APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

'Minha filha não irá para a reposição porque ela não estava de greve'

Apesar de reposição de aulas de professores grevistas já ter começado, nem todos os responsáveis querem levar filhos à escola e alterar o cronograma familiar

Image

Por: Redação

Publicado em 11.07.2018 | 16:00 | Alterado em 11.07.2018 | 16:00

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Emef Carlos de Andrade Rizzini, em Santo Amaro, na zona sul de SP (Diogo Marcondes/32xSP)

As reposições das aulas que deixaram de ser dadas em março, devido à greve dos professores contra a Reforma da Previdência proposta pelo ex-prefeito João Doria (PSDB), estão em andamento nas escolas municipais da cidade de São Paulo.

Em abril, a Secretaria Municipal de Educação (SME) divulgou uma portaria liberando cada unidade de ensino para criar um calendário próprio para repor os dias perdidos.

O documento assinado pelo secretário Alexandre Alves Schneider dispunha de orientações para as unidades de ensino, como utilizar o período referente à primeira semana do recesso escolar de julho para a reposição.

LEIA MAIS:
– Ser professor por R$ 2.400 em SP é um privilégio?
– Quais são e onde estão as escolas públicas de ensino integral em SP?

Embora as reposições já tenham começado, nem todos os pais, mães e responsáveis estão dispostos a levar seus filhos à escola e alterar o cronograma familiar. Casos do autônomo Eduardo Meggiolaro, 24, e da operadora de telemarketing Luana Macedo, 27.

Na sexta-feira, 1º de junho, dia seguinte ao feriado de Corpus Christi, a Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Vicente de Paula, no distrito do Limão, na zona norte de São Paulo, funcionou normalmente. O dia seria usado para repor as aulas, mas Meggiolaro não levou sua filha para a escola.

“Minha filha não irá para a reposição porque ela não estava de greve”, afirma Meggiolaro. O autônomo não foi contrário à greve, mas acha que ela deveria ter sido feita aos sábados e domingos. “Acho que existe o direito de se manifestar, desde que não prejudique o outro”, defende.

Luana afirma que na Escola Municipal de Ensino Fundamental onde sua filha estuda, na zona sul, está tendo aula aos sábados e as férias foram adiadas para reposição. “Ela não vai nas reposições porque atrapalha o cronograma da família toda”, afirma.

“Essa reposição de aula é mais para os professores do que para os alunos. Eles têm que ter uma certa quantidade de horas/aulas por ano. Estão fazendo isso para repor as horas deles e não o conteúdo perdido pelos alunos”, opina Luana.

Como cada escola preparou o seu cronograma, caberá a cada uma delas conversar com os pais, tirar dúvidas e orientá-los sobre procedimentos a serem adotados diante das reposições das aulas perdidas em março.

Image

Emef Carlos de Andrade Rizzini, na zona sul de SP (Diogo Marcondes/32xSP)

A Secretaria Municipal de Educação ainda não sabe informar como está a aderência à reposição de aulas por parte dos alunos. À reportagem, a SME explicou que as escolas realizam a reposição e passam a lista de presença (dos alunos e dos professores) para as Diretorias Regionais de Ensino (DREs), responsáveis por todo o controle.

De acordo com o Plano Nacional de Educação, do Governo Federal, e do Calendário Anual de Atividades das unidades escolares no Município de São Paulo, da Prefeitura, devem ser assegurados o cumprimento mínimo de 200 dias e 800 horas de efetivo trabalho escolar.

CAUSA DA GREVE PODE VOLTAR À PAUTA

A greve dos professores da rede municipal de ensino foi convocada para pressionar os vereadores a barrarem o Projeto de Lei nº 621, que trata da Reforma da Previdência para os servidores municipais. Com a reforma, alíquota de contribuição dos servidores passaria de 11% para 14%.

O primeiro projeto de reforma foi apresentado à Câmara em 2015, na gestão de Fernando Haddad (PT). Em agosto de 2016, foi retirado após protestos. Haddad reenviou o projeto à Câmara em dezembro, depois de ter perdido a eleição.

VEJA TAMBÉM:
Na zona leste, alunos com deficiência evadem duas vezes mais
Atraso em obras deixa 500 crianças sem creches na Cidade Ademar

Um ano depois, João Doria reformulou o projeto e enviou novamente para apreciação dos vereadores. Com a pressão que sofreu, o ex-prefeito perdeu apoio na Câmara e a pauta foi adiada por 120 dias.

Este prazo se encerra no final deste mês e o projeto pode voltar à pauta. Caso isso ocorra, deve haver mais pressão por parte dos professores e mais paralisações para os alunos.

ASSISTA AINDA:

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.

Nenhum campo encontrado.