APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Uma das mais antigas, Ipiranga abriga a maior favela de São Paulo

Se, por um lado, no Ipiranga há muitos bairros considerados ricos, como Bosque da Saúde e Jardim da Saúde, no Sacomã encontra-se Heliópolis, a maior favela da cidade

Image

Por: Redação

Publicado em 12.09.2016 | 17:47 | Alterado em 12.09.2016 | 17:47

Tempo de leitura: 3 min(s)

“Ouviram do Ipiranga as margens plácidas”. Cantado já no primeiro verso do Hino Nacional Brasileiro, o Ipiranga é um dos bairros mais antigos e importantes de São Paulo.

Batizado em referência ao Riacho do Ipiranga, onde foi proclamada a Independência do Brasil, o local é ainda reduto de alguns dos principais patrimônios históricos da cidade, como o Museu Paulista (Museu do Ipiranga e o Parque da Independência).

Também com um distrito de mesmo nome, somados a ele estão Cursino e Sacomã, administrados pela Subprefeitura do Ipiranga.

A professora de língua inglesa Letícia Franco, 43, mora na Vila Nair, um dos quase 40 bairros do distrito do Sacomã, que possui o maior número de habitantes entre o trio: 463 mil. Já o Cursino contabiliza 106 mil moradores. Enquanto o Ipiranga acumula 109 mil pessoas.

“O Ipiranga é uma região riquíssima em comércio. Tem todas as maiores lojas de departamentos, clínicas, assim como bares, restaurantes e um grande mercado”, afirma Letícia.

A subprefeitura local é uma das três mais populosas da zona sul, atrás da Capela do Socorro, com 594 mil e do Campo Limpo, com mais de 600 mil moradores.

Se, por um lado, no Ipiranga há muitos bairros considerados ricos, como Bosque da Saúde e Jardim da Saúde, no Sacomã está encravada Heliópolis, a maior favela da cidade.

Em uma área de quase um milhão de metros quadrados, em Heliopólis, que significa “cidade do sol”, vivem 200 mil habitantes, há 18 mil imóveis e 3 mil estabelecimentos comerciais, conforme levantamento da Unas (União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região).

Desde 14 de outubro de 2015, a Subprefeitura do Ipiranga é administrada por Edna Diva Miani Santos. Assistente social de formação, ela é funcionária de carreira há 40 anos na cidade, ocupando os cargos de coordenação de Serviço Social, superintendente e diretora em diversas regiões de São Paulo. Edna é uma das quatro subprefeitas da cidade, que tem oito vezes menos mulheres do que homens no cargo.

Região em indicadores

Embora estejam alguns dos monumentos históricos mais importantes do país, o indicador “cultura” ainda registra alguns índices baixos, segundo o Observatório Cidadão.

“Aqui tem o Sesc Ipiranga, o Museu do Ipiranga, que está fechado. A região do entorno do museu é bem legal para praticar esportes, como correr ou andar de bicicleta ou simplesmente dar um rolê”, afirma Letícia.

No entanto, o número total de salas de cinemas, mesmo que tenha aumentado de um para oito, entre 2006 e 2015, é considerado baixíssimo. A taxa é de 0,169 — para cada 10 mil habitantes.

“Realmente aqui não tem cinema e o trânsito é horrível. Mas, no geral, é bem legal morar aqui”, diz a professora que mora próximo ao Terminal Sacomã.

Com o total de oito museus, até 2015, a região está na média. Já a quantidade de centros culturais, espaços e casas de cultura, até o ano passado também registrava uma das piores taxas: 0,021. A subprefeitura, no entanto, não está sozinha. Outras 19 têm indicadores muito abaixo da média. Dez delas marcam zero unidades.

No aspecto saúde, a porcentagem de leitos hospitalares caiu nos últimos 11 anos. Embora esteja na média, com a taxa de 1,60 leito para cada 10 mil moradores, em 2006 havia 1.209 equipamentos. Em 2015, eram somente 756.

“Temos alguns postos do SUS e AMAS. Já utilizei e o atendimento foi satisfatório. Já hospital público, temos o Heliópolis. Nunca precisei utilizar, então não sei como é o atendimento”, ressalta Letícia.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.