APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Vale Nota?

Rodízio de alunos nas escolas gera sobrecarga de trabalho em professores durante pandemia

No Dia do Professor, entenda como educadores conciliaram aulas virtuais e presenciais nas escolas públicas. A partir de novembro, sistema que mescla as duas modalidades será extinto em boa parte da rede

Image

Por: Jessica Bernardo

Notícia

Publicado em 15.10.2021 | 15:34 | Alterado em 23.11.2021 | 19:39

Tempo de leitura: 4 min(s)

Quando a professora Maria Helena de Sousa, 42, chega em casa à noite, depois de sair da segunda escola em que dá aulas, um novo turno de trabalho começa. É nesse período que ela prepara as atividades para os estudantes que vão acompanhar suas aulas remotamente durante a semana. “É trabalhoso, mas necessário”, conta.

Em um ano e meio desde o início da pandemia, o ensino virtual seguiu presente na rotina das escolas públicas da Grande São Paulo. A partir de segunda-feira (18), a volta às aulas presenciais será obrigatória no estado, mas os alunos poderão continuar no sistema de rodízio, que combina as aulas presenciais com as virtuais, até novembro.

O formato já era aplicado na maior parte dos colégios. Na Escola Municipal Vicente Maciel, em Cotia, onde Maria Helena leciona, a turma do 4º ano tem 27 alunos. Quatro deles estão apenas no ensino online e os outros 23 se revezam em dois grupos para frequentar as aulas presenciais.

A professora Maria Helena de Sousa, 42, conta que prepara atividades durante a noite @Matheus Pigozzi/Agência Mural

Às segundas e quartas-feiras é a vez da primeira turma ir até a escola. Às terças e quintas o segundo grupo ocupa as carteiras. Enquanto parte dos alunos frequenta o presencial, os outros fazem as lições em casa, seguindo o roteiro de atividades proposto pela professora.

Na teoria, o conteúdo para o ensino remoto deveria ser preparado às sextas-feiras, quando nenhum aluno vai à escola. No entanto, planejar as aulas da semana leva mais tempo do que isso e o trabalho acaba invadindo os horários de descanso da professora.

É só às 20h, quando Maria Helena volta para casa, que ela consegue terminar as atividades. “Chego na minha casa, revisito o roteiro e faço a gravação da aula posterior”, explica a educadora.

Além dos roteiros para os estudantes que se revezam entre o online e o presencial, ela prepara também um material adicional, com vídeos didáticos, para os alunos que ainda não voltaram para a escola em nenhum dia. “A ideia é que ninguém perca nada.”

Em Cotia, onde Maria Helena atua, a prefeitura ainda não decidiu se vai seguir o governo estadual e decretar a obrigatoriedade das aulas presenciais na próxima semana. Os municípios com conselhos de educação próprios podem optar por acompanhar a decisão estadual ou manter o retorno facultativo dos alunos.

AULAS GRAVADAS

Em Guarulhos, segunda maior cidade da Grande São Paulo, a gestão municipal decidiu seguir o governo estadual e tornará obrigatória a volta dos estudantes para o presencial a partir de segunda (18). O sistema de rodízio, contudo, será mantido até novembro para garantir o distanciamento de um metro.

Na Escola Mário Quintana, as professoras do ensino infantil se organizaram para dividir o planejamento das aulas remotas. Juntas elas criaram uma apostila com atividades para as crianças fazerem a cada semana, além de dividirem a gravação dos conteúdos para as turmas.

Em Guarulhos, na Grande São Paulo, aulas presenciais serão obrigatórias @Ira Romão/Agência Mural

A professora Vanessa Silva, 34, trabalha na escola e tem 36 alunos matriculados na sala. A maioria vai às aulas presenciais, mas quatro estudantes continuam no online. Assim como Maria Helena, ela grava os vídeos com as explicações da própria casa.

“O online é mais aula gravada e mediação. Faço interação online com eles todos os dias e fico à disposição se algum aluno precisar fazer uma chamada de vídeo para mediar alguma atividade.”

Os conteúdos gravados foram a solução encontrada por vários professores para driblar a falta de internet dos alunos no começo da pandemia. Acompanhar as aulas ao vivo exige uma conexão com mais velocidade, o que é raro nas periferias da Grande São Paulo.

Já a professora Thaís Lemes, 36, decidiu dar aulas ao vivo para os estudantes do ensino remoto todas as segundas-feiras. Ela atua na EMEF (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Dom Veremundo Toth, em Paraisópolis, zona sul da capital paulista. 

“Conversando com eles, a gente achou melhor fazer uma vez por semana. Até porque tem lugares em Paraisópolis que não têm internet”, explica a educadora.

A turma dela tem 32 alunos. Dois deles continuam no ensino virtual e os demais se revezam para ir à escola semana sim, semana não. Às segundas, a professora conecta o computador à TV da sala de aula e os alunos que estão em casa conseguem acompanhar a explicação junto com os que estão na escola.

Quem tem dúvida, seja no virtual ou no presencial, precisa levantar a mão.

“Quando eles têm perguntas, eles levantam a mão no Google, mas aí trava. Eu falo: ‘escreve’, mas aí já vem o desafio porque alguns não são alfabetizados”, conta.

Apesar dos problemas técnicos, Thaís diz que os alunos gostam de ver uns aos outros. E para evitar muitas dúvidas, o conteúdo dado às segundas é sempre algo que já está sendo trabalhado com os estudantes.

“Eu já planejo aulas estratégicas, que não envolvem tanto raciocínio. Não é conteúdo novo”, diz. Nos outros dias, o conteúdo das aulas virtuais é gravado pela professora em casa.

Na capital paulista, a Secretaria Municipal de Educação disse que a partir do dia 25 de outubro não haverá mais rodízio entre os alunos que optarem pelo ensino presencial nas escolas da rede. A volta dos estudantes para a sala de aula, no entanto, continuará facultativa.

ENSINO HÍBRIDO

O modelo adotado na maior parte das escolas, com alternância entre presencial e online, tem sido chamado pelos governos municipais e estadual de ensino híbrido.

Mas para Alexandre Schneider, que pesquisa tecnologias para a educação no “Transformative Learning Technologies Lab” (Laboratório de Tecnologias Transformativas para Aprendizagem, em tradução livre) da Universidade Columbia, nos EUA, a combinação entre o remoto e o presencial não é necessariamente um ensino híbrido.

“O ensino híbrido usa a tecnologia, mas articula a tecnologia com o presencial de uma forma interligada”, explica o professor, que é também ex-secretário municipal de educação de São Paulo.

A coordenadora da Campanha Nacional Pela Educação, Andressa Pellanda concorda que o método atual está longe do ideal.

“Ainda falta muito para a implementação de um ensino híbrido com qualidade, se é que isso é possível.”

Para ela, no entanto, a volta obrigatória precisa ser articulada com uma melhor infraestrutura nas escolas e o controle dos protocolos sanitários em todos os serviços. “Sem essas políticas concomitantes, não haverá educação de qualidade em sala de aula e não haverá retorno pleno que seja defensável.”

receba o melhor da mural no seu e-mail

Jessica Bernardo

Jornalista, cria de uma família de cearenses. Apaixonada por São Paulo, bolos e banhos de mar. Correspondente do Grajaú desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.