APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Quais são os distritos com mais área verde em SP?

SP tem mais de 194 milhões em m² de áreas verdes. Distribuição regional, porém, é desigual. Em Parelheiros há 502 m² por habitante; já em Cidade Ademar, apenas 0,76

Image

Por: Redação

Publicado em 14.06.2018 | 14:25 | Alterado em 14.06.2018 | 14:25

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Serra da Cantareira engloba sete prefeitura regionais na zona norte de SP (Wikimedia)

O cartão postal da cidade de São Paulo são suas paisagens urbanas, porém, o município possui um percentual de 44% de seu território formado por cobertura vegetal, reunindo mais de 194 milhões em m² de áreas verdes. Os dados são da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente (SVMA) e da Rede Social de Cidades, de 2016.

Por outro lado, a distribuição de área verde por região é muito desigual. A Prefeitura Regional de Parelheiros, no extremo sul, possui 86,5% de cobertura vegetal, enquanto o Itaim Paulista, no extremo leste, possui apenas 6,45%.

A capital paulista também não consegue alcançar o índice considerado adequado de área verde por habitante, recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é um mínimo de 12 m² por morador. Sem isso, a qualidade do ar respirado fica comprometida.

LEIA TAMBÉM:
– Metade dos paulistanos está insatisfeita com condições das praças
– Moradores sonham com parque em terreno de 100 mil m² na Mooca

Com uma população de 12,11 milhões de habitantes, apenas 10 das 32 prefeituras regionais da cidade de São Paulo alcançam o índice adequado, sendo, em sua maioria, distritos localizados nos extremos da cidade, como Parelheiros, no extremo sul, e Jaçanã/Tremembé e Perus, na zona norte, que lideram o ranking de cobertura vegetal.

Tendo 501,73 m² de área verde por habitante, o distrito de Parelheiros lidera, com folga, a cobertura vegetal na cidade. “Moro em Parelheiros desde a década de 1970. Amo este lugar. Há muita área verde com rios, cachoeiras, plantas e animais. Além disso, o ar é menos poluído. Quando saio do serviço, levo de duas a três horas para chegar em casa, mas não troco esse lugar por nada”, diz a doméstica Janira Mendes da Silva, 46.

Na outra ponta da cidade, o contador Alberto Nascimento Chagas, 42, diz que também não trocaria o bairro verde por outro.

“Tenho orgulho de morar no Parque Edu Chaves, próximo à Cantareira. Se eu pudesse, moraria lá em cima, na Serra mesmo. Aqui temos vários parques próximos e uma visão privilegiada de todos os lados”, afirma.

O Jaçanã/Tremembé abriga o Horto Florestal, um dos maiores cartões-postais verdes da região, além do Parque Estadual da Cantareira que abrange a Serra da Cantareira, com 68.800 hectares de terra, e os municípios de São Paulo, Caieiras, Mairiporã e Guarulhos.

“Já morei em outros bairros mais distantes daqui, mas, pela área verde e pela qualidade de vida, voltei. É um lugar muito valorizado por conta disso”, reforça Chagas.

MAIS ÁRVORES

No Plano de Metas 2017-2020 da Prefeitura de São Paulo, a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente promete plantar 200 mil árvores na cidade, com prioridade para as 10 prefeituras regionais com menor cobertura vegetal: Aricanduva, Ermelino Matarazzo, Guaianases, Itaim Paulista, Jabaquara, Mooca, Sapopemba, Sé, Vila Mariana e Vila Prudente.

Image

Árvores em canteiro próximo à Praça João Mendes, na Sé (Vagner de Alencar/32xSP)

Em 2017 foram plantadas 18.934 mudas de árvores, sendo 4.550 em São Miguel Paulista, na zona leste, 2.122 no Butantã, zona oeste, e 1.981 no Campo Limpo, zona sul. Por outro lado, Vila Prudente teve apenas 6 mudas plantadas e, em Guaianases, foram 40 novas árvores.

VEJA TAMBÉM:
– Sé é o distrito com menos árvores em SP
– Praça no centro de SP é inaugurado com problemas estruturais

A projeção é plantar 80 mil mudas de árvores em toda a cidade entre 2017 e 2018, e 120 mil entre 2019 e 2020. A Prefeitura de São Paulo também tem a meta de plantar 175 mil árvores de pequeno porte nos terrenos de linhas de alta tensão e faixas de dutos, e outras 50 mil por meio de doações ou parcerias (8.200 já foram concluídas).

CONSERVAÇÃO

Em janeiro de 2018, a SVMA lançou o Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica, chamado de PMMA São Paulo. O objetivo é apontar ações prioritárias e áreas para a conservação, manejo, fiscalização e recuperação da vegetação nativa e da biodiversidade da Mata Atlântica, baseando-se no mapeamento de remanescentes existentes.

De acordo com a Prefeitura, o PMMA também incentiva experimentos tecnológicos sustentáveis e gestão de ações que conciliem a conservação do bioma com o desenvolvimento econômico e cultural do município, fortalecendo a organização social e a participação do cidadão na gestão das políticas públicas.

ASSISTA AINDA:

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.