APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Saúde é apontada como um dos principais problemas no Butantã

Embora a subprefeitura do Butantã seja considerada por muitos como uma região nobre, ela possui alguns bairros mais pobres e uma população descontente com a situação vivida neles

Image

Por: Redação

Publicado em 28.03.2017 | 13:42 | Alterado em 28.03.2017 | 13:42

Tempo de leitura: 2 min(s)

Embora a subprefeitura do Butantã seja considerada por muitos como uma região nobre, ela possui alguns bairros mais pobres e uma população descontente com a situação vivida neles. Saúde e a moradia são relatados por moradores como um dos principais problemas locais.

“A saúde pública aqui não está boa. Faltam médicos de especialidade ginecológica, remédios básicos, e até autoclave, aparelho de esterilização. Às vezes, os pacientes ficam sem atendimento pela falta do equipamento”, afirma Diva Nunes, 64, moradora da Cohab Raposo Tavares e usuária da UBS (Unidade Básica de Saúde) Jardim Boa Vista.

O conselheiro gestor da saúde, Francisco Bastos, 31, relata que a quantidade de medicamentos enviados pela Prefeitura de São Paulo é insuficiente. “Em um dia está abastecido. No outro, já não tem mais, e diversas pessoas que estavam no aguardo não conseguem pegar remédios. Sem opção, elas têm que pagar por um remédio de uso contínuo, quando é direito delas receber”, completa Bastos.

Tanto Francisca como Bastos participaram de uma reunião na última quinta-feira (23), na subprefeitura do Butantã, intitulada ‘Encontro de Articulação do Plano de Metas 2017-2020’. O objetivo da reunião, que contou com a presença de lideranças municipais, organizações, fóruns e conselhos, foi discutir melhorias para a zona oeste da cidade e, principalmente, para o distrito do Butantã.

A mesa de abertura foi composta por integrantes do Conselho Municipal Participativo, como Letícia Rey, Erika Ribeiro, Allan Lima e Werner Regenthal. Além disso, com o apoio da Rede Nossa São Paulo, esteve presente o pesquisador Américo Sampaio, que falou sobre a importância do plano de metas na sociedade.

Apesar da alta concentração de renda em alguns locais, a zona oeste também tem problemas como as outras regiões da cidade. Quatro em cada dez famílias que vivem nos distritos de Rio Pequeno e de Raposo Tavares, por exemplo, recebem menos de R$ 1.760 por mês, segundo o IBGE. Em toda a região, o percentual de domicílios com renda mensal inferior a dois salários mínimos é de 16%.

Foto: Danielle Lobato

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.