tornou-se um impedimento para que possa exercer seu direito de ir e vir.

“Moro no Tatuapé [zona leste], mas quando preciso encontrar um amigo vou até a [avenida] Paulista. Meus locais de passeio são restritos’’, contou Molina ao 32xSP.

Em informações disponíveis no site da Prefeitura de São Paulo, para as calçadas serem ou se tornarem acessíveis, é preciso analisar o tipo de material utilizado no solo, os desníveis, as inclinações e os aspectos urbanos.

Image

Calçada danificada e acumulo de entulho na rua Áurea Lejeune, na Vila Guarani, no Jabaquara (Vagner Vital/32xSP)

A proposta de padronização das calçadas vem acompanhada do decreto publicado no Diário Oficial de São Paulo pela gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB). O decreto proíbe que portões automáticos invadam os espaços das calçadas destinadas para pedestres.

Agora, todas as residências, condomínios e estabelecimentos comerciais que possuem portões que, ao abrir ou fechar, ultrapassem o limite do imóvel, terão seis meses para se adequar ou deverão pagar uma multa estimada em R$ 250.

O objetivo, tanto da proposta de padronização como o decreto de lei, é tornar mais seguro os trajetos realizados por pedestres, segundo a Câmara Municipal de São Paulo.

Segurança que, atualmente, os pedestres não possuem, na opinião de Alberto Rodrigues, 33, idealizador do projeto “Caminhada das Quebradas”. A iniciativa foi criada em 2013 e estimula pessoas a se locomoverem cada vez mais a pé na capital paulista.

VEJA MAIS:
Prefeita do Jabaquara pretende tapar buracos ‘em questão de horas’ em 2019
Prefeito de São Miguel promete melhorar segurança de pedestres

Para ele, que já percorreu toda a região da zona leste a pé,  a dificuldade mais gritante são as calçadas inacessíveis para os pedestres.

“A caminhada como meio de transporte ainda é vista com um certo preconceito, pois ainda existe a ideia de que quem não tem um carro ou moto está em um nível abaixo da sociedade”, afirmou Rodrigues em entrevista ao 32xSP.

A qualidade das calçadas na capital paulista, de acordo com a Pesquisa de Mobilidade Urbana de 2017 (realizada pela Rede Nossa São Paulo, Ibope e Cidade dos Sonhos), aparece com nota abaixo da média de 5,5. Os entrevistados pela pesquisa deram nota 3.0 para a situação das calçadas.

SERVIÇO:

Documento com propostas para padronização de calçadas estará disponível on-line até 16 de julho no site da Prefeitura de São Paulo (confira aqui).

Críticas, elogios e sugestões devem ser enviados para o e-mail: [email protected].

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.