APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Image

São Mateus convive com os impactos de três aterros sanitários

Desde o final dos anos 1970, região recebe resíduos da capital. Moradores apontam impactos no meio ambiente

Por: Matheus Oliveira

Notícia

Publicado em 12.11.2021 | 15:30 | Alterado em 04.01.2022 | 15:59

No número 32.254 da Avenida Sapopemba, no bairro 3ª Divisão, está o CTL (Central de Tratamento de Resíduos Leste). Único aterro sanitário em atividade na cidade, o CTL marca o histórico de São Mateus como destino de parte do lixo produzido na cidade de São Paulo.

Além do CTL há três aterros desativados em São Mateus: São João, São Matheus e Sapopemba.

O Sapopemba funcionou entre 1979 e 1986 no bairro Jardim Santo André. Desde 2013 funciona no local o parque Aterro Sapopemba, sob administração da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente.

O funileiro João Batista Soares de Lima, 65, frequenta o bairro desde a época em que o aterro estava em atividade. Hoje trabalha em frente ao Parque Aterro Sapopemba.

“Aqui era muito fedido, mas não tinha muita gente para reclamar. No final [das atividades do aterro], nos anos 1980, começaram a chegar os moradores e o aterro foi fechado”.

Também foi a presença da população que definiu o fechamento do aterro São Mateus. Localizado na Avenida Aricanduva, no Jardim 9 de Julho, próximo ao Parque do Carmo, o depósito funcionou entre os anos de 1984 e 1986.

César José relembra da movimentação popular em prol do fechamento do aterro sanitário de São Matheus, na Avenida Aricanduva @Matheus Oliveira/Agência Mural

O aposentado César José Portela, 77, conta que os moradores da região se uniram pelo fechamento do aterro. “Aqui na frente da minha casa era caminhão o dia inteiro. Era a única rua asfaltada, então eles vinham por aqui. Decidimos fazer uma manifestação e paramos a avenida [Aricanduva]”.

Apesar do fechamento, os problemas continuaram por mais 15 anos. Até 2003 funcionou a usina de compostagem São Matheus, ao lado do antigo depósito de resíduos.

No lugar da compostagem municipal, hoje funcionam duas cooperativas de catadores que somadas separam, selecionam e prensam cerca de 70 toneladas de materiais recicláveis por mês.

O cooperado Hamilton Oliveira aponta a necessidade de reduzir a produção de resíduos e investir em reciclagem na cidade de São Paulo para amenizar o problema com os aterros @Matheus Oliveira/Agência Mural

A Casa do Coletor e a Cooperleste empregam 30 e 43 pessoas, respectivamente. Hamiltom Oliveira, 60, alimenta as esteiras de triagem da Cooperleste desde que a cooperativa iniciou suas atividades na antiga compostagem.

“A solução [para o descarte de resíduos] são as cooperativas para desafogar os aterros. O certo é acabar com todo o tipo de lixão a céu aberto. Tinha uma lei para acabar com os lixões”.

Hamiltom está certo. A Política Nacional de Resíduos Sólidos, lei federal 12.305, de 2010, define o descarte correto de resíduos domésticos, industriais, hospitalares e entre outros. A legislação coloca como meta o fechamento de lixões e estímulos à reciclagem.

Não há lixões a céu aberto na cidade de São Paulo, mas apenas 2,48% do lixo é reciclado, segundo dados do 32xSP.

Em 1992, o aterro São João, na 3ª Divisão, entrou em atividade. Para aumentar a capacidade de aterramento, o São João foi desativado, e em 2010 deu lugar ao Aterro Sanitário Central de Tratamento de Resíduos Leste.

O CLT recebe diariamente cerca de 7 mil toneladas de resíduos gerados por quase 6,5 milhões de pessoas moradores de São Paulo. O restante do lixo produzido na capital é enviado para Caieiras, na Grande São Paulo.

A auxiliar de escritório Ana Paula Turno comenta que sua casa apresenta rachaduras por conta do constante trânsito de caminhões a caminho do CTL @Matheus Oliveira/Agência Mural

A auxiliar de escritório Ana Paula Turno mora há 15 anos em frente ao CTL. A técnica administrativa conta que a família de seu marido está na região desde os anos de 1960 e viu, e sentiu, os problemas da chegada e ampliação do aterro sanitário.

“Aqui tinha muita mata, era cheio de bichinhos. Tiveram de derrubar a mata para dar lugar ao aterro. Hoje a gente convive com o mau cheiro, a poeira e o trânsito dos caminhões. A gente tem que sempre falar com eles para limpar a rua e orientar os motoristas”.

Existem três tipos de depósitos de lixo e um dos pontos que os diferencia é a maneira que preparam o ambiente para receber os resíduos. Os lixões, onde não há cuidados, os aterros controlados, que possuem um cuidado moderado, e os aterros sanitários, onde o solo é impermeabilizado, gases encanados e chorume (líquido que surge da decomposição dos resíduos) é recolhido.

Para se definir que local receberá um aterro sanitário é levado em consideração o tipo de solo, existência de corpos d’água e distância da zona produtora dos resíduos, por exemplo.

Antiga usina de compostagem São Matheus @Matheus Oliveira/Agência Mural

A degradação ao meio ambiente é um risco. Por meio de denúncias anônimas, a Agência Mural teve acesso a vídeos onde é possível ver um líquido escuro em meio às águas do Córrego Limoeiro, próximo a entrada do Aterro CTL.

Em resposta, a EcoUrbis nega haver vazamento de chorume a corpos d’água e reforça possuir sistemas e protocolos para evitar maiores impactos ambientais.

“A EcoUrbis investe de forma contínua em seu sistema para captação e tratamento absoluto de todos os efluentes líquidos gerados, e, sob essas condições, pode afirmar, com total segurança e tranquilidade, que inexiste possibilidade de cursos d’água superficiais, águas subterrâneas ou o solo ter qualquer comprometimento decorrente de suas atividades”, argumenta a concessionária.

Professora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), no Campus Zona Leste, Jaqueline Fernandez afirma que o modelo de aterro sanitário não é o melhor por postergar o problema com o lixo.

A especialista em resíduos sólidos sugere o aumento na reciclagem e compostagem dos resíduos orgânicos para diminuir a produção de lixo e assim postergar a vida útil dos aterros.

“Mesmo com todos os cuidados, os aterros sanitários causam problemas, principalmente para a população”, aponta. “Se considerarmos que os aterros sanitários nas grandes cidades ficam nas periferias, eles se tornam mais uma forma de segregação, porque as pessoas têm que conviver com o trânsito dos caminhões, o mal cheiro e os impactos ambientais.”

João Batista conta que o Aterro Sapopemba foi transformado em parque municipal e assume: “Tenho medo de como o lixo foi aterrado” @Matheus Oliveira/Agência Mural

A presença de aterros, desativados e ativos, nas periferias marca a vida de quem espera por dias melhores, como o funileiro João.

“A gente pobre quer uma vida digna, nós não reclamamos porque somos pobres. Reclamamos porque não temos uma vida digna, que a gente pudesse viver em paz com a nossa família, tendo condições de criar os nossos filhos, de preferência sem o cheiro de lixo.”

Matheus Oliveira

Bairrista até no nome, Matheus de Souza é jornalista. Com a intuição de que a comunicação vai além das palavras, busca a evolução ao som de muita música brasileira. Correspondente de São Mateus desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.