APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Repúblicas da prefeitura abrigam jovens abandonados pela família

Criado em 2008, o serviço dispõe atualmente de 102 vagas em diferentes subprefeituras de São Paulo

Image

Por: Redação

Publicado em 07.10.2021 | 0:22 | Alterado em 07.10.2021 | 0:22

Tempo de leitura: 2 min(s)

A cidade de São Paulo conta com nove repúblicas para jovens de até 21 anos. Essas casas acolhem mulheres e homens com idade acima de 18 anos que foram abandonados por suas famílias ou com vínculos familiares fragilizados, em situação de vulnerabilidade social ou sem condições de moradia. 

Criado em 2008, o serviço dispõe de 102 vagas no total. No momento, segundo o Sistema de Informação do Atendimento aos Usuários, há 36 vagas disponíveis no município, nas unidades das subprefeituras da Casa Verde, Ermelino Matarazzo, Aricanduva, Lapa, Pirituba/Jaraguá, Itaquera, Penha, Capela do Socorro e Ipiranga.

O objetivo é acolher e fortalecer os jovens visando a inclusão social, a conquista da autonomia e o exercício da cidadania, segundo a prefeitura. 

COMO FUNCIONA?

O jovem pode permanecer na república até completar 21 anos e precisa ter autonomia financeira para contribuir com as despesas. 

O acesso ao serviço é feito somente por meio de encaminhamento via CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) e rede de serviços socioassistenciais.

Segundo a SMADS (Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social), nas repúblicas Jovem a prioridade no encaminhamento é de jovens oriundos dos SAICA (Serviços de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes). 

Nas unidades há acompanhamento de profissionais para gestão coletiva da moradia, apoio na construção de regras de convívio, definição da forma de participação nas atividades domésticas cotidianas e gerenciamento de despesas.  

LEIA MAIS:
Jovens falam sobre política nas periferias de SP; 67% não se interessam pelo tema

O procedimento de acolhimento é administrado pela SMADS em parceria com oito OSCs (Organizações da Sociedade Civil) conveniadas. Cada república tem capacidade para acolher um grupo de até 24 jovens. 

Os acolhidos também são encaminhados a outros serviços, programas e benefícios da rede socioassistencial e demais políticas públicas. 

As repúblicas para jovens funcionam 24 horas por dia e estão localizadas nas regiões da Casa Verde, Ermelino Matarazzo, Aricanduva, Lapa, Pirituba/Jaraguá, Itaquera, Penha, Capela do Socorro e Ipiranga.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.