Repórteres falam sobre a importância de humanizar histórias

Entre os dias 28 e 30 de junho, São Paulo sediou o 13º Congresso de Jornalismo Investigativo. Acompanhei o evento e agora falo um pouco sobre o painel “Mulheres, violência e a sensibilidade para contar as histórias”.

Apesar de a Agência Mural não noticiar atos violentos, os materiais apresentados possuem semelhanças ao trabalho que desenvolvemos nas periferias da Grande São Paulo. Afinal, a Mural, iniciada em 2010, também surgiu como uma crítica à forma como algumas histórias são contadas na mídia: no nosso caso, a maneira como as periferias são retratadas.

Receba nossa newsletter!

#UmaPorUma, JORNAL O COMMERCIO

Em 2016, mais de 4,6 mil mulheres foram assassinadas no Brasil, uma média de 4,5 brasileiras mortas para cada 100 mil habitantes. Em Pernambuco, no nordeste do país, a taxa de homicídios de mulheres por morador é ainda maior, 5,8 pernambucanas mortas a cada 100 mil. Foi olhando para esses números e cansadas de ver o problema ser menosprezado, que as jornalistas Ciara Carvalho e Julliana de Melo resolveram dar início a um novo projeto: o #UmaPorUma.

“O projeto nasceu de um incômodo; de contar todo dia uma morte, ter 25 linhas e aquilo não te levar a nada, a nenhum tipo de reflexão”, explica Ciara.

Com um espaço próprio no NE10, portal pernambucano do Jornal do Commercio, o #UmaPorUma apresenta as histórias de todas as mulheres mortas no ano de 2018 em Pernambuco. A ideia era transformar notícias trágicas em uma reflexão maior sobre o contexto que produz as violências contra o público feminino.

No site, as histórias são acompanhadas de informações sobre a tipificação do crime, a situação do processo e o nome do principal suspeito, além de estatísticas contextualizadas sobre o assunto. De janeiro a maio, o projeto contabilizou 110 homicídios, entre eles 27 feminicídios.

As jornalistas acreditam na importância da humanização no jornalismo para estimular o debate (Alice Vergueiro/Abraji)

Para Ciara e Julliana, humanizar os dados mostrando quem são essas mulheres é essencial para o debate sobre este tipo de violência, e sobre a maneira de se fazer jornalismo. “Esse projeto é também para olhar para nós enquanto jornalistas. A gente tenta corrigir algumas coisas que são erros nossos, da forma de fazer jornalismo e da pressa de fazer jornalismo. É como se fosse uma janela: nesse aqui a gente vai tentar fazer diferente”, explica Ciara.

O fazer diferente se reflete desde a maneira como as repórteres trabalham até o produto final apresentado para o leitor. Na contramão das matérias factuais dos jornais diários, a equipe do #UmaPorUma rastreia semanalmente a evolução da investigação policial, além de entrevistar as famílias e visitar o local do crime. O acompanhamento dos processos gera pressão para que os casos sejam investigados até o final, explica Ciara: “A gente tem que pensar que não tá divulgando a morte de Marielle [vereadora do Rio de Janeiro morta em março de 2018], que tá toda a imprensa acompanhando. A gente tá divulgando mortes anônimas. São pessoas que são invisíveis”.

Atualmente, o #UmaPorUma reúne quase 30 repórteres, que também têm o auxílio de fotógrafos e ilustradores do Jornal do Commercio.

“As Minas de Minas”, REVISTA AzMina

As jornalistas Carolina Oms e Amanda Célio, da Revista AzMina, também participaram do painel “Mulheres, violência e a sensibilidade para contar as histórias”. Elas apresentaram “As Minas de Minas”, reportagem que narra a história de exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias de Minas Gerais.

A dupla destacou a importância da sensibilidade dos repórteres no momento de escrever matérias sobre pessoas em situações de vulnerabilidade, um cuidado quecomeça na preservação das pessoas entrevistas: “As pessoas vêm antes das histórias”, fala Amanda. 

0 thoughts on “Novos nomes desafiam clãs políticos nas eleições para deputado no Brasil”

  1. Que lindo Ana Beatriz!
    Nos olhos e na voz dessas crianças é que realmente está a nossa esperança de um país melhor.
    Pessoas inocentes que conseguem enxergar o que muitos ignoram.
    É a vida de verdade,o sorriso estampado,o brilho nos olhos que mal sabem o que ainda vai ter que enfrentar.
    Um super abraço de toda família Centro Comunitário do Embura.
    Felicidades linda.

  2. Um raio x dessas pequenas Almas, que acreditam e sonham em um país onde tudo parece estar pedido, surge através da pureza e simplicidade o nascer da esperança dentro desses pequenos gigantes.
    Ainda vale a pena sonhar!

  3. Uma linda crônica, repleta de alma e total conhecimento do cenário atual de nosso país.
    São palavras assim que nos inispiram à lutar por mais um dia.
    Parabéns!!!

  4. Parabéns. Sou testemunha do seu ganho de saúde física, emocional e psicológica. Pois a bicicleta proporcionou a conscientização dos alimentos que lhe trazem energia e vitalidade e daqueles que intoxicam tirando o vigor pro esporte. Sua conquista de um corpo mais sadio e moldado também é digna de congratulações.

    1. Pessoa incrível, estudamos juntos e realmente sua história de vida é algo que muitas pessoas que tiveram a oportunidade de conviver um pouco com ele aprendeu muito.

  5. Fantástico ! Com todos percalços que a periferia oferece na prática esportiva, eis uma superação e motivação para deixarmos de ser sedentários ! Parabéns Mauro pela iniciativa !

  6. Olá,
    Gostaria de saber se a possibilidade de receber bolsa de estudos para esse curso em específico. Que Muito fazer, mas não possuo recursos no momento para investir.

    Desde já agradeço.

    1. Olá, Sheila! Muito obrigada pelo contato e interesse pelo curso. A atividade é oferecida pela faculdade, logo, vale tentar direto com a Fespsp a possibilidade de conseguir alguma bolsa.

  7. Paulinho, esta sim é a mais linda forma de Dizer Eu Te Amo Para um Pai!
    Você fez uma linda homenagem, para o Tio Paulo, que é Paizão de toda Família.
    Deus abençoe a todos os Filhos.

  8. Zorade, ai sim meu grande sobrinho, que homenagem de arrepiar.! Digo nunca vista, (é claro)pois cada um é um…Quanta sabedoria vestida de aparente ignorancia! O jeito de ser do meu irmao meio estranho, superou os grandes modos finos de criar seus filhos…Quanta riqueza de carater , de valentia também,ele apresentou a voce e a essa exelente Mae que te trouxe ao mundo…Familia pequena nas de grande peso..kkkk em todos os sentidos…No seu relato voce se esqueceu de falar sibre a bondade do coraçao dele…Tem umas histórias de caridade dele que admiro!…Parabéns pela homenagem ! Que Deus lhe proteja , que cada vez mais sua intelugencia seja ativada….abraços

  9. Olá boa tarde,
    Gostaria de parabenizar pela iniciativa e tbm Têmos que girar essa informação e cobrar de forma correta e pacífica dos responsável para tal , tendo em vista que somos moradores da região Têmos essas e outras dificuldades sendo que todos nós vamos receber visitas Nos próximos dias de político ou de seus prestadores de serviços prometendo o que não se cumpre ,uma vez que se não formos no dia votar somos obrigados a pagar multa e tenho certeza que todos nos não deixamos de pagar e quando se trata de olhar um pouco pra lado mínimo que é ,transporte, segurança, iluminação, etc.. Nos não temos respaldo ,então diariamente ouvimos relatos e acontecimentos que cada dia dificulta mais a vivência no bairro, só lembrando que mesmo sendo uma APA todos aqui são eleitores que seguem a risca com suas obrigações e o que queremos é o mínimo se iníciando pelo Respeito aos moradored e direito de ir e vir que já não temos mais.
    Att:
    Gilmar Rodrigues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *