APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Rolê

Projeto do Grajaú une esporte de barco a vela e graffiti

Image

Por Priscila Pacheco | 29.08.2016

Publicado em 29.08.2016 | 16:32 | Alterado em 22.11.2021 | 16:32

Em barcos grafitados, juventude veleja por represa Billings e reconhece importância do local: “Queremos aproveitar a represa. Olhar com carinho para ela”

Projeto Navegando nas Artes estimula olhar cuidadoso para represa — Foto: Priscila Pacheco/Agência Mural

Nascido no Grajaú, zona sul de São Paulo, o arte-educador Franz Thomas de Oliveira, 21, começou a velejar aos 10 anos de idade na Billings, represa que cerca o distrito. A atividade era oferecida por uma organização social que atuava perto da casa de Oliveira, mas ela fechou as portas há mais ou menos quatro anos. Todavia, a paixão pela vela fez com que o rapaz e outros participantes da antiga ONG criassem o próprio projeto. Assim, nasceu Navegando nas Artes que teve a primeira ação aberta ao público no último domingo de julho.

Oliveira conta que o projeto recebeu o nome Navegando nas Artes por querer unir a prática do esporte náutico e a valorização do graffiti, arte muito disseminada na região e que decorará os barcos. “Convidamos grafiteiros do Grajaú para pintar as velas”, comenta. A pintura será realizada no decorrer das atividades. Além disso, Navegando nas Artes nasceu com o desejo de estimular os participantes a terem um olhar cuidadoso em relação a represa.

Para tirar a ideia do papel e colocar os barcos na água, Oliveira e outros velejadores do Grajaú concorreram ao edital do VAI (Programa para a Valorização de Iniciativas Culturais). O valor arrecadado permitirá que as atividades aconteçam por pelo menos oito meses. “A gente pretende buscar outros meios para continuar o projeto, porque a náutica é muito cara. A manutenção dos barcos é cara”, comenta o rapaz.

Barco grafitado pelo artista Mauro Neri — Foto: Priscila Pacheco/Agência Mural

No último domingo (28), foi apresentado o primeiro barco grafitado pelo artista Mauro Neri, também nascido no Grajaú e que grafita por toda a São Paulo. Inclusive, ele é o criador do termo “Veracidade”, que vemos em diversos locais da capital.

A empolgação pelo projeto contagia. O técnico de iluminação Fabiano Souza, 25, começou a velejar aos 15 anos de idade e agora é instrutor de vela no Navegando nas Artes. Ele saiu chamando toda a garotada do Cantinho do Céu, bairro do Grajaú onde mora, para aprender a velejar. “É um sonho. Tirar essa molecada da rua por algumas horas para praticar um esporte é muito bom”.

Franz Thomas de Oliveira organiza os barcos para o evento de vela na Represa Billings — Foto: Priscila Pacheco/Agência Mural

Um dos convidados de Souza é o estudante Thiago da Silva. O garoto de 16 anos de idade e morador do Cantinho do Céu comenta que no começo ficou com um pouco de medo de entrar na água, mas sentiu segurança por causa do equipamento. “A represa é um negócio perigoso. No barco a gente está seguro. Tem o colete salva-vidas e o Fabiano no bote acompanhando”. Além do bote motorizado que circula pela represa, os novatos são acompanhados por velejadores experientes no mesmo barco a vela.

Silva também chama a atenção para o fato de o esporte ser uma possibilidade de tirar o pessoal da mesma idade que ele da rua. “A galera fica muito na rua. Fica sem fazer nada ou só soltando pipa”. A preocupação com o local onde as crianças e adolescentes ficam parece ser algo recorrente no diálogo com os moradores do Grajaú. Taís Santos, 20, foi outra que fez questão de dizer que o esporte é uma forma de tirar os jovens da rua e até de afastar do mundo do crime.

Os barcos e velas são herança de antiga ONG — Foto: Priscila Pacheco/Agência Mural

“É bom velejar. A gente vai aproveitar o máximo que puder”, completa o auxiliar mecânico Jonatas Ribeiro, 22, nascido no Grajaú e instrutor de vela no projeto.

As primeiras atividades aconteceram na área da Billings que banha o Jardim Gaivotas, bairro do Grajaú. Entretanto, o plano é velejar em diferentes pontos da represa. Também vão fazer mutirões de limpeza nas margens. “Queremos aproveitar a represa. Olhar com carinho para ela”, finaliza Oliveira.

Priscila Pacheco é correspondente do Grajaú
[email protected]

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.